16 de junho de 2016

Na Telinha ou na Telona... #59

Olá gente lindaaa!
Hoje eu vim falar de mais um dorama, desta vez voltando aos meus amados coreanos. <3
Lhes apresento "Pinocchio" (Pinóquio), um k-drama de 2014. Confesso que apesar de ter assistido praticamente todos os doramas estrelados pela atriz Park Shin Hye e ter gostado de todos, sempre achei que a atriz esboçava menos expressão que um tijolo nas cenas de beijo, por isso enrolei um pouco para assistir seu dorama mais recente.  Continue lendo a resenha para saber se minha opinião sobre a atriz continua a mesma.

Sinopse: Repórteres estreantes de 20 e poucos anos conseguirão deixar sua marca ao cobrirem as notícias efervescentes de uma agitada metrópole? A idealista Choi In Ha (Park Shin Hye) enfrenta dificuldades quando se torna jornalista de TV, principalmente porque ela sofre de uma condição conhecida como “Síndrome de Pinóquio”, que faz com que ela tenha crises de soluço sempre que conta uma mentira. Seus colegas novatos são Choi Dal Po (Lee Jong Suk), cuja aparência desleixada esconde sua verdadeira eloquência e memória afiada; Seo Bum Jo (Kim Young Kwang), um rico herdeiro que sempre tudo nas mãos; e Yoon Yoo Rae (Lee Yoo Bi), cujos conhecimentos de fangirl se tornam úteis para cobrir as notícias. Os repórteres estreantes de 20 e poucos anos conseguirão buscar justiça enquanto tentam conhecer a si mesmos? “Pinóquio” é drama sul-coreano de 2014 dirigido por Jo Soo Won.
P.S.: Sinopse retirada do Viki.

ELENCO PRINCIPAL:

- Lee Jong-Suk como Choi Dal-po/Ki Ha-Myung (após ser resgatado e adotado por Choi Gong-pil, Ki Ha-myung decide assumir sua novo nome, Dal-po, e sua nova família; ele esconde a própria inteligência a fim de ser o filho que  Choi Gong-pil quer que ele seja, aquele que morreu há 40 anos);
- Park Shin-Hye como Choi In-Ha (jovem que sofre de uma síndrome chamada "Pinóquio", que faz com que ela soluce ao contar uma mentira ou guardar segredos; possui uma personalidade forte e é muito determinada; sonha em se tornar uma repórter); 
- Kim Young-Kwang como Seo Beo (vindo de uma família chaebol rica, Beom-jo sempre teve o que queria; após 13 anos "roubando" mensagens que In-ha enviou à mãe, ele decide conhecê-la pessoalmente e, para isso, precisa se tornar um repórter);
- Jin Kyung como Song Cha-Ok (mãe de Choi In-ha; uma famosa repórter que recentemente chegou ao cargo de âncora do telejornal de maior audiência do país; ela se importa apenas com os índices de audiência, não se importando muito com a verdade dos fatos que noticia).

Minha opinião: Amei!
A história do dorama se inicia oito anos antes, mostrando como a mídia tem um poder devastador. Ki Ha-Myung tem a família destruída após um grande incêndio e, não, a família dele não morreu no incêndio, apenas seu pai morreu, mas foi culpado pelo por levar sua equipe de bombeiros direto para a morte. A mídia fez da vida da família de Ha-Myung um verdadeiro inferno, por isso ele odeio todos os repórteres com todo seu ser.  Após o incidente, seu irmão mais velho parece ter fugido da situação e sua mãe, impedida de sair de casa por conta de tantas acusações, toma uma decisão drástica: se matar junto com o filho caçula. Sim, o dorama já começa com uma situação dramática e chocante. 

