9 de maio de 2019

Na Telinha ou na Telona... #147

Olá gente lindaaaaa!
A indicação de dorama de hoje é muito especial, pois reúne duas das minhas grande paixões: doramas e livros. Estou falando de "Romance is a Bonus Book" (Romance é um Livro Bônus), também conhecido como "Romance is a Supplement", disponível na dona Netflix, para nooooossa alegriaaaa!

Estrelado pelo nosso queridinho Lee Jong Suk (Pinocchio, W: Two Worlds, While You Were Sleeping), "Romance is a Bonus Book" foi ao ar de 26 de janeiro a 17 de março de 2019, pela emissora do meu coração, tvN. Ou seja, praticamente recém saído do forno.

Sinopse: Cha Eun Ho é um autor de sucesso e editor sênior de uma editora de livros. Kang Dan-i é uma mãe e ex-executiva de publicidade de sucesso. Quando Cha Eun Ho era criança, Kang Dan-i salvou-o de um acidente e ficou ferido. Cha Eun Ho a ajudou a se recuperar e eles têm sido amigos íntimos desde então. Quando Kang Dan-i passa por uma grande mudança de vida e tenta entrar novamente no mundo profissional, suas vidas se tornam ainda mais conectadas. Eles enfrentam desafios pessoais e profissionais à medida que começam a perceber seus verdadeiros sentimentos um pelo outro.

ELENCO PRINCIPAL:

- Lee Na Young como Kang Dan-i (37 anos; ex-redatora de sucesso, com vário prêmios na área de marketing; atualmente divorciada, com uma filha de 10 anos e sem ter onde morar);
- Lee Jong Suk como Cha Eun Ho (32 anos; um escritor brilhante e editor-chefe de uma grande editora);
- Jung Yoo Jin como Song Hae Rin (29 anos; editora de desenvolvimento de conteúdo principal da editora; apaixonada por Eun Ho);
- Wi Ha Joon as Ji Seo Joon (29 anos; designer de livros freelancer).

Minha opinião: Amei! Amei! Amei!!
Quando dei play em "Romance is a Bonus Book" eu já sabia que seria um dorama incrível por dois motivos: 
1) Lee Jong Suk (óbvio!); 
2) a emissora (tvN).
Sério, essa combinação não tinha como dar errado. E não deu. Mas qual não foi minha surpresa ao notar, logo no primeiro episódio que quem roubaria a cena e faria toda a diferença na história era, na verdade, Kang Dan-i (interpretada por Lee Na Young). Esse é o primeiro trabalho da atriz que eu tenho a chance de assistir, mas posso dizer que ela foi incrível! É girl power que você quer, arroba? Kang Da-i tem de sobra!
Kang Dan-i é uma mulher de quase 40 anos que está passando pelo pior momento de sua vida: após ser traída e abandonada pelo marido com quem foi casada por doze anos, ela se vê tendo de sobreviver e cuidar da filha de dez anos sozinha. A filha está em um colégio interno fora do país, porque lá o ensino é mais barato, e Dan-i está se desdobrando para se recolocar no mercado de trabalho, enquanto vive clandestinamente em sua antiga casa, que foi vendida e está prestes a ser demolida (além de não possuir energia elétrica ou água encanada). Sua única renda atual é o que ela ganha limpando a casa de seu melhor amigo, um famoso escritor e editor chefe de uma grande editora, Cha Eun Ho. Acontece que Eun Ho não apenas não faz ideia de que quem limpa sua cada é Dan-i (e não alguém indicado por ela), mas também não tem a mínima ideia do que se passa na vida dela, nem ao menos que ela passou por um processo de divórcio há cerca de um ano. Isso acontece porque Dan-i decide enfrentar tudo sozinha, pois acredita que ela é a única responsável por si mesma e pelo que acontece em sua vida, portando deve se responsabilizar por suas escolhas.

5 de maio de 2019

LEITURA COLETIVA: O Fantasma da Ópera, de Gaston Leroux

"The phantom of the opera is there... inside your mind!"
Olá gente lindaaaa!
Mais uma vez venho convidá-los a participarem de uma #LeituraColetiva! E o livro da vez é "O Fantasma da Ópera", o famoso romance gótico francês publicado no início do século XX.

Mas, diferentemente das outras quatro (EU DISSE QUATRO!) edições da #LeituraColetiva, as discussões sobre a leitura ocorrerão no grupo do Clube do Livro - Amor por Clássicos, que finalmente foi oficializado.
Praticamente o mesmo grupo de blogueiras/leitoras tem participado da organização das leituras coletivas, então decidimos dar nome aos bois, ou melhor, à boiada! Em relação às regras para participação da leitura, a única coisa que mudou foi o "local" das discussões, o restante se mantém do mesmo jeito, conforme vocês podem conferir abaixo:

25 de abril de 2019

Na Telinha ou na Telona... #146

Olá gente lindaaaa!
A indicação de dorama da semana é "Wok of Love" (Wok do Amor), também conhecido como "Greasy Melo", um dorama coreano que eu comecei a assistir em maio de 2018, assim que estreou e... bem, acabei terminando só agora. Acontece, gente!
Minha primeira motivação para dar play nesse dorama foi o elenco, dois atores e uma atriz que eu adoro: Lee Joon Ho (Chief Kim, Just Between Lovers), Jang Hyuk (Fated To Love You, Beautiful Mind, Money Flower) e Jung Ryeo Won (The King Of Dramas, Witch's Court).
"Wok of Love" foi exibido de 7 de maio a 17 de julho de 2018, pela emissora sul-coreana SBS.

Sinopse: É um história de amor mais quente do que o óleo fervente em uma frigideira wok quente. Do outro lado da rua do Hotel Giant, de 6 estrelas, encontra-se um pequeno restaurante chinês, o Hungry Wok. Chil Seong, dono do restaurante, inicialmente assumiu o restaurante com o intuito de fornecer um local de trabalho para seus ex-companheiros de prisão. Um dia, um homem e uma mulher cujas vidas viraram de ponta cabeça do dia para a noite, visitam Chil Seong. Um ex-chefe de cozinha, Seo Poong, e uma herdeira falida, Sae Woo, estão precisando da ajuda de Chil Seong para que possam se recuperar. Assista à Wok of Love e aprenda sobre a paixão e o amor que podem ser encontrados no ambiente de trabalho agitado de uma cozinha.

