31 de março de 2019

#LeituraColetiva - Jane Eyre | #quotes (capítulos de 25 a 31)

Olá gente lindaaaa!!
Finalizanos a quarta semana de #LeituraColetiva de "Jane Eyre" (só falta mais uma!) e, mais uma vez, reuni minhas passagens favoritas (dos capítulos de 25 a 31). Confiram:

Confiram também as quotes dos capítulos anteriores:


"Eu estava no meu quarto como de hábito - somente eu, sem qualquer mudança óbvia: nada me atingira, feria ou mutilara. Contudo, onde estava a Jane Eyre da véspera? Onde estava sua vida? Onde estavam suas perspectivas?" (página 345)
"Jane Eyre, que fora uma mulher intensa e cheia de expectativas - quase uma esposa -, era outra vez uma moça fria e solitária: sua vida era pálida, suas perspectivas, desoladoras." (página 346)
"- Você saiu, enfim - ele disse. - Bem, faz muito tempo que a estou esperando, com os ouvidos atentos: não ouvi um movimento ou soluço. Mais cinco minutos desse silêncio de morte e eu teria arrombado a porta, feito um ladrão. Então está me evitando? Trancou-se para sofrer sozinha! Eu teria preferido que viesse me repreender com veemência. Você é passional: eu esperava algum tipo cena. Estava preparado para a chuva quente de lágrimas, só queria que fossem derramadas sobre meu peito: agora, um chão insensível as recebeu, ou o seu lenço encharcado. Mas estou enganado: você não chorou! Vejo uma face pálida e olhos baços, mas nenhum traço de lágrimas. Suponho, então, que o seu coração esteve chorando sangue?" (página 349)

23 de março de 2019

#LeituraColetiva - Jane Eyre | #quotes (capítulos de 17 a 24)

Olá gente lindaaa!
A terceira semana de #LeituraColetiva já chegou ao fim e eu não poderia estar gostando mais da leitura. Um clássico é um clássico, né mores?! Não é a toa que "Jane Eyre" é um livro tão aclamado. Que leitura maravilhosa!
Selecionei algumas das minhas quotes favoritas dos capítulos de 17 a 24. Confiram!

Confiram as quotes dos capítulos anteriores:

"Ele não está no seu nível: atenha-se à sua casta, e tenha autoestima suficiente para não esbanjar o amor de seu coração e de sua alma onde tal dádiva não é desejada e seria desprezada." (página 196)
"É uma grande verdade que 'a beleza está nos olhos de quem vê'. O rosto descorado, oliváceo do meu senhor, sua testa quadrada e imponente, suas sobrancelhas fartas e negras, seus olhos profundos, seus traços fortes, sua boca firme e severa - sinônimos de energia, determinação, força de vontade - não eram bonitos, de acordo com os costumes. Mas eram mais do que bonitos para mim: despertavam um interesse e tinham sobre mim uma influência que me dominava - que subtraíam meus sentimentos de meu poder e os atavam ao dele." (página 209)

17 de março de 2019

#LeituraColetiva - Jane Eyre | #quotes (capítulos de 9 a 16)

Olá gente lindaaa!!
Mais uma semana de #LeituraColetiva (ou o tempo está voando ou a leitura está tão agradável que a semana passa em um piscar de olhos). Na última semana lemos os capítulos de 9 a 16 de "Jane Eyre" e separei algumas das minhas quotes favoritas. Confiram!

"Nenhuma resposta foi dada, então, às minhas perguntas, mas após um dia ou dois fiquei sabendo que a srta. Temple, ao voltar ao seu quarto quando raiava o dia, encontrara-me na caminha, o rosto contra o ombro de Helen, os braços ao redor do seu pescoço. Eu estava adormecida; Helen... estava morta." (página 106)
"Cansei-me, numa tarde, da rotina de oito anos. Desejava liberdade, ansiava pela liberdade; pela liberdade rezei uma oração, que pareceu se dispersar no vento suave. Abandonei-a e fiz uma súplica mais humilde: por mudança, por estímulo." (página 109)

