24 de janeiro de 2019

Na Telinha ou na Telona... #141

Olá gente lindaaaa!
Preparados para a primeira indicação de dorama do ano?
Hoje vim falar sobre "Terius Behind Me", também conhecido como "My Secret Terius", com nosso bophe escândalo, também conhecido como Oppão (Oppa + pão), So Ji Sub (Master's Sun, Oh My Venus).
"Terius Behind Me" foi ao ar de 27 de setembro a 15 de novembro de 2018, pela emissora sul-coreana MBC.

Sinopse: Go Ae-Rin de repente perde o marido. Seu vizinho, um homem misterioso,  é na verdade um ex agente da NIS. Há três anos, ele se envolveu em uma operação secreta fracassada que causou a morte da mulher que ele amava morreu e fez dele um suspeito foragido. Desde então, ele se desconectou do mundo e vive sozinho em silêncio. Sua reclusão termina quando ele descobre que a morte do marido de sua vizinha pode não ter sido natural. Assim, ele passa a investigar a morte suspeita a fim de descobrir a verdade.

ELENCO PRINCIPAL:

- So Ji Sub como as Kim Bon (Terius) (Um lendário agente de operações negras no Serviço Nacional de Inteligência - NIS que vive discretamente, escondido há anos após ser acusado de matar sua parceira no meio de uma operação);
- Jung In Sun como Go Ae Rin (Casada, mãe de dois filhos e que largou a carreira na área de TI para cuidar dos filhos gêmeos. De uma hora para a outra, sem o auxílio do marido, ela precisa encontrar um emprego);
- Son Ho Jun como Jin Young Tae (Um ex-vigarista que detém a chave para um misterioso incidente que Go Ae Rin e Kim Bon estão envolvidos. Apesar de ser o "vilão", ele não passa de um covarde a acaba protagonizando muitas cenas cômicas);
- Im Se Mi como Yoo Ji Yeon (Uma agente da NIS que está com frio do lado de fora, mas caloroso com Kim Bon, por quem ela tem sentimentos).

Minha opinião: Adorei!!
Não vou negar, o que me fez dar play no primeiro episódio de "Terius Behind Me" sem ao menos ler a sinopse foi a saudade que eu estava de ver o So Ji Sub nas telinhas. Me julguem! hahha
Mas fui fisgada pelo dorama desde o início, tanto por toda a ação quanto pela comédia presentes.
Conhecemos  Go Ae Rin, uma jovem esposa, mãe de um casal de gêmeos fofos (e terrível!). Ela largou a carreira na área de TI (Tecnologia e Informação) para se dedicar à família, mas se sente cada vez mais sobrecarregada com sua cansativa rotina como mãe e dona de casa. Como é esperado da cultura coreana (ou universal, infelizmente... machismo dos infernos!), o marido não ajuda em nada quando o assunto são afazeres domésticos ou a educação dos filhos. E isso deixa Go Ae Rin cada vez mais perto de seu limite. E, após mais uma briga com o marido, Ae Rin sai de casa, sem imaginar que seria a última vez que veria o marido com vida.

21 de janeiro de 2019

RESENHA: A bruxa não vai para a fogueira neste livro (As mulheres têm uma espécie de magia #2)

Editora: LeYa
Autor(a): Amanda Lovelace
Número de páginas: 208

Sinopse: Aqueles que consideram “bruxa” um xingamento não poderiam estar mais enganados: bruxas são mulheres capazes de incendiar o mundo ao seu redor. Resgatando essa imagem ancestral da figura feminina naturalmente poderosa, independente e, agora, indestrutível, Amanda Lovelace aprofunda a combinação de contundência e lirismo que arrebatou leitores e marcou sua obra de estreia, "A princesa salva a si mesma neste livro", cujos poemas se dedicavam principalmente a temas como relacionamentos abusivos, crescimento pessoal e autoestima. Agora, em "A bruxa não vai para a fogueira neste livro", ela conclama a união das mulheres contra as mais variadas formas de violência e opressão. Ao lado de Rupi Kaur, de "Outros jeitos de usar a boca" e "O que o sol faz com as flores", Amanda é hoje um dos grandes nomes da nova poesia que surgiu nas redes sociais e, com linguagem direta e temática contemporânea, ganhou as ruas. Seu "A bruxa não vai para a fogueira neste livro" é mais do que uma obra escrita por uma mulher, sobre mulheres e para mulheres: trata-se de uma mensagem de ser humano para ser humano – um tijolo na construção de um mundo mais justo e igualitário.