ELENCO PRINCIPAL:

- Lee Joon Ho como Seo Poong (chef no restaurante do hotel 5 estrelas Hotel Giant; acaba sendo chutado de lá com uma mão na frente e a outra atrás, além do desejo de vingança);
- Jung Ryeo Woo como Dan Sae Woo (herdeira falida que é abandonada no altar e se vê trabalhando em um restaurante chinês);
- Jang Hyuk como Doo Chil Seong (ex-gangster que acaba de deixar a cadeia; proprietário da casa de empréstimos privados (vulgo agiota) Luz e Sombra e do restaurante chinês Wok Faminto).

Minha opinião: Adorei!
Como eu disse no início deste post, o que me motivou a assistir esse dorama foi o elenco principal, formado por três super feras, por isso minhas expectativas estavam no espaço sideral.
Logo no primeiro episódio, para minha surpresa, apesar de encantada eu me dei conta de que não estava entendendo bulhufas. Pensem em três personagens completamente diferentes - MESMO - que tem seus caminhos emaranhados por motivos aleatórios e absurdos e, do dia para a noite precisar um do outro para dar a volta por cima e voltar sambando na cara dos inimigos. 
Pois bem, o trio formado por Seo Poong, Dan Sae Woo e Doo Chil Seong é exatamente assim... só que de um jeito super bagunçado, em uma história que não tem um único personagem com a "caixola" no lugar. Esse dorama bem que poderia se chamar "Tá todo mundo muito doido!".
Após assistir ao primeiro episódio do dorama eu já tive três constatações sobre os personagens: nosso Oppa (o chef, no caso) iria se ferrar muito; nosso gangster estava caidinho pela prota; e a prota era doida de pedra, do jeito que a gente gosta.
Começamos o dorama com o seguinte cenário:
- Seo Poong é chef no restaurante de um hotel cinco estrelas, o Giant Hotel, há uma década e está apaixonadíssimo pela noiva, com quem está prestes a se casar (e de cara notamos que ela não parece tão animada ou apaixonada quanto ele); apesar de extremamente talentoso na cozinha, Poong também é bastante esquentadinho (chegando a ser arrogante);

15 de abril de 2019

RESENHA: Jane Eyre

Editora: Clássicos Zahar
Autor(a): Charlotte Brontë
Número de páginas: 536

Sinopse: Um clássico que explora questões de sexualidade, religião, gênero e classe. Jane Eyre conheceu o sofrimento ainda pequena, na casa da tia que a criou e na austera Lowood Institution onde foi educada. Desde cedo mostrou sua natureza firme e independente e assim ela se manteve por toda a vida: ao abandonar os tormentos de Lowood e se empregar como governanta em Thornfield Hall; ao descobrir o amor mas, com ele, um terrível segredo; ao decidir partir e, depois, recomeçar. Publicado em 1847, Jane Eyre é o romance mais conhecido de Charlotte Brontë. Com toques góticos e boas doses de crítica social e moral, este clássico da literatura pôs-se à frente de seu tempo ao apresentar uma personagem forte e explorar questões de sexualidade, religião, gênero e classe. Acompanhamos o desenvolvimento emocional da protagonista, sua busca por respeito, espaço e autonomia financeira, num mundo que não esperava tais ambições vindas de uma mulher. 

Olá gente lindaaa!
Vamos falar de "Jane Eyre"? Vamos falar desse clássico maravilhoso que tem como protagonista uma das personagens mais fortes que eu já vi na literatura! Jane Eyre, mulherão da por#@!
"Jane Eyre" foi o livro escolhido para a quarta edição do projeto #LeituraColetiva, com discussões semanais em um grupo criado no Facebook. Ao longo de toda a leitura eu fiz postagens no blog com minhas quotes favoritas. Confiram abaixo:

Quotes: 

Preciso começar esta resenha dizendo que fui cativada pela escrita de Charlotte Brontë desde a primeira linha do romance. Precisei me segurar para ler apenas os capítulos estipulados para cada semana... se dependesse da minha vontade, não largaria o livro até terminar. 
Ao longo das mais de 500 páginas (na minha edição, pelo menos), acompanhamos a vida, os sofrimentos, o crescimento e, principalmente, o amadurecimento da órfã Jane Eyre
Após a morte dos pais, Jane passa a ficar sob os cuidados do tio, mas com a morte dele, passa a ser maltratada pela tia e pelos primos. E a bichinha aguentou tudo calada por um bom tempo. No entanto, após ser, mais uma vez, maltratada pelo primo E punida injustamente pela tia, Jane acaba "surtando" e se revoltando contra as injustiças sofridas, chocando todos na casa. Como era possível que aquela "coisinha", depois de ter aguentado tanta coisa, agora se rebelasse contra seus opressores?

11 de abril de 2019

Na Telinha ou na Telona... #145

Olá gente lindaaaaa!
Bora para mais uma indicação de dorama?
A indicação da semana é o fofíssimo "Clean With Passion For Now" (Limpe com paixão agora), que foi ao ar pela emissora sul-coreana JTBC de 26 de novembro de 2018 a 4 de fevereiro de 2019.


Sinopse: Jang Sun Gyeol (Yoon Kyun Sang) é rico e de boa aparência, mas sofre de germofobia. É obcecado por limpeza e até é dono de sua própria empresa de limpeza. Entretanto, ele conhece uma moça desleixada e despreocupada chamada Gil Oh Sol (Kim Yoo Jung) depois que ela começa a trabalhar em sua empresa. Oh Sol (Kim Yoo Jung) já teve todos os tipos de empregos de meio período enquanto buscava um emprego de tempo integral, e não tem tempo para namorar ou manter tudo limpo. Ela desistiu de ser arrumadinha depois de enfrentar as duras penas do mundo e é conhecida por sempre usar um agasalho que é sua marca registrada. Mas ela tem uma personalidade brilhante e não se importa em se sujar. Com a ajuda de Oh Sol (Kim Yoo Jung), Sun Gyeol (Yoon Kyun Sang) enfrenta seu medo de germes e descobre que está se apaixonando por ela.

