29 de junho de 2017

Na Telinha ou na Telona... #87

Olá gente lindaaaa!!
Hoje vim falar de um dorama que foge um pouco do que que estou acostumada, por ter ZERO romance. Estou falando de "Chief Kim" (Chefe Kim), que foi exibido de 25 de janeiro a 30 de março de 2017, pelo canal sul-coreano KBS2.

Sinopse: A política corporativa pode transformar uma pessoa ruim em uma pessoa boa? Kim Sung Ryong (Namgoong Min) é um contador competente que trabalha para bandidos. Ele fez sua carreira dentro de uma empresa chamada TQ Group como gerente de nível médio, no departamento de contabilidade, com a intenção de desviar dinheiro da empresa para poder viver aposentado na sua querida Dinamarca. O procurador que se tornou consultor corporativo Seo Yool (Junho) levou Sung Ryong para a empresa porque ele presumiu que Sung Ryong seria fácil de controlar e iria fazer vista grossa para toda a corrupção financeira que está acontecendo na empresa sob a direção do presidente Park Hyun Do (Park Young Gyu). Quando Sung Ryong experimenta trabalhar como assistente do diretor, Yoon Ha Kyung (Nam Sang Mi), e o resto do pessoal que trabalha duro no departamento de contabilidade, ele acaba por frustrar as muitas tentativas da empresa de arrasar com os direitos dos funcionários. A mentalidade de Sung Ryong começa a mudar sobre o que ele veio fazer exatamente no TQ Group. De qual lado ele decidirá ficar? "O Chefe Kim" é uma novela sul-coreana de 2017 dirigida por Lee Jae Hoon.

ELENCO PRINCIPAL:

- Nam Goong Min como Kim Sung Ryong (um homem talentoso com naturais para números e uma mente extraordinária para conseguir dinheiro. Ele usa seus talentos como sua fonte de dinheiro, mas não de forma totalmente honesta: ele é especialista em "lavar" dinheiro);
- Nam Sang Mi como Yoon Ha Kyung (uma mulher com uma beleza única que viveu uma infância típica como atleta olímpica; atualmente trabalha como subchefe no departamento contábil da TG Group; possui um forte senso de orgulho em seu trabalho);
- Lee Jun-ho como Seo Yool (um procurador inteligente e carismático, que passa a se tornar um diretor de uma grande empresa);
- Jung Hye Sung como Hong Ga Eun (uma investigador do departamento de investigação especial da acusação que finge ser um estagiário "real" no Grupo TQ).

Minha opinião: Adorei!
Eu comecei a assistir "Chefe Kim" depois de ver algumas cenas engraçadíssimas do dorama em grupos sobre dorama no Facebook, e como já havia gostado da atuação super cômica do ator Nam Goong Min (que interpreta o protagonista) em "Dear Fair Lady Kong Shim", não pensei muito antes de dar play.
É claro que o humor está presente do começo ao fim, mas "Chefe Kim" é um dorama que nos trás muitas reflexões sem que nos demos conta. A principal delas, acredito, é que nunca é tarde para ser alguém melhor. Nunca é tarde demais para sermos a melhor versão de nós mesmo e nunca fomos tão longe no caminho errado que não possamos dar meia volta e retornar.
Se tem uma coisa que nosso protagonista, Kim Sung Ryong, é lavar dinheiro. Ele é especialista em maquiar livros de contabilidade e fazer tudo parecer certo e perfeito, por isso trabalha fazendo exatamente isso para uns bandidos em uma cidade pequena. 
No entanto, seu sonho é emigrar para a Dinamarca, que é considerado um dos países com menos corrupção no mundo inteiro. Segundo Sung Ryon, os números não mentem, quem mente são as pessoas que lidam com números.
Assim, ao saber da possibilidade de ser contratado pelo  grande Grupo TQ, ele vê sua chance de conseguir dinheiro suficiente para realizar seu sonhos. Seu objetivo é ser contratado e conseguir "surrupiar" alguns milhões da empresa para poder ir embora do país e viver de forma limpa em outro país.

27 de junho de 2017

NOVIDADES!! #248

Olá gente lindaaaa!!
O mês de junho já está dando "tchau", mas ainda dá tempo de conferir os lançamentos da Editora Harlequin!