Olá gente lindaaaa!
Hoje vim falar sobre o segundo volume da trilogia poética "As mulheres têm uma espécie de magia", da autora Amanda Lovelace. O volume anterior, "A princesa salva a si mesma neste livro", que já resenhei aqui no blog, apenar de apresentar temas semelhantes aos apresentados em "A bruxa não vai para a fogueira neste livro", há uma diferença notável: o segundo volume é inflamável! 💀

A cada página, ao ler cada um dos poemas, só conseguia pensar na música "Girl On Fire", de Alicia Keys, pois é assim que a narradora-poeta-autora se mostra a cada palavra. A mulheres descritas nas páginas do livro estão em chamas, andando sobre as chamas sem medo de enfrentar seus opressores... e estão em combustão! O jogo virou, mores!
O livro é dividido em quatro partes, assim como o volume anterior, são elas: o julgamento, a queima, a tempestade de fogo e as cinzas.

Apresento abaixo meus poemas e trechos favoritos de cada uma dessas partes. Tirem suas próprias conclusões e tentem não entrarem em combustão até o final da leitura. A autora, como já mencionei, é inflamável... e nós somos todas (sim, no feminino mesmo!) faíscas.
"posso
não sobreviver aos fósforos, mas meu
fogo de vadia vai sobreviver a todos eles."
(página 23)

7 de janeiro de 2019

RESENHA: As coisas que você só vê quando desacelera

Editora: Sextante
Autor(a): Haemin Sunim
Número de páginas: 256

Sinopse: De tempos em tempos, surge um livro que, com sua maneira original de iluminar importantes temas espirituais, se torna um fenômeno tão grande em seu país de origem que acaba chamando a atenção e encantando leitores de todo o mundo.
Escrito pelo mestre zen-budista sul-coreano Haemin Sunim, As coisas que você só vê quando desacelera é um desses raros e tão necessários livros para quem deseja tranquilizar os pensamentos e cultivar a calma e a autocompaixão.
Ilustrado com extrema delicadeza, ele nos ajuda a entender nossos relacionamentos, nosso trabalho, nossas aspirações e nossa espiritualidade sob um novo prisma, revelando como a prática da atenção plena pode transformar nosso modo de ser e de lidar com tudo o que fazemos.
Você vai descobrir que a forma como percebemos o mundo é um reflexo do que se passa em nossa mente. Quando nossa mente está alegre e compassiva, o mundo também está. Quando ela está repleta de pensamentos negativos, o mundo parece sombrio. E quando nossa mente descansa, o mundo faz o mesmo.

Olá gente lindaaa!
E eis que minha primeira leitura de 2019 não poderia ter sido melhor. Nada como começar o ano não apenas com o pé direito, mas com o coração leve e a mente cheia de boas reflexões. "As coisas que você só vê quando desacelera" é um livro leve, cheio de conselhos, frase motivacionais e reflexões que nos fazem perceber que talvez não estejamos olhando com atenção para a direção certa ou estejamos olhando as coisas com os olhos errados, com pré julgamentos, com expectativas equivocadas, etc.
Sabem aquele balanço que muita gente faz no fim do ano, com a esperança de não repetir os mesmos erros no ano seguinte? Pois bem, acho que esse livro tem exatamente essa premissa: fazer com que coloquemos nossos erros e acerto na balança, a fim de percebermos tudo o que aprendemos com nossas experiências.
O livro é dividido em oito capítulos - respectivamente: Descanso, Atenção Plena, Paixão, Relacionamentos, Amor, Vida, Futuro e Espiritualidade - e em cada um deles apresenta reflexões certeiras, necessárias e extremamente uteis (pelo menos foram para mim). Além disso, há diversas ilustrações lindíssimas e que são tão terapêuticas quanto o próprio texto.
Confiram abaixo alguns dos trechos que mais me chamaram a atenção e que eu espero colocar em prática em 2019.