ELENCO PRINCIPAL:

- Kim Yoo Jung como Gil Oh Sol (uma garota com uma personalidade positiva. Ela realmente não se preocupa com a sujeira e possui uma forte resistência estomacal);
- Yoon Kyun Sang como Jang Seon Kyul (um homem de boa aparência e CEO da empresa "Fada de limpeza", uma empresa de limpeza criada por conta de sua misofobia.);
- Song Jae Rim como Choi Ha In / Daniel Choi (um psiquiatra da Rochester Clinic que mora no telhado da casa de Oh Sol e é conhecido por ser um espírito livre e constantemente confundido com um desempregado);
- Kim Won Hae como Gil Gong Tae (pai de Gil Oh Sol; trabalhou a vida toda com limpeza, atualmente trabalha gari);
- Lee Do Hyun como Gil Oh Dol (irmão mais novo de Gil Oh Sol; um promissor atleta de Taekwondo);
- Min Do Hee como Min Joo Yeon (melhor amiga de Gil Oh Sol).

Minha opinião: Amei!
Terminei de assistir esse dorama há mais de um mês, mas só agora consegui vir falar sobre ele com vocês. Acho que o fato de eu escrever uma resenha significa realmente que o dorama terminou e eu estava adiando a despedida...
Nossa protagonista é Gil Oh Sol, uma jovem alegre e otimista que tem se dedicado a estudar para passar em um concurso público ou conseguir um emprego em escritório (sonho de princesa de muitos cidadãos coreanos, pois garante uma maior estabilidade). Por se dedicar totalmente a isso, ela acaba se desleixando em relação a aparência e higiene, de modo que não é raro que fique dias sem lavar os cabelos, por exemplo. Sua mãe já é falecida e o único provedor da casa é seu pai, que trabalha como gari. Seu irmão mais novo é um atleta que deseja fazer parte da seleção nacional. Por também já ter sido atleta (e ter abandonado seu sonho por questões financeiras), nossa protagonista deseja poder ajudar o irmão a realizar seu sonho e, também, tirar um pouco do peso dos ombros do pai, que trabalha duro para sustentar a família.

7 de abril de 2019

#LeituraColetiva - Jane Eyre | #quotes (capítulos de 32 a 38)

Olá gente lindaaaaa!
E eis que nossa #LeituraColetiva de "Jane Eyre" chegou ao fim. Gente, como o tempo passou rápido (ou foi a fluidez da escrita de Charlotte Brontë e o fato de a história ser tão incrível que me deu essa impressão).
Confiram abaixo as quotes que destaquei ao longo da leitura dos últimos capítulos, de 32 a 38:

Confiram também as quotes dos capítulos anteriores:

"A sorte se abre de forma maravilhosa, assim como o coração, e oferecer algo quando recebemos tanto é apenas dar vazão à extraordinária efervescência das sensações." (página 452)
"Se eu me juntar a St. John, abandono metade de mim mesma." (página 469)
"Onde há energia para dar ordens a obediência nunca falha." (página 487)
"Eu olhara com receosa alegria em busca de uma casa imponente; vi uma ruína enegrecida." (página 492)

31 de março de 2019

#LeituraColetiva - Jane Eyre | #quotes (capítulos de 25 a 31)

Olá gente lindaaaa!!
Finalizanos a quarta semana de #LeituraColetiva de "Jane Eyre" (só falta mais uma!) e, mais uma vez, reuni minhas passagens favoritas (dos capítulos de 25 a 31). Confiram:

Confiram também as quotes dos capítulos anteriores:


"Eu estava no meu quarto como de hábito - somente eu, sem qualquer mudança óbvia: nada me atingira, feria ou mutilara. Contudo, onde estava a Jane Eyre da véspera? Onde estava sua vida? Onde estavam suas perspectivas?" (página 345)
"Jane Eyre, que fora uma mulher intensa e cheia de expectativas - quase uma esposa -, era outra vez uma moça fria e solitária: sua vida era pálida, suas perspectivas, desoladoras." (página 346)
"- Você saiu, enfim - ele disse. - Bem, faz muito tempo que a estou esperando, com os ouvidos atentos: não ouvi um movimento ou soluço. Mais cinco minutos desse silêncio de morte e eu teria arrombado a porta, feito um ladrão. Então está me evitando? Trancou-se para sofrer sozinha! Eu teria preferido que viesse me repreender com veemência. Você é passional: eu esperava algum tipo cena. Estava preparado para a chuva quente de lágrimas, só queria que fossem derramadas sobre meu peito: agora, um chão insensível as recebeu, ou o seu lenço encharcado. Mas estou enganado: você não chorou! Vejo uma face pálida e olhos baços, mas nenhum traço de lágrimas. Suponho, então, que o seu coração esteve chorando sangue?" (página 349)

23 de março de 2019

#LeituraColetiva - Jane Eyre | #quotes (capítulos de 17 a 24)

Olá gente lindaaa!
A terceira semana de #LeituraColetiva já chegou ao fim e eu não poderia estar gostando mais da leitura. Um clássico é um clássico, né mores?! Não é a toa que "Jane Eyre" é um livro tão aclamado. Que leitura maravilhosa!
Selecionei algumas das minhas quotes favoritas dos capítulos de 17 a 24. Confiram!

Confiram as quotes dos capítulos anteriores:

"Ele não está no seu nível: atenha-se à sua casta, e tenha autoestima suficiente para não esbanjar o amor de seu coração e de sua alma onde tal dádiva não é desejada e seria desprezada." (página 196)
"É uma grande verdade que 'a beleza está nos olhos de quem vê'. O rosto descorado, oliváceo do meu senhor, sua testa quadrada e imponente, suas sobrancelhas fartas e negras, seus olhos profundos, seus traços fortes, sua boca firme e severa - sinônimos de energia, determinação, força de vontade - não eram bonitos, de acordo com os costumes. Mas eram mais do que bonitos para mim: despertavam um interesse e tinham sobre mim uma influência que me dominava - que subtraíam meus sentimentos de meu poder e os atavam ao dele." (página 209)

17 de março de 2019

#LeituraColetiva - Jane Eyre | #quotes (capítulos de 9 a 16)

Olá gente lindaaa!!
Mais uma semana de #LeituraColetiva (ou o tempo está voando ou a leitura está tão agradável que a semana passa em um piscar de olhos). Na última semana lemos os capítulos de 9 a 16 de "Jane Eyre" e separei algumas das minhas quotes favoritas. Confiram!