Perigosa Atração
Autor(a): Maya Banks
268 páginas

Sinopse: Quando ainda era adolescente, Eliza Cummings descobriu que o perigo pode se esconder atrás de um rosto encantador e de um sorriso apaixonante. Depois de ajudar a colocar na cadeia o monstro que a aterrorizou, ela muda completamente de vida. Com um novo nome e uma missão, Eliza torna-se especialista em proteger pessoas. Mas nem mesmo seus dez anos de treinamento poderiam prepará-la para a notícia que acaba de receber: seu pior pesadelo está de volta, em liberdade. Agora, para salvar a todos que ama, ela precisa enfrentá-lo. Sozinha.
Wade Sterling sabe que algo está errado. Desde que conheceu Eliza, ela nunca demonstrou medo. Pelo contrário, sempre encarou todos os desafios com coragem, colocando as necessidades dos outros à frente das suas. Uma das qualidades que o encantam… e o irritam. Por mais que não goste de admitir, Eliza é a única mulher que consegue abalar seus sentimentos. Mas, ao vê-la assustada, o instinto de Wade entra em alerta. Ele sente que precisa ajudá-la, e irá fazer de tudo para protegê-la!

 Cartas para uma Falsa Dama
Autor(a): Carol Townend
288 páginas

Sinopse: Ainda recém-casado, o conde Tristan deixou sua esposa para defender o ducado da Bretanha. Dois anos se passaram desde a última vez que Francesca vira o belo rosto do marido. Durante todo esse tempo, ela escreveu incessantemente para Tristan, mas não recebeu resposta. Nem mesmo após descobrir que não era a filha verdadeira do conde Myrrdin. Aflita, ela esperava receber o pedido de anulação do casamento a qualquer momento. Porém, quando Tristan retorna, Francesca percebe que não é a única assombrada por segredos do passado.

26 de junho de 2017

RESENHA: Por favor, cuide da Mamãe

Editora: Intrínseca
Autor(a): Kyung-Sook Shin
Número de páginas: 240

Sinopse: Em que momento da vida entendemos os sacrifícios que nossas mães fizeram? E o que acontece se é tarde demais para agradecer?
Por favor, cuide da Mamãe conta a história de Park So-nyo. Moradora de uma aldeia no interior da Coreia do Sul e mãe de cinco filhos já crescidos, ela desaparece ao chegar a Seul para visitá-los. Como fez a vida toda, o marido, com quem Park é casada há mais de 50 anos, simplesmente supôs que a esposa o seguia e a deixou para trás numa estação de metrô. Essa é a última vez que Park é vista.
Enquanto a procuram pelas ruas da cidade, o marido e os filhos relembram a vida de Park So-nyo e repassam mentalmente tudo o que não disseram a ela. Por meio de suas vozes, começamos a entender os desejos, as dores e os segredos de uma mulher que ninguém nunca conheceu de verdade. E, à medida que o mistério do seu desaparecimento se desenrola, deparamos com um enigma ainda maior, comum a todas as mães e filhos: como o carinho, a exasperação, a esperança e a culpa somam-se para dar origem ao amor.
Terno, redentor e belamente escrito, Por favor, cuide da Mamãe reconecta o leitor à própria história e a seus sentimentos mais profundos. Ao mesmo tempo um retrato da Coreia do Sul contemporânea e uma história universal sobre família e amor.
Olá gente lindaaa!!!
Uma frase que define bem o livro "Por favor, cuida da Mamãe" é: a gente só dá valor quando perde. E isso serve pra todos nós e cada um de nós. Nós costumamos viver em função do trabalho, da carreira ou de qualquer outra coisa e acabamos deixando de apreciar momentos simples, do nosso cotidiano, ao lado das pessoas que amamos. Sempre achamos que teremos muito tempo futuramente para essas coisas "desimportantes". Depois que eu terminar meus estudos, quando eu estiver financeiramente estável, depois que eu viajar pelo mundo, quando eu constituir minha família, quando eu terminar de resolver esses assuntos, quando eu me aposentar... Mas, quem sabe o tempo que cada um tem? Como saber se o amanhã virá? Como saber se uma oportunidade surgirá?