14 de março de 2019

Na Telinha ou na Telona... #144

Olá gente lindaaaaa!
Quem acompanha as minhas indicações de doramas sabe que eu adoro uma bom dramalhão (bem ao estilo novela mexicana), com mocinha sofredora e muitas reviravoltas. Pois bem, a indicação de dorama desta semana é um prato cheio para quem ama esse tipo de trama. Conheçam "The Last Empress" (A Última Imperatriz), também conhecido como "Empress's Dignity", um dorama sul-coreano pela emissora SBS, de 21 de novembro de 2018 a 21 de fevereiro de 2019. E, sim, eu acompanhei o dorama semanalmente (e quase morri no processo).

Sinopse: A história se passa em um universo alternativo, em que a Coréia é uma monarquia constitucional em pleno 2018. Oh Sunny é uma atriz musical brilhante e vivaz que se casa com o imperador Lee Hyuk. Ela se envolve na luta pelo poder do palácio e em um misterioso assassinato que desencadeia eventos que ameaçam a própria monarquia. Mas ela acaba se apaixonando por Na Wang Shik, que trabalha como guarda-costas para a família imperial. Ele começou a trabalhar no palácio para se vingar da pessoa responsável pela morte de sua mãe.
ELENCO PRINCIPAL:

- Jang Na Ra como Oh Sunny (aspirante a atriz de musicais com uma personalidade brilhante e alegre. Ela se torna a Cinderela da noite para o dia após se casar com o imperador, de quem era fã há mais de uma década);
- Choi Jin Hyuk como Na Wang Sik / Chun Woo Bin (busca a vingança contra a família imperial depois do assassinato de sua mãe. Para se infiltrar na casa imperial, Wang Sik muda sua identidade para Chun Woo Bin, tornando-se o guarda-costas imperial mais confiável do Imperador, com habilidades de luta incomparáveis);
- Shin Sung Rok como Imperador Lee Hyuk (Imperador do Império Coreano. Um poderoso governante que é bem respeitado pelo povo, mas que dentro do palácio não passa de uma marionete de sua mãe);
- Lee Elijah como Min Yu Ra (Secretária Chefe Imperial. Ela é perspicaz, decisiva e gananciosa. Ela conquista a confiança do imperador e se torna sua amante);
- Shin Eun Kyung como Imperatriz Viúva Kang (A mãe de Lee Hyuk. Uma mulher destemida e poderosa que detém autoridade absoluta no palácio e protege a família imperial a todo custo).

Minha opinião: Amei!
Olha, confesso que não foi fácil tomar a decisão de começar mais um dorama (mesmo tendo 657.585 doramas para terminar), ainda mais se tratando de um dorama com 48 episódios (que posteriormente foram prorrogados para 52), mas quando eu soube que Jang Na Ra e Choi Jin Hyuk estariam juntos novamente (e dessa vez meu ship tinha que dar certo!), não pensei duas vezes (quem ainda não superou o ship errado de "Fated to Love You" vai me entender).
A história se passa em 2018, então não se deixem enganar pelo figurino exibido nos posteres de divulgação.  No entanto,  em "The Last Empress" a Coréia do Sul é uma monarquia constitucional, ou seja, possui uma família imperial. Imaginem toda aquela "babação de ovo" (com o perdão da expressão) que tem sobre a família real britânica. Pois bem, é exatamente assim com essa fictícia família imperial. E nossa protagonista, Oh Sunny, é simplesmente apaixonada pelo Imperador Lee Hyuk, a ponto de ter as paredes de seus quarto cobertas de fotos dele (#quemnunca foi fangirl?)
E quem poderia imaginar que Oh Sunny viveria uma história de Cinderella? Ela é uma atriz de musicas (desconhecida e falida, diga-se de passagem), que só encontro o imperador uma única vez, ao cair em seu colo durante a apresentação de um musical de Natal. No entanto, acaba sendo cortejada DE REPENTE pelo Imperador e... ops, acabou se tornando a Imperatriz do Império Coreano.
O que Oh Sunny não sabe é que ela não passa de um álibi. Seu casamento nada mais foi do que a tentativa de encobrir um crime... cometido por ninguém menos que o Imperador, que está longe de ser o homem que ela acredita que ele é.