"Nenhuma resposta foi dada, então, às minhas perguntas, mas após um dia ou dois fiquei sabendo que a srta. Temple, ao voltar ao seu quarto quando raiava o dia, encontrara-me na caminha, o rosto contra o ombro de Helen, os braços ao redor do seu pescoço. Eu estava adormecida; Helen... estava morta." (página 106)
"Cansei-me, numa tarde, da rotina de oito anos. Desejava liberdade, ansiava pela liberdade; pela liberdade rezei uma oração, que pareceu se dispersar no vento suave. Abandonei-a e fiz uma súplica mais humilde: por mudança, por estímulo." (página 109)

14 de março de 2019

Na Telinha ou na Telona... #144

Olá gente lindaaaaa!
Quem acompanha as minhas indicações de doramas sabe que eu adoro uma bom dramalhão (bem ao estilo novela mexicana), com mocinha sofredora e muitas reviravoltas. Pois bem, a indicação de dorama desta semana é um prato cheio para quem ama esse tipo de trama. Conheçam "The Last Empress" (A Última Imperatriz), também conhecido como "Empress's Dignity", um dorama sul-coreano pela emissora SBS, de 21 de novembro de 2018 a 21 de fevereiro de 2019. E, sim, eu acompanhei o dorama semanalmente (e quase morri no processo).

Sinopse: A história se passa em um universo alternativo, em que a Coréia é uma monarquia constitucional em pleno 2018. Oh Sunny é uma atriz musical brilhante e vivaz que se casa com o imperador Lee Hyuk. Ela se envolve na luta pelo poder do palácio e em um misterioso assassinato que desencadeia eventos que ameaçam a própria monarquia. Mas ela acaba se apaixonando por Na Wang Shik, que trabalha como guarda-costas para a família imperial. Ele começou a trabalhar no palácio para se vingar da pessoa responsável pela morte de sua mãe.
ELENCO PRINCIPAL:

- Jang Na Ra como Oh Sunny (aspirante a atriz de musicais com uma personalidade brilhante e alegre. Ela se torna a Cinderela da noite para o dia após se casar com o imperador, de quem era fã há mais de uma década);
- Choi Jin Hyuk como Na Wang Sik / Chun Woo Bin (busca a vingança contra a família imperial depois do assassinato de sua mãe. Para se infiltrar na casa imperial, Wang Sik muda sua identidade para Chun Woo Bin, tornando-se o guarda-costas imperial mais confiável do Imperador, com habilidades de luta incomparáveis);
- Shin Sung Rok como Imperador Lee Hyuk (Imperador do Império Coreano. Um poderoso governante que é bem respeitado pelo povo, mas que dentro do palácio não passa de uma marionete de sua mãe);
- Lee Elijah como Min Yu Ra (Secretária Chefe Imperial. Ela é perspicaz, decisiva e gananciosa. Ela conquista a confiança do imperador e se torna sua amante);
- Shin Eun Kyung como Imperatriz Viúva Kang (A mãe de Lee Hyuk. Uma mulher destemida e poderosa que detém autoridade absoluta no palácio e protege a família imperial a todo custo).

Minha opinião: Amei!
Olha, confesso que não foi fácil tomar a decisão de começar mais um dorama (mesmo tendo 657.585 doramas para terminar), ainda mais se tratando de um dorama com 48 episódios (que posteriormente foram prorrogados para 52), mas quando eu soube que Jang Na Ra e Choi Jin Hyuk estariam juntos novamente (e dessa vez meu ship tinha que dar certo!), não pensei duas vezes (quem ainda não superou o ship errado de "Fated to Love You" vai me entender).
A história se passa em 2018, então não se deixem enganar pelo figurino exibido nos posteres de divulgação.  No entanto,  em "The Last Empress" a Coréia do Sul é uma monarquia constitucional, ou seja, possui uma família imperial. Imaginem toda aquela "babação de ovo" (com o perdão da expressão) que tem sobre a família real britânica. Pois bem, é exatamente assim com essa fictícia família imperial. E nossa protagonista, Oh Sunny, é simplesmente apaixonada pelo Imperador Lee Hyuk, a ponto de ter as paredes de seus quarto cobertas de fotos dele (#quemnunca foi fangirl?)
E quem poderia imaginar que Oh Sunny viveria uma história de Cinderella? Ela é uma atriz de musicas (desconhecida e falida, diga-se de passagem), que só encontro o imperador uma única vez, ao cair em seu colo durante a apresentação de um musical de Natal. No entanto, acaba sendo cortejada DE REPENTE pelo Imperador e... ops, acabou se tornando a Imperatriz do Império Coreano.
O que Oh Sunny não sabe é que ela não passa de um álibi. Seu casamento nada mais foi do que a tentativa de encobrir um crime... cometido por ninguém menos que o Imperador, que está longe de ser o homem que ela acredita que ele é.

11 de março de 2019

RESENHA: A Vidente

Editora: Lua de Papel
Autor(a): Hannah Howell
Número de páginas: 224

Sinopse: Estamos no século XVIII, na Inglaterra georgiana. Como todas as gerações de sua família, Chloe Wherlocke possui habilidades especiais, e o seu dom é enxergar além da visão física. 
Em 1785 ela prevê a morte de uma mulher que acabara de dar à luz e toda uma trama para atender a motivos escusos. Ao encontrar uma criança abandonada ao lado do corpo da mãe, ela salva o bebê e o cria escondido do mundo. Fazia isso por amor, mas talvez houvesse neste gesto alguma força do destino... 
Com o passar dos anos, Chloe descobre que o encontro com a criança não havia sido uma simples coincidência e nota, pouco a pouco, um desenrolar de acontecimentos que envolviam todos os membros de sua família, num jogo de traições, mentiras e assassinatos. 
Consciente de tudo, ela precisa ser rápida para salvar a vida do pai do menino, o conde Julian Kenwood, e avisá-lo que o filho não morreu. Mas, ao se aproximar da família Kenwood, Chloe percebe seu sentimento de proteção por Julian se transformar enquanto a cada momento tudo fica mais perigoso.