O livro gira em torno do desaparecimento de Park So-nYo, uma senhora de 69 anos, que sumiu em uma estação de metrô em Seul, quando se perdeu do marido. Com apenas cinco capítulos, acompanhamos, além da busca pela idosa, as angústias e arrependimentos de alguns personagens: a filha mais velha, que sempre foi temperamental e permanece solteira após os trinta anos; o primogênito da família e os privilégios e responsabilidades de o ser, o marido, que sempre foi ausente e negligente em relação à família e a esposa...
“- Você precisa estudar muito para conseguir ingressar em um mundo melhor.
Na época, você entendeu o que ela quis dizer? Quando ela a repreendia, quase sempre você a chamava de Mamãe. A palavra “Mamãe” é familiar e esconde um apelo: por favor, tome conta de mim. Por favor, pare de gritar comigo e faça um afago na minha cabeça; por favor, fique do meu lado, tenha eu razão ou não”.
(página 24)

22 de junho de 2017

Na Telinha ou na Telona... #86

Olá gente lindaaaa!
Hoje venho falar sobre um dorama que eu maratonei no início de maio, mas só consegui encaixar uma postagem sobre ele agora, estou falando de "Lovely Love Lie" (Linda mentira de amor), também conhecido como "The Liar and His Lover" (O mentiroso e sua amante). Esse dorama foi exibido entre 20 de março a 9 de maio de 2017 pelo canal sul-coreano TvN.

"Lovely Love Lie" é baseado no mangá japonês "Kanojo wa Uso wo Aishisugiteru", escrito por Kotomo Aoki, que também já foi adaptado em um filme japonês de 2013.

Sinopse: Quando um famoso compositor de identidade secreta encontra uma garota com uma linda voz, é amor ao primeiro som. Mas encontrar o verdadeiro amor enquanto esconde a verdadeira identidade pode ser complicado. Kang Han Kyul (Lee Hyun Woo) é um famoso e talentoso compositor. Ter trabalhado para uma banda famosa por um longo período fez com que ele chegasse ao sucesso ainda muito jovem. Entretanto, o jovem rapaz caiu em uma profunda depressão e não vê mais motivos para continuar vivendo. Mas isso tudo muda quando ele escuta uma voz. 
Yoon So Rim (Joy) é uma estudante do ensino médio e dona de uma voz incrível. Yoon So Rim, ao conhecer Kang Han Kyul, consegue enxergar o peso e a dor que o compositor carrega no coração dele. Com a gentileza e serenidade dela, ela o convence de que a vida é preciosa, e usando o poder da voz dela, atinge o coração dele. O problema é que o Kang Han Kyul escondeu sua verdadeira identidade de Yoon So Rim. Para um homem apaixonado, seria possível viver um amor verdadeiro escondendo a própria identidade? 

ELENCO PRINCIPAL:

- Lee Hyun-woo como Kang Han-gyeol (ex-baixista da banda Crde Play, que formou com seus amigos na época do colégio; desiste antes de a banda estrear, por perceber que ele não é o melhor baixista. Agora ele trabalha nos bastidores como produtor musical da banda sob o nome "K". Para ele a música é e sempre foi sua prioridade)
- Joy (Red Velvet) como Yoon So-rim uma estudante do ensino médio de dezoito anos que possui uma linda voz. Ela está em uma banda formada por ela e dois amigos de infância. Seus pais morreram quando ela era pequena, por isso ela foi criada pela avó, a quem ajuda a tomar conta de sua loja de hortaliças);
- Lee Seo-won como Seo Chan-young (baixista que substituiu Han-gyeol em Crude Play. Ele sente que nunca faz parte do grupo e sente que Han-gyeol tira tudo dele. Isso faz com que ele despreze Han-gyeol. Além disso, ele também passa a ser produtor da banda de So-rim, como resultado da queda por ela);
- Lee Jung-jin como Choi Jin-hyuk (diretor da Sole Music, agência de Crude Play, Yoo-na e, posteriormente, da Mush & Co. Ele toma decisões precipitadas para provar ao CEO que ele é melhor do que ela, mas não percebe que essas decisões ferem e prejudicam seus artistas);
- Hong Seo-young como Chae Yoo-na (ex-namorada de Han-gyeol. Uma cantora que é criticada pela mídia por usar seu corpo para ganhar fama. Seus sentimentos por Han-gyeol nunca terminaram mesmo depois que eles se separaram).