11 de março de 2019

RESENHA: A Vidente

Editora: Lua de Papel
Autor(a): Hannah Howell
Número de páginas: 224

Sinopse: Estamos no século XVIII, na Inglaterra georgiana. Como todas as gerações de sua família, Chloe Wherlocke possui habilidades especiais, e o seu dom é enxergar além da visão física. 
Em 1785 ela prevê a morte de uma mulher que acabara de dar à luz e toda uma trama para atender a motivos escusos. Ao encontrar uma criança abandonada ao lado do corpo da mãe, ela salva o bebê e o cria escondido do mundo. Fazia isso por amor, mas talvez houvesse neste gesto alguma força do destino... 
Com o passar dos anos, Chloe descobre que o encontro com a criança não havia sido uma simples coincidência e nota, pouco a pouco, um desenrolar de acontecimentos que envolviam todos os membros de sua família, num jogo de traições, mentiras e assassinatos. 
Consciente de tudo, ela precisa ser rápida para salvar a vida do pai do menino, o conde Julian Kenwood, e avisá-lo que o filho não morreu. Mas, ao se aproximar da família Kenwood, Chloe percebe seu sentimento de proteção por Julian se transformar enquanto a cada momento tudo fica mais perigoso.

Olá gente lindaaaa!!
Hoje vim falar sobre um livro que estava perdido na minha estante de de... 2011. Sim, 2011! 
Lembro que na época o comprei por causa da capa (#quemnunca), sem ao menos ler a sinopse. E, olhando em retrospecto, talvez eu tivesse apreciado muito mais a leitura de "A Vidente", de Hannah Howell, se o tivesse lido naquela época, quando eu já não tinha muito padrão de comparação. No entanto, lendo-o hoje, após conhecer outros livros e autores do gênero, o livro deixou um pouco a desejar.

O livro começa com uma cena nada alegre: a irmã de Chloe acaba de dar a luz a uma criança morte, em um casebre no meio do nada, quando dois homens entram e substituem o bebê morto por outro perfeitamente sadio. A mãe, moribunda, em breve também estará morta e o bebê sadio acabará por segui-la, quando não obtiver cuidados. Esse é o plano. No entanto, Chloe, que tem um dom especial (bem característico de sua família), já havia previsto a cena, por isso manteve-se escondida na cabana a fim de resgatar o bebê sadio após a saída dos homens. E é assim que, de algum modo, Chloe acaba tendo sua fica entrelaça-da a do conde Julian Kenwood.

9 de março de 2019

#LeituraColetiva - Jane Eyre | #quotes (capítulos de 1 a 8)

Olá gente lindaaaa!
Nossa #LeituraColetiva de "Jane Eyre", de Charlotte Brontë, já começou. E, sim, já estamos na QUARTA edição do projeto e super satisfeitas com cada nova leitura conjunta, pois é sempre muito enriquecedor conversar sobre livros e conhecer opiniões diversas.
Pois bem, como de costume, cá estou com minhas quotes favoritas dos capítulos lidos nessa primeira semana de leitura, de 1 a 8.

"John não tinha muito afeto por sua mãe e suas irmãs, e a mim ele detestava. Atormentava-me e me castigava, e isso não acontecia uma ou duas vezes por semana, nem uma ou duas vezes por dia, mas continuamente: cada nervo meu o temia, e cada pedaço de carne sobre meus ossos se encolhia quando ele se aproximava. Havia momentos em que eu me sentia atordoada pelo terror que ele inspirava, porque não tinha quem me defendesse de suas ameaças ou de seus castigos." (páginas 22-23)
"O fato é que eu estava um tanto fora de controle; ou fora de mim, como diriam os franceses: tinha consciência de que a momentânea insubordinação já me expusera a punições fora do comum, e, como qualquer outro escravo rebelde, estava decidida, em meu desespero, a ir até as últimas consequências." (página 25)