Olá gente lindaaaa!!
Hoje vim falar sobre um livro que estava perdido na minha estante de de... 2011. Sim, 2011! 
Lembro que na época o comprei por causa da capa (#quemnunca), sem ao menos ler a sinopse. E, olhando em retrospecto, talvez eu tivesse apreciado muito mais a leitura de "A Vidente", de Hannah Howell, se o tivesse lido naquela época, quando eu já não tinha muito padrão de comparação. No entanto, lendo-o hoje, após conhecer outros livros e autores do gênero, o livro deixou um pouco a desejar.

O livro começa com uma cena nada alegre: a irmã de Chloe acaba de dar a luz a uma criança morte, em um casebre no meio do nada, quando dois homens entram e substituem o bebê morto por outro perfeitamente sadio. A mãe, moribunda, em breve também estará morta e o bebê sadio acabará por segui-la, quando não obtiver cuidados. Esse é o plano. No entanto, Chloe, que tem um dom especial (bem característico de sua família), já havia previsto a cena, por isso manteve-se escondida na cabana a fim de resgatar o bebê sadio após a saída dos homens. E é assim que, de algum modo, Chloe acaba tendo sua fica entrelaça-da a do conde Julian Kenwood.

9 de março de 2019

#LeituraColetiva - Jane Eyre | #quotes (capítulos de 1 a 8)

Olá gente lindaaaa!
Nossa #LeituraColetiva de "Jane Eyre", de Charlotte Brontë, já começou. E, sim, já estamos na QUARTA edição do projeto e super satisfeitas com cada nova leitura conjunta, pois é sempre muito enriquecedor conversar sobre livros e conhecer opiniões diversas.
Pois bem, como de costume, cá estou com minhas quotes favoritas dos capítulos lidos nessa primeira semana de leitura, de 1 a 8.

"John não tinha muito afeto por sua mãe e suas irmãs, e a mim ele detestava. Atormentava-me e me castigava, e isso não acontecia uma ou duas vezes por semana, nem uma ou duas vezes por dia, mas continuamente: cada nervo meu o temia, e cada pedaço de carne sobre meus ossos se encolhia quando ele se aproximava. Havia momentos em que eu me sentia atordoada pelo terror que ele inspirava, porque não tinha quem me defendesse de suas ameaças ou de seus castigos." (páginas 22-23)
"O fato é que eu estava um tanto fora de controle; ou fora de mim, como diriam os franceses: tinha consciência de que a momentânea insubordinação já me expusera a punições fora do comum, e, como qualquer outro escravo rebelde, estava decidida, em meu desespero, a ir até as últimas consequências." (página 25)

28 de fevereiro de 2019

Na Telinha ou na Telona... #143

Olá gente lindaaa!!
A indicação de dorama da semana é "The Undateables (Os Inconquistáveis), também conhecido como "Handsome Guy and Jung Eun", que comecei a assistir em maio de 2018 (isso mesmo!), mas acabei meio que abandonando. Na época eu estava gostando muito, principalmente por ler leve e divertido, mas acabei me enveredando para o drama cheio de sofrência e desgraceira "Come and Hug Me" (que eu amei demais!), que acabei esquecendo dessa gracinha. Porém, como umas das minhas resoluções de ano novo é terminar os 165647485 doramas que comecei no último ano, cá estou...
"The Undateables" foi ao ar na emissora sul-coreana SBS, de 23 de maio a 19 de julho de 2018.

Sinopse: Os Inamoráveis é sobre um homem, Hoon Nam, que se recusa a amar e uma mulher, Jeong Eum, que sonha em se apaixonar perdidamente, mas desiste da ideia ao encarar a realidade das coisas. Os dois se oferecem para ajudar pessoas solteiras a se apaixonarem, mas, em meio a tudo isso, acabam se apaixonando um pelo outro. Hoon Nam torna-se oficialmente o segundo filho da DMJ Foods quando sua mãe biológica, que o teve fora do casamento, morre. Por causa desse fato, ele nunca acreditou no amor e tem a capacidade de se distanciar o bastante para não ser emocionalmente afetado pelos outros. Jeong Eum, por outro lado, é do tipo que dá tudo de si, seja no dia a dia ou na vida amorosa. Ela acredita que quem ama mais é mais feliz, e foi por isso que seu primeiro amor a deixou cheia de cicatrizes. Fique ligado e veja como esses dois aparentemente perdidos e tolos acabam se apaixonando!

ELENCO PRINCIPAL:

- Namkoong Min como Kang Hoon Nam (Um especialista em relacionamentos que não acredita no amor. Tem como isso dar certo?);
- Hwang Jung Eum como Yoo Jung Eum (Uma ex-mergulhadora da equipe nacional de mergulho que acaba abandonando a carreira por conta de um trauma e se tornando uma "casamenteira" em uma agência de relacionamentos);
- Choi Tae Joon como Choi Jun Soo (Um fisioterapeuta competente e amigo de infância de Jung Eum);
- Oh Yoon Ah como Coach Yang (Treinadora da Equipe Nacional de Mergulho; melhor amiga de Jung Eum, além de ser sua ex-treinadora);
- Jung Moon Sung como Yook Ryong (primo de Hoon Nam);
- Jo Dal Hwan como Charlie (editor de uma revista).