Minha opinião: Gostei!
Bem, eu não sei vocês, mas eu adoro musicais! E... bem, essa foi a única razão que me levou a assistir "Lovely Love Lie". Simples assim.
Que eu sou apaixonada por dramas coreanos, não é novidades, mas eu não sou muito ligada em K-pop, por isso é sempre uma grata surpresa quando há tantos cantores(as) coreanos estrelando juntos em um dorama, assim tenho a oportunidade de conhecer um pouco de K-pop (rs). Em "Lovely Love Lie", além de ter a Joy (membro do grupo Red Velvet) como protagonista, também temos Kim SungJoo (do grupo UNIQ) como vocalista da banda fictícia Crude Play (eu não conheço praticamente nada sobre o grupo UNIQ, mas reconheci SungJoo de uma entrevista dos integrantes à uma revista brasileira quando eles estiveram no Brasil, em junho do ano passado).
Quanto a história, confesso que não tem muita novidade, é um romance bem fofinho, clichê e com um protagonista bem "sem sal", na minha humilde opinião, claro.
Yoon So-rim é uma jovem de 18 anos que está cursando o ensino médio, mas por sempre pensar em música, ela não vai muito bem nos estudos. Ela, juntamente com dois amigos, tem uma banda e sonha em viver da música, e o fato de ser tão talentosa é motivo de inveja por parte de colegas de sala. Apesar do talento e amor pela música, sempre que participa de concurso ou audições, So-rim entra em pânico e não consegue cantar, por causa de um medo de palco desenvolvido por um trauma na infância.
Certo dia, ao ajudar a avó em uma entrega (já que a avó é proprietária de uma loja de hortaliças), ela acaba esbarrando com Kang Han-gyeol, que acaba lhe pedindo emprestado o celular e nele grava uma música. Isso bastou para que So-rim se apaixonasse pelo desconhecido. A partir de então, ela convence seus amigos a ajudá-la e encontrar esse estranho, por meio de apresentações de rua. No entanto, ela nem imagina qual é a identidade dele... ele é ninguém mais, ninguém menos, que o produtor de sua banda favorita, a Crude Play.

19 de junho de 2017

RESENHA: The Heart of Betrayal (Crônicas de Amor e Ódio #2)

Editora: DarkSide Books
Autor(a): Mary E. Pearson
Número de páginas: 402

Sinopse: Em The Heart of Betrayal — Crônicas de Amor e Ódio v.2, Lia e Rafe estão presos no reino barbárico de Venda e têm poucas chances de escapar. Desesperado para salvar a vida da princesa, Kaden revelou ao Vendan Komizar que Lia tem um dom poderoso, fazendo crescer o interesse do Komizar por ela.
Enquanto isso, as linhas de amor e ódio vão se definindo. Todos mentiram. Rafe, Kaden e Lia esconderam segredos, mas a bondade ainda habita o coração até dos personagens mais sombrios. E os Vendans, que Lia sempre pensou serem selvagens, desconstroem os preconceitos da princesa, que agora cria uma aliança inesperada com eles. Lutando com sua alta educação, seu dom e sua percepção sobre si mesma, Lia precisa fazer escolhas poderosas que vão afetar profundamente sua família... e seu próprio destino.
Olá gente lindaaaa!
Após várias semanas sem postar resenhas no blog, venho falar sobre o tiroteio, porrada e bomba que foi o segundo volume da trilogia Crônicas de Amor e Ódio, "The Heart of Betrayal".
Quem leu minha resenha de “The Kiss of Decption” (se não leu, LEIA AQUI) sabe que eu já havia adorado o primeiro volume e estava sedenta pela continuação, no entanto, “The Heart of Betrayal” superou minhas expectativas. Ah, lembrando que, por se tratar do segundo volume da trilogia, é inevitável que haja spoilers do volume anterior, então leiam esta resenha por sua conta em risco.