É aí que Ha-Myung é dado como morto e acaba sendo adotado por um senhor que acredita que o menino é seu filho, morto há 40 anos no mar. Sendo assim, Ha-Myung adota o nome Choi Dal-Po e passa a viver como se fosse, de fato, filho do senhor Choi e, coincidentemente (ou será o destino, tão presente nos k-dramas?), "tio" de In-Ha, filha da repórter Song Cha-Ok, aquela que teve voz para destruir sua família. 
Oito anos se passam e Dal-Po e Ih-Ha cresceram como tio e sobrinha, mas por terem a mesma idade, sempre estudaram juntos. Dal-Po passou toda sua vida escolar fingindo não ser inteligente, uma vez que o verdadeiro Dal-Po (aquele que morreu há mais de 40 anos) tinha problemas mentais. Fazendo isso ele acreditar estar evitando que o pai adotivo tenha qualquer problema de saúde. 
Notem a sensualidade do garoto ahha.
Mas, isso muda (começa a mudar, pelo menos) quando Dal-Po resolve participar de um programa de perguntas e respostas para evitar que seu concorrente, o aluno número 1 da turma, vença a competição e se declare para In-Ha, sua sobrinha (percebemos um amor aí, gente!).
Confesso que foi impossível não me apaixonar por Dal-Po. Ele é engraçadíssimo, carinhoso com a família e um verdadeiro sofredor, gente. 
In-Ha, por sua vez, apesar de ser filha da repórter Song Cha-Ok, nunca teve o amor da mãe e, desde o divórcio dos pais, oito anos antes, nunca mais teve nenhum contato com ela, apesar de continuar mandando mensagens de texto para o número que acredita ser da mãe. Ela sofre de um síndrome bastante comum no dorama (uma síndrome fictícia, gente), em que a pessoa não consegue mentir, quer dizer, ela consegue, mas se denuncia em seguida ao começar a soluçar. Isso mesmo, é um soluço toda vez que conta uma mentira. Engraçadíssimo! 
Ao contrário de todas as outras pessoas que sofrem dessa síndrome, In-Ha não tem papas na língua e como é impedida de mentir, sempre diz a verdade, doa a quem doer. #melhorpersonagemfeminiaever
A relação entre ela e Dal-Po é de cumplicidade, embora tenham seus desentendimentos de vez em quando. A união é tanta que, mesmo odiando toooodos os repórteres, Dal-Po dá toda a força (à sua maneira) quando In-Ha decide, também, se tornar uma jornalista.
O apoio é tanto que, após ver In-Ha falhar pela 36ª vez e ser praticamente humilhada pela própria mãe, ele decide se tornar um repórter junto com ela. Quem diria, né?! 
O que eu posso dizer sobre os outros personagens? O pai e o avô de In-Ha são divertidíssimos! Morri de rir com as divagações do pai e com as várias comprinhas que o avô fazia para Dal-Po (além de ajudá-lo a mudar o visual) e, principalmente, quando Dal-Po descobria que o dinheiro dessas extravagâncias vinhas de seus próprios cofrinhos. Cheguei a chorar de tanto rir, gente!
A equipe de repórteres (estagiários) foi um verdadeiro show! Não apenas por investigar vários casos e encontrar a verdade (embora as próprias emissoras tentassem, por vezes, encobrir a verdade), mas por serem tão engraçados, divertidos e unidos (mesmo sendo concorrentes). 
Vários dramas se apresentam ao longo do drama, principalmente razões para que In-Ha e Dal-Po não se apaixonem, embora já estejam apaixonados, mas o que eu acho mais importante frisar é, de fato, o poder da mídia.
Esse k-drama nos faz pensar que é muito perigoso acreditar em tudo o que vemos na TV ou que é veiculado pela mídia em geral (exemplo disso é o que acontece com o irmão de Dal-Po. Apavorante!). O interesse das emissoras nem sempre é mostrar a verdade, mas alcançar altos (e rentáveis) índices de audiência. Isso sem contar todas as "parcerias" políticas envolvidas, né?! Não precisamos ir muito longe para saber que política e mídia têm uma relação bem íntima, né?! Exemplo disso é o fato de os meios de comunicação brasileiros estarem nas mãos de apenas cinco famílias. Parece loucura, né?! Mas toda a informação que recebemos via TV, jornais, revistas são mediados pelas mesmas poucas pessoas.

Isso me fez lembrar uma citação do livro "Incendeia-me", terceiro volume da trilogia "Estilhaça-me", da autora Tahereh Mafi, da qual eu gosto muito, que fala sobre o poder das palavras:
"Palavras, eu penso, são criaturas muito imprevisíveis.
Nenhuma arma, nenhuma espada, nenhum exército nem rei um dia será mais poderoso que uma frase. As espadas podem cortar e matar, mas as palavras vão golpear e ficar, enterrando-se em nossos ossos para virarem corpos mortos que carregamos para o futuro, sempre cavando e sem conseguir arrancar seus esqueletos de nossa carne." (página 116)
Outro ponto positivo do k-drama é que todos os episódios tem um título inspirado em alguma história conhecida (assim como o nome do próprio dorama), o que nos dá uma dica do que encontraremos em cada episódio, por exemplo, "O Patinho Feio", "Romeu e Julieta", "Dom Quixote", "A Letra Escarlate", "Sonho de Uma Noite de Verão", etc. Além disso, tem também uma grande surpresa quando descobrimos quem é a verdadeira vilã que está por trás de todas as desgraças. #OMG
Quanto a minha opinião sobre a atriz Park Shin Hye, embora sua atuação nas cenas de beijo ainda deixe um pouco a desejar, preciso dizer que esse dorama é, de longe, o melhor de todos os outro estrelados por ela. Tanto pela personagem em sim, como pela atuação. Dorama mais do que recomendado!
Quanto a trilha sonora, confesso que não me prendi muito a ela, mas gostei bastante da música tema, Every Single Day (Non-Fiction), e também dessas: Only Person (K.Will) e Pinocchio (Roy Kim). São lindas! <3

Se quiserem conferir, todos os 20 episódios estão disponíveis online, com legenda em português no Viki.com.

***
Espero que vocês gostem!

Beijos e amassos!!

Nenhum comentário

Postar um comentário

Adoro saber a sua opinião. ^^ Deixe um recadinho com sua sugestão e faça uma blogueira feliz! :)