Minha opinião: Gostei!
Vou começar essa resenha sendo bem sincerona e admitindo que só comecei a assistir ao dorama por causa do elenco, estava doida para saber como a atriz gritadeira de "Kill Me, Heal Me", "She Was Pretty" e "Secret Love" (Hwang Jung Eum) se daria com nosso eterno "Chief Kim"(Namkoong Min).
A história gira em torno de Kang Hoon Nam e Yoo Jung Eum. Ele é dono de uma galeria de arte dedicada a brinquedos e ela é uma ex-mergulhadora. Seus caminhos se cruzam diversas vezes ao longo dos anos (coisa de destino que eu amo nos doramas!), e cada um desses encontros é engraçadíssimo.
Cinco anos atrás, antes de Jung Eum abandonar a carreira na equipe nacional de mergulho, Hoon Nam presencia uma cena lamentável em que nossa protagonista se humilha no meio de um aeroporto para convencer o ex-namorado a não abandoná-la.
Ela sequer notou a presença de Hoon Nam, afinal estava perdida em meio a seu sofrimento e humilhação. Hoon Nam, no entanto, lembra bem na cena que presenciou e a reconhece ao reencontrá-la anos depois.
São muitas as situações inusitadas que acontecem toda vez que esses dois se encontram! hahaha
Após a desilusão amorosa e o trauma relacionado à água, Jung Eum deixou de ser atrela e seu pai a registrou em uma empresa relacionamentos, na esperança de encontrar um namorado para a filha. No entanto, após algum tempo ela passa de cliente a funcionária e agora precisa bancar a "casamenteira".

21 de fevereiro de 2019

Na Telinha ou na Telona... #142

Olá gente lindaaaa!
Após muuuuuuito tempo, hoje vim falar de um dorama chinês. Vocês sabem que meus favoritos são os coreanos, mas de vez em quando é bom variar um pouco, né?!
A indicação da vez é "Love O2O" (que eu ainda estou tentando descobrir o significado...).
"Love O2O" foi ao ar de 22 de agosto a 6 de setembro de 2016 pela Jiangsu TV e Dragon TV.

Sinopse: Bei Weiwei (Zheng Shuang) é considerada a bela do departamento de informática, além de se destacar em seus estudos. Ela aspira ser uma desenvolvedora de jogos on-line e usa o ID de usuário de Luwei Weiwei no jogo de RPG online "A Chinese Ghost Story". Depois que ela é deixada por seu marido on-line Zhenshui Wuxiang, ela é abordada pelo número um jogador Yixiao Naihe, que sugeriu que eles se casam (no jogo) para que ambos possam participar de uma competição de casal dentro do jogo. O recém formado casal instantaneamente se dá bem e passa por muitas aventuras juntos no jogo. No entanto, Wei Wei nunca esperou que a verdadeira identidade de seu marido virtual fosse seu veterano na faculdade, o disputadíssimo Xiao Nai (Yang Yang), que é tido como um prodígio.

ELENCO PRINCIPAL

- Yang Yang como Xiao Nai ("partidão" do departamento de computação; além de filho de um professor universitário, Nai é super inteligente e talentoso, atualmente investindo em empreendedorismo, almejando se lançar no mercado de jogos online);
- Zheng Shuang como Bei Weiwei (jovem do interior que é super esforçada, independente e inteligente; ela é um prodígio no departamento de computação, além de ser considerada a "bela do departamento");
- Mao Xiao Tong como Er Xi (amiga de Weiwei; apesar de ser basttante infantil e exagerada, a amizade entre ela e Weiwei é super sincera);
- Bai Yu como Cao Guang (gênio do departamento de línguas que acaba se interessando por Weiwei);
- Niu Juin Feng como Yu Ban Shan (amigo, colega de quarto e de empreendimento de Nai);
- Zheng Ye Cheng como Hao Mei (também é amigo, colega de quarto e de empreendimento de Nai; ele protagoniza uma sutil relação gay dorama).

Minha opinião: Adorei!

Não posso começar essa resenha de outro modo que não avisando que os minutos iniciais são suuuuuper estranhos, mas não desista. Acontece que as cenas iniciais do dorama são ambientadas dentro do universo do jogo RPG que a protagonista joga. O segundo aviso é: Weiwei é a Park Shin Hye chinesa em se tratando de beijo. Entendedores entenderão.
Então apesar de parecer, a princípio, que se trata de um dorama de época e super exagerado (com pessoas lutando e voando num estilo bem mortal kombat), isso é apenas para mostrar que Weiwei não é mais uma daquelas mocinhas burrinhas que vemos em doramas. Ela é extremamente inteligente e manda muito bem na vida acadêmica e  no jogo. E essa história de que jogos online são "coisa" de menino não existe mais. Viu, Damares! Nem na China essa história de azul para menino e rosa para menina, coisa de menino e coisa de menina cola mais.

18 de fevereiro de 2019

RESENHA: Outros jeitos de usar a boca

Editora: Planeta
Autor(a): Rupi Kaur
Número de páginas: 208

Sinopse: 'outros jeitos de usar a boca' é um livro de poemas sobre a sobrevivência. Sobre a experiência de violência, o abuso, o amor, a perda e a feminilidade. O volume é dividido em quatro partes, e cada uma delas serve a um propósito diferente. Lida com um tipo diferente de dor. Cura uma mágoa diferente. Outros jeitos de usar a boca transporta o leitor por uma jornada pelos momentos mais amargos da vida e encontra uma maneira de tirar delicadeza deles. Publicado inicialmente de forma independente por Rupi Kaur, poeta, artista plástica e performer canadense nascida na Índia – e que também assina as ilustrações presentes neste volume –, o livro se tornou o maior fenômeno do gênero nos últimos anos nos Estados Unidos, com mais de 1 milhão de exemplares vendidos.

Olá gente lindaaaa!
Após conhecer a escrita sensível e certeira de Rupi Kaur em "O que o sol faz com as flores" fiquei louca para ler mais coisas da autora. E cá estou, trazendo a resenha de mais um livro de poemas que são afiados e letais como flechas envenenadas. 
O livro é dividido em quatro partes, respectivamente a dor, o amor, a ruptura e a cura, abordando temas como abuso infantil, estupro, assédio, machismo, entre outros igualmente sérios, incômodos... e necessários.
Mais uma vez, não sei muito bem como resenhar esse livro sem apresentar alguns dos meus poemas favoritos para que vocês tirem suas próprias conclusões. Confiram abaixo algumas quotes de cada uma das quatro partes do livro.

17 de fevereiro de 2019

LEITURA COLETIVA: Jane Eyre, de Charlotte Brontë

Olá gente lindaaaa!!
Estou muito feliz em poder dizer que nosso projeto de #LeituraColetiva está dando super certo e já estamos dando início a quarta edição. QUARTA!! ^^ Convidamos vocês para lerem conosco o livro "Jane Eyre", de Charlotte Brontë!
Confiram abaixo as regras de participação, os blogs participantes e o prêmio (porque sempre tem um prêmio).