No final de “The Kiss of Deceprion”, Lia adentra Venda como prisioneira e é surpreendida por Rafe, que se declara um emissário do príncipe de Dalbreck. Sendo assim, tanto Lia quanto Rafe passam a ser prisioneiros e motivos de muitas desconfianças por parte dos governadores das províncias, pelo Conselho e, principalmente, pelo Komizar, o líder bárbaro de Venda.
No início, apesar do fato de ter sido sequestrada por Kaden, Lia ainda acredita que ele possa ser seu aliado, já que ele não é muito bom em esconder seus sentimentos por ela. No entanto, com o passar dos dias, Lia percebe que sua lealdade para com Venda e, principalmente, para com o Komizar serão difíceis de superar. Afinal, ele é o Assassino, o braço direito do Komizar, a quem todos respeitam.
“Seriam necessários muitos atos, e não apenas um, todos os passos renegociados. Mentiras teriam que ser contadas. Confianças, conquistadas. Limites desagradáveis, cruzados. Tudo isso pacientemente, e paciência não era meu ponto forte.” (página 11)

15 de junho de 2017

Na Telinha ou na Telona... #85

Olá gente lindaaa!
Sim, vim falar de mais um dorama coreano. como você já deve ter percebido, mesmo sendo um blog literário, nos últimos tempos eu tenho falado mais de doramas do que de livros... vício é vício, gente. Não consigo evitar. Quem sabe assim eu convença vocês a assistirem doramas, né?!
Bem, vamos ao que interessa... a indicação de dorama da semana é "Radiant Office" (Escritório Radiante), que foi exibido pelo canal sul-coreano MBC, de 15 de março a 4 de maio desse ano. 

Sinopse: Eun Ho Won (Go Ah Sung) é realmente muito azarada. Não importa o quanto tente, ela não consegue arrumar um emprego estável. Ela fica tão cansada e deprimida com tanto insucessos que decide cometer suicídio. Mas até nisso ela fracassa. De alguma forma, ela consegue sobreviver e é levada para o hospital mais próximo, mas a má sorte não a abandona. No hospital ela fica sabendo que pode estar com uma doença terminal! A partir dessa descoberta, ela decide viver a vida dela sem arrependimentos. E é quando ela finalmente consegue um emprego na empresa de móveis que ela tanto queria. Mas a nova maneira de viver da Eun Ho Won pode significar inúmeras dores de cabeça para o gerente do novo trabalho dela. Seo Woo Jin (Ha Suk Jin) é um workaholic incurável. Ele vive a vida dele segundo as regras. Há hora e lugar para tudo, e no ambiente de trabalho nada mais deve ser feito, a não ser trabalhar. Para o Seo Woo Jin, a nova garota é um problema, e só conseguem trabalhar discutindo um com o outro. Será que a Eun Ho Won conseguirá viver sua vida ao máximo sem causar problemas para o gerente dela, ou o Seo Woo Jin aprenderá a relaxar e desfrutar da vida? 
ELENCO PRINCIPAL: 

- Go Ah-sung como Eun Ho-won (uma mulher de 28 anos que nunca consegue ter um emprego estável. Cansada de sua vida de empregos temporários e após ser rejeitada na mesma empresa pela 100ª vez, ela tenta cometer suicídio. Após ser salva dessa tentativa de suicídio ela recebe duas notícias: que pode estar com uma doença terminal e que ela finalmente conseguiu um emprego como uma funcionária contratada. Senmais nada a perder, ela resolve enfrentar a vida e seu novo emprego com com mais ousadia);
- Ha Seok-jin como Seo Woo-jin (um homem de 38 anos de idade, que é o chefe da equipe de marketing. Ele é um workaholic de elite com qualificações perfeitas e resultados de trabalho. Mas ele tem personalidade intransigente e língua afiada, o que muitas vezes o torna em desacordo com seus colegas de trabalho);
- Lee Dong-hwi como Do Ki-taek (um homem de 32 anos de idade que não conseguiu passar no exame da função pública nacional algumas vezes, o que resultou na falta de experiência profissional. Apesar de ser abandonado por sua namorada materialista, ele ainda é um romântico no coração);
- Kim Dong-wook como Seo Hyun (um médico de emergência de 34 anos de idade; ele foi quem cuidou de Ho-won quando foi levada para o hospital após a tentativa de suicídio. Ele mantém uma vigilância sobre ela e depois que ele sabe que ela trabalha na empresa de sua família, ele se torna seu guardião secreto);
- Hoya como Jang Kang-ho (um homem de 28 anos que vem de uma família rica em Gangnam. Ele recebeu a melhor educação e educação que o dinheiro pode comprar. Infelizmente, ele sofre de transtorno de pânico, o que resultou em falhas múltiplas de entrevistas de trabalho).

