21 de janeiro de 2019

RESENHA: A bruxa não vai para a fogueira neste livro (As mulheres têm uma espécie de magia #2)

Editora: LeYa
Autor(a): Amanda Lovelace
Número de páginas: 208

Sinopse: Aqueles que consideram “bruxa” um xingamento não poderiam estar mais enganados: bruxas são mulheres capazes de incendiar o mundo ao seu redor. Resgatando essa imagem ancestral da figura feminina naturalmente poderosa, independente e, agora, indestrutível, Amanda Lovelace aprofunda a combinação de contundência e lirismo que arrebatou leitores e marcou sua obra de estreia, "A princesa salva a si mesma neste livro", cujos poemas se dedicavam principalmente a temas como relacionamentos abusivos, crescimento pessoal e autoestima. Agora, em "A bruxa não vai para a fogueira neste livro", ela conclama a união das mulheres contra as mais variadas formas de violência e opressão. Ao lado de Rupi Kaur, de "Outros jeitos de usar a boca" e "O que o sol faz com as flores", Amanda é hoje um dos grandes nomes da nova poesia que surgiu nas redes sociais e, com linguagem direta e temática contemporânea, ganhou as ruas. Seu "A bruxa não vai para a fogueira neste livro" é mais do que uma obra escrita por uma mulher, sobre mulheres e para mulheres: trata-se de uma mensagem de ser humano para ser humano – um tijolo na construção de um mundo mais justo e igualitário.

Olá gente lindaaaa!
Hoje vim falar sobre o segundo volume da trilogia poética "As mulheres têm uma espécie de magia", da autora Amanda Lovelace. O volume anterior, "A princesa salva a si mesma neste livro", que já resenhei aqui no blog, apenar de apresentar temas semelhantes aos apresentados em "A bruxa não vai para a fogueira neste livro", há uma diferença notável: o segundo volume é inflamável! 💀

A cada página, ao ler cada um dos poemas, só conseguia pensar na música "Girl On Fire", de Alicia Keys, pois é assim que a narradora-poeta-autora se mostra a cada palavra. A mulheres descritas nas páginas do livro estão em chamas, andando sobre as chamas sem medo de enfrentar seus opressores... e estão em combustão! O jogo virou, mores!
O livro é dividido em quatro partes, assim como o volume anterior, são elas: o julgamento, a queima, a tempestade de fogo e as cinzas.

Apresento abaixo meus poemas e trechos favoritos de cada uma dessas partes. Tirem suas próprias conclusões e tentem não entrarem em combustão até o final da leitura. A autora, como já mencionei, é inflamável... e nós somos todas (sim, no feminino mesmo!) faíscas.
"posso
não sobreviver aos fósforos, mas meu
fogo de vadia vai sobreviver a todos eles."
(página 23)
o julgamento
"ser uma
mulher
é estar
pronta para a guerra,
s a b e n d o
que todas as probabilidades
estão
contra você."

- & nunca desistir apesar disso. (página 49)
"batom vermelho:
um sinal externo
do fogo
interno."

- nós tentamos avisar você. (página 50)
"as mulheres
aguentam
não apenas porque
somos capazes disso;
não,
as mulheres aguentam
porque não temos
nenhuma outra
opção."

- eles nos queriam fracas e nos obrigaram a ser fortes. (página 53)
a queima
"para
os homens,
as mulheres
são como
botões de rosa
delicados.
até mesmo
o jeito
que eles
nos esmagam
embaixo de
seus pés zangados
os deixam
excitados."

- murchar antes de florescer. (página 60)
"dizer que
nem todos os homens
têm más intenções
não me
ajuda a
me sentir
segura.
[...]
eu não sou
aquela que
tem que mudar
a maneira de pensar
ou de agir.
eles é que têm."
- expectativas vs realidade. (páginas 70-71)
a tempestade de fogo
"realizar
os
desejos dele
não
é
o
objetivo
desta
vida."

- há muito mais esperando por nós. (página 116)
"'vadia', cospe ele.
'bruxa', zomba ele.
& eu respondo:
'na verdade, sou as duas'." 

- reivindique tudo. (página 121)
"roteiro
para quando
ele
diz que
você é
bonita:
'eu sei'."

- confiança não é egocentrismo. (página 124)
"talvez
eu não seja a
'ex-namorada maluca'
talvez
eu seja apenas uma pessoa
reagindo racionalmente
ao fato de as mulheres
serem abusadas
& desprezadas
que
a sociedade
de alguma maneira
nos convenceu
ser algo completamente
normal."

- me recuso a continuar fingindo. (página 158)

as cinzas
"você
acha
que seu corpo é,
em sua maior parte,
composto de
água,
mas
na verdade
seu corpo é,
em sua maior parte,
composto de
poesia.

[...]." 
- o sinal pelo qual você estava esperando II. (página 170)
"silêncio → ilêncio → iolência → violência" (página 174)
"muros
devem
ser levantados
apenas
para manter
tiranos
inflamados
do lado de fora."

- & vamos garantir que ele fracasse. (página 183)
Enfim, esses são apenas alguns dos poemas e trechos que eu destaquei ao longo da leitura. Há muitos outros que me acertaram como um soco na boca do estômago. Apesar de ter gostado mais do volume anterior, confesso que a autora "chegou chegando" neste livro, sem mimimi, sem pisar em ovos. Disse o que precisava ser dito e avisou que a mulherada não vai mais aceitar o que tem aceitado (ou suportado?) desde o começo dos tempos. O tempo da queima das bruxas acabou, agora é tempo da bruxarada atear fogo nos antigos incendiários.
E ela aconselha:
"queime todos os que tentarem queimar você." 
- 2º mandamento das bruxas. (página 98)

Classificação: 

***
Espero que gostem!!

Beijos e amassos!!

Nenhum comentário

Postar um comentário

Adoro saber a sua opinião. ^^ Deixe um recadinho com sua sugestão e faça uma blogueira feliz! :)