Para participar é bem simples: 
> Possuir (ou pegar emprestado na biblioteca, com um amigo, etc) um exemplar de "Jane Eyre";
> Entrar NESTE grupo no Facebook (onde ocorrerão discussões semanais);
> Participar das discussões semanais sobre a leitura (para poder participar do sorteio de um livro).

BLOGS PARTICIPANTES:
Confissões Femininas... (este blog)
Diário de uma Leitora Compulsiva
Doki Doki
Emoções à Flor da Pele
Escuta Essa
Autora Duda Razzera (@dudarazzeraauthor)

4 de fevereiro de 2019

RESENHA: O ano em que te conheci

Editora: Novo Conceito
Autor(a): Cecelia Ahern
Número de páginas: 336

Sinopse: Bem-vindos ao mundo imperfeito de Jasmine e Matt.
Vizinhos, eles não têm o menor interesse em tornarem-se amigos e nunca haviam se falado antes. Estavam sempre ocupados demais com suas carreiras para manter qualquer tipo de contato.
Jasmine, mesmo sem nunca tê-lo encontrado, tem motivos para não suportar Matt.
Ambos estão em uma licença forçada do trabalho e sofrendo com seus dramas familiares. Eles precisam de ajuda. 
Na véspera de Ano-Novo, os olhares de Jasmine e Matt se encontram de forma inusitada pela primeira vez. Eles têm muito tempo livre e precisam rever seus conceitos para poder seguir em frente.
Conforme as estações do ano passam, uma amizade improvável lentamente começa a florescer.
Uma história dramática, original e divertida como só Cecelia Ahern é capaz de escrever.
Olá gente lindaaa!
Hoje vim falar "O ano em que te conheci", que me ganhou pela capa e pelo fato de ser de uma das minhas autoras favoritas. Confesso que iniciei a leitura achando que encontraria uma história romântica e arrebatadora (não li a sinopse...), mas me deparei com algo bem diferente, mas igualmente (ou até mais) envolvente. 
O livro é dividido em 4 artes, de acordo com as estações do ano: Inverno, Primavera, Verão e Outono, de modo que acompanhamos não apenas a passagem do tempo, mas o amadurecimento da protagonista, bem como o desabrochar de sua vida.

Logo nas primeiras páginas, Jasmine, em primeira pessoa, nos apresenta a sua vida. Ela sempre foi uma mulher de negócios, uma mulher de sucesso. Desenvolveu várias empresas e as vendeu quando cada uma delas se tornou um grande sucesso. É isso que ela faz. No entanto, da última vez ela teve certa dificuldade e... acabou sendo demitida pelo sócio e amigo (ex-amigo, no caso). Diferentemente de Jasmine, o sócio nunca pensou em vender o negócio e decidiu demiti-la para evitar que ela o fizesse. Não bastasse isso, ele a deixou de licença por um ano inteiro, para evitar que fosse contratada por alguma empresa concorrente, já que ela é tão boa no que faz.
Agora, pensem comigo, como uma mulher tão eficiente, tão produtiva e tão independente como Jasmine conseguirá ficar quietinha em casa durante um ano inteiro? Qualquer pessoa nessa situação enlouqueceria (eu não... iria logo viajar hahaha).

2 de fevereiro de 2019

Na Minha Caixa de Correio #161

Olá seus lindos!!!
Faz um tempo que não mostro minhas novas aquisições literárias, né?! Mas na última semana comprei alguns livros e decidi dividir com vocês. Confiram!

- Jane Eyre - Charlotte Brontë (Editora Zahar)
536 páginas (amarelas - hardcover).
Esta será nossa leitura na próxima edição da #LeituraColetiva, que ocorrerá no início de março. Fiquem ligados!
Nem preciso dizer que estou apaixonada por essa edição, né?! A Zahar não decepciona! <3

24 de janeiro de 2019

Na Telinha ou na Telona... #141

Olá gente lindaaaa!
Preparados para a primeira indicação de dorama do ano?
Hoje vim falar sobre "Terius Behind Me", também conhecido como "My Secret Terius", com nosso bophe escândalo, também conhecido como Oppão (Oppa + pão), So Ji Sub (Master's Sun, Oh My Venus).
"Terius Behind Me" foi ao ar de 27 de setembro a 15 de novembro de 2018, pela emissora sul-coreana MBC.

Sinopse: Go Ae-Rin de repente perde o marido. Seu vizinho, um homem misterioso,  é na verdade um ex agente da NIS. Há três anos, ele se envolveu em uma operação secreta fracassada que causou a morte da mulher que ele amava morreu e fez dele um suspeito foragido. Desde então, ele se desconectou do mundo e vive sozinho em silêncio. Sua reclusão termina quando ele descobre que a morte do marido de sua vizinha pode não ter sido natural. Assim, ele passa a investigar a morte suspeita a fim de descobrir a verdade.

ELENCO PRINCIPAL:

- So Ji Sub como as Kim Bon (Terius) (Um lendário agente de operações negras no Serviço Nacional de Inteligência - NIS que vive discretamente, escondido há anos após ser acusado de matar sua parceira no meio de uma operação);
- Jung In Sun como Go Ae Rin (Casada, mãe de dois filhos e que largou a carreira na área de TI para cuidar dos filhos gêmeos. De uma hora para a outra, sem o auxílio do marido, ela precisa encontrar um emprego);
- Son Ho Jun como Jin Young Tae (Um ex-vigarista que detém a chave para um misterioso incidente que Go Ae Rin e Kim Bon estão envolvidos. Apesar de ser o "vilão", ele não passa de um covarde a acaba protagonizando muitas cenas cômicas);
- Im Se Mi como Yoo Ji Yeon (Uma agente da NIS que está com frio do lado de fora, mas caloroso com Kim Bon, por quem ela tem sentimentos).