Minha opinião: Gostei!
Não vou negar, decidi assistir "Radiant Office" só pelo fato de ter Ha Seok-Jin (1% of Something) no elenco, mas seu personagem não poderia ser mais diferente do drama anterior. Comecei a assistir esperando um romance engraçado entre um chefe ranzinza e uma funcionária destemida, mas ão foi bem o que encontrei nesse dorama. O foco, definitivamente, não é o romance.
Eun Ho-won, apesar de inteligente e super esforçada, não possui quaisquer qualificações profissionais, pois durante a faculdade ela precisou trabalhar em diversos empregos de meio-período. E é assim desde então. Não há nada que ela já não tenha feito: entregadora de comida, funcionária temporária em lojas de conveniência, faxina, etc, etc, etc... Seu maior sonho é consegui um emprego e ser efetivada como uma funcionária contratada, tendo todos os direitos de um funcionário de verdade. No entanto, com suas poucas (nulas) qualificações, ela é rejeitada entrevista após entrevista de emprego.
Mesmo após ser rejeitada 99 vezes em entrevista de emprego na MESMA EMPRESA, ela não desiste, pois acredita que mesmo sem ter as qualificações profissionais exigidas, ela é capaz de fazer um bom trabalho, de aprender e se dedicar.

8 de junho de 2017

Na Telinha ou na Telona... #84

Olá gente lindaaaa!!
Ainda apegada aos personagens e atores do dorama coreano "Kill me, Heal me", do qual falei na semana passada aqui no blog, acabei assistindo "Secret Love" (também conhecido como "Secret"), por causa do repeteco do casal protagonista. Isso mesmo, é o mesmo casal nos dois doramas.
No entanto, não esperem por quaisquer cenas engraçadas em "Secret Love", pois esse dorama deixa qualquer dramalhão mexicano no chinelo: é sofrência do começo ao fim!

Sinopse: Uma mulher devotada faz um grande sacrifício por seu namorado, apenas para descobrir que nem sempre o amor conquista tudo. Yoo Jeong (Hwang Jeong Eum) é uma mulher doce e otimista que sempre está apoiando seu namorado, Ahn Do Hoon (Bae Soo Bin), enquanto ele estudava e cuidava de seu pai com deficiência. Mas Do Hoon entra em um acidente de carro que resulta na morte de uma mulher. Incapaz de ver seu namorado ter de ir para a cadeia por um atropelamento, Yoo Jeong se sacrifica tomando a culpa pelo acontecido, e cumpre a pena em seu lugar. Min Hyeok (Ji Sung), um herdeiro de coração frio de um império dos negócios, recentemente tinha acabado de abrir seu coração para uma mulher, quando esta é atropelada. Anos depois, ele está noivo de Shin Se Yeon (Lee Da Hee), uma filha de um deputado. Poderão a Yoo Jeong e Min Hyeok consertarem seus corações feridos e descobrir o verdadeiro significado do amor? “Secret” é um drama coreano de 2013, dirigido por Baek Sang Hoon e Lee Eung Bok. E escrito por Choi Ho Cheol. Jo Min Hyuk (Ji Sung) é nascido de uma família rica. Ele tem tudo, incluindo uma boa aparência e inteligência, mas não tem bondade. Ele perde sua namorada em um atropelamento.

ELENCO PRINCIPAL:

- Ji Sung como Jo Min Hyuk (nascido de uma família rica. Ele tem tudo, incluindo uma boa aparência e inteligência; perde a amada em um acidente e deseja vingança);
- Hwang Jung Eum como Kang Yoo Jung (garota devotada ao namorado, vai para a prisão no lugar do namorado após um acidente de carro que causou a morte de uma mulher);
- Bae Soo-Bin como Ahn Do Hoon (sempre sonhou em ser um promotor justo, mas após mandar a própria namorada para a prisão em seu lugar, ele vai ficando cada vez mais ambicioso e inescrupuloso);
- Lee Da-Hee como Shin-yeon (noiva de Min Hyuk; embora seja um noivado por conveniência, apenas um negócio, ela está desesperada pelo amor do noivo, por quem é apaixonada secretamente).