Minha opinião: Adorei!!
Não vou negar, o que me fez dar play no primeiro episódio de "Terius Behind Me" sem ao menos ler a sinopse foi a saudade que eu estava de ver o So Ji Sub nas telinhas. Me julguem! hahha
Mas fui fisgada pelo dorama desde o início, tanto por toda a ação quanto pela comédia presentes.
Conhecemos  Go Ae Rin, uma jovem esposa, mãe de um casal de gêmeos fofos (e terrível!). Ela largou a carreira na área de TI (Tecnologia e Informação) para se dedicar à família, mas se sente cada vez mais sobrecarregada com sua cansativa rotina como mãe e dona de casa. Como é esperado da cultura coreana (ou universal, infelizmente... machismo dos infernos!), o marido não ajuda em nada quando o assunto são afazeres domésticos ou a educação dos filhos. E isso deixa Go Ae Rin cada vez mais perto de seu limite. E, após mais uma briga com o marido, Ae Rin sai de casa, sem imaginar que seria a última vez que veria o marido com vida.

21 de janeiro de 2019

RESENHA: A bruxa não vai para a fogueira neste livro (As mulheres têm uma espécie de magia #2)

Editora: LeYa
Autor(a): Amanda Lovelace
Número de páginas: 208

Sinopse: Aqueles que consideram “bruxa” um xingamento não poderiam estar mais enganados: bruxas são mulheres capazes de incendiar o mundo ao seu redor. Resgatando essa imagem ancestral da figura feminina naturalmente poderosa, independente e, agora, indestrutível, Amanda Lovelace aprofunda a combinação de contundência e lirismo que arrebatou leitores e marcou sua obra de estreia, "A princesa salva a si mesma neste livro", cujos poemas se dedicavam principalmente a temas como relacionamentos abusivos, crescimento pessoal e autoestima. Agora, em "A bruxa não vai para a fogueira neste livro", ela conclama a união das mulheres contra as mais variadas formas de violência e opressão. Ao lado de Rupi Kaur, de "Outros jeitos de usar a boca" e "O que o sol faz com as flores", Amanda é hoje um dos grandes nomes da nova poesia que surgiu nas redes sociais e, com linguagem direta e temática contemporânea, ganhou as ruas. Seu "A bruxa não vai para a fogueira neste livro" é mais do que uma obra escrita por uma mulher, sobre mulheres e para mulheres: trata-se de uma mensagem de ser humano para ser humano – um tijolo na construção de um mundo mais justo e igualitário.

Olá gente lindaaaa!
Hoje vim falar sobre o segundo volume da trilogia poética "As mulheres têm uma espécie de magia", da autora Amanda Lovelace. O volume anterior, "A princesa salva a si mesma neste livro", que já resenhei aqui no blog, apenar de apresentar temas semelhantes aos apresentados em "A bruxa não vai para a fogueira neste livro", há uma diferença notável: o segundo volume é inflamável! 💀

A cada página, ao ler cada um dos poemas, só conseguia pensar na música "Girl On Fire", de Alicia Keys, pois é assim que a narradora-poeta-autora se mostra a cada palavra. A mulheres descritas nas páginas do livro estão em chamas, andando sobre as chamas sem medo de enfrentar seus opressores... e estão em combustão! O jogo virou, mores!
O livro é dividido em quatro partes, assim como o volume anterior, são elas: o julgamento, a queima, a tempestade de fogo e as cinzas.

Apresento abaixo meus poemas e trechos favoritos de cada uma dessas partes. Tirem suas próprias conclusões e tentem não entrarem em combustão até o final da leitura. A autora, como já mencionei, é inflamável... e nós somos todas (sim, no feminino mesmo!) faíscas.
"posso
não sobreviver aos fósforos, mas meu
fogo de vadia vai sobreviver a todos eles."
(página 23)

7 de janeiro de 2019

RESENHA: As coisas que você só vê quando desacelera

Editora: Sextante
Autor(a): Haemin Sunim
Número de páginas: 256

Sinopse: De tempos em tempos, surge um livro que, com sua maneira original de iluminar importantes temas espirituais, se torna um fenômeno tão grande em seu país de origem que acaba chamando a atenção e encantando leitores de todo o mundo.
Escrito pelo mestre zen-budista sul-coreano Haemin Sunim, As coisas que você só vê quando desacelera é um desses raros e tão necessários livros para quem deseja tranquilizar os pensamentos e cultivar a calma e a autocompaixão.
Ilustrado com extrema delicadeza, ele nos ajuda a entender nossos relacionamentos, nosso trabalho, nossas aspirações e nossa espiritualidade sob um novo prisma, revelando como a prática da atenção plena pode transformar nosso modo de ser e de lidar com tudo o que fazemos.
Você vai descobrir que a forma como percebemos o mundo é um reflexo do que se passa em nossa mente. Quando nossa mente está alegre e compassiva, o mundo também está. Quando ela está repleta de pensamentos negativos, o mundo parece sombrio. E quando nossa mente descansa, o mundo faz o mesmo.

Olá gente lindaaa!
E eis que minha primeira leitura de 2019 não poderia ter sido melhor. Nada como começar o ano não apenas com o pé direito, mas com o coração leve e a mente cheia de boas reflexões. "As coisas que você só vê quando desacelera" é um livro leve, cheio de conselhos, frase motivacionais e reflexões que nos fazem perceber que talvez não estejamos olhando com atenção para a direção certa ou estejamos olhando as coisas com os olhos errados, com pré julgamentos, com expectativas equivocadas, etc.
Sabem aquele balanço que muita gente faz no fim do ano, com a esperança de não repetir os mesmos erros no ano seguinte? Pois bem, acho que esse livro tem exatamente essa premissa: fazer com que coloquemos nossos erros e acerto na balança, a fim de percebermos tudo o que aprendemos com nossas experiências.
O livro é dividido em oito capítulos - respectivamente: Descanso, Atenção Plena, Paixão, Relacionamentos, Amor, Vida, Futuro e Espiritualidade - e em cada um deles apresenta reflexões certeiras, necessárias e extremamente uteis (pelo menos foram para mim). Além disso, há diversas ilustrações lindíssimas e que são tão terapêuticas quanto o próprio texto.
Confiram abaixo alguns dos trechos que mais me chamaram a atenção e que eu espero colocar em prática em 2019.