Minha opinião: Amei!
Se você gosta de um dramalhão mexicano em que a mocinha sofre do começo ao fim, "Secret Love" é o dorama certo pra você. Quando comecei a assistir, esperava mais um romance arrebatador entre o casal protagonista Ji Sung (Protect the Boss, Entertainer) e Hwang Jung Eum, que já havia mostrado toda sua química em "Kill me, Heal me". Doce engano.... Sofri, me emocionei, me irritei e quis matar todo mundo do primeiro ao último episódio.
Em "Secret Love" conhecemos a  namorada devotada Kang Yoo Jung (que ao longo desta resenha chamaremos de Trouxiane, por se tratar de um apedido que se encaixa perfeitamente com a personagem), que em seu sétimo aniversário de namoro, leva um bolo do noivo (que foi para um encontro arranjado pela mãe) e não poderia estar mais triste... até, finalmente, ser pedida em casamento pelo amado. E que pedido mais insosso, gente. Desde o início percebemos que o noivo, Ahn Do Hoon, só propôs casamento por se sentir em dívida com a namorada, que sempre o apoio e ajudou financeiramente.  O telespectador antipatiza com esse cidadão desde o primeiro momento. pelo menos foi o que aconteceu comigo.

1 de junho de 2017

Na Telinha ou na Telona... #83

Olá gente lindaaaa!
Hoje vim falar de mais um dorama coreano que eu maratonei e assisti tudo em dois dias. Estou falando de "Kill me, Heal me" (Mate-me, Cure-me).

Sinopse: As experiências traumáticas na infância de Cha Do Hyun (Ji Sung) o levaram a desenvolver problemas de memória e fraturaram sua personalidade em sete outras, as quais ele não consegue controlar. Para tentar controlar sua vida novamente, ele contará com a ajuda de Oh Ri Jin (Hwang Jung Eum), uma residente do primeiro ano em psiquiatria que vai ajudá-lo matando cada uma de suas personalidades. Ao mesmo tempo, o irmão de Ri Jin, Oh Ri Ohn (Park Seo Joon), tentará usar as experiências de Do Hyun para tirar o véu que encobre a vida dos mais ricos em seu novo romance de mistério.

ELENCO PRINCIPAL: 

- Ji Sung como Cha Do Hyun (herdeiro de um grande conglomerado de empresas que sofre de Transtorno Dissociativo de Identidade. Tem 6 outras personalidades devido a um trauma de infância. Ele tenta recuperar o controle de sua vida com a ajuda da doutora Oh Ri Jin);
- Hwang Jung Eun como Oh Ri Jin (médica do primeiro ano de residência em psiquiatria; passa a tratar secretamente de Cha Do Hyun e acaba se apaixonando por ele - e uma de suas personalidades);
- Park Seo Joon como Oh Ri On ( irmão gêmeo de Oh Ri Jin; tem fama de idiota, mas na verdade é um gênio, escritor de romances de mistério);
- Oh Min Seok como Cha Ki Joon (primo de Cha Do Hyun que administra uma empresa de entretenimento; ambos competem para ser o sucessor na administração da empresa da família);
- Kim Yoo Ri como Han Chae Yeon (primeiro amor de Cha Do Hyun; uma mulher fria e interesseira que quer se casar com o sucessor do "império" da família de Cha Do Hyun).


Minha opinião: Amei, amei, amei!
Há um bom tempo, a Fabi (Adoro Romances de Aracajú) me indicou esse dorama, mas eu não havia me interessado, na verdade, mal li a sinopse na época. No entanto, no feriado (21 de abril), minha amiga dorameira Tati começou a assistir e falava tanto, tanto, tanto desse dorama que eu comecei a assistir e no dia seguinte alcancei ela e assistimos aos últimos episódios "juntas" (virtualmente e comentando pelo Whats App). Meu primeiro pensamento quando comecei a assistir foi, "Por que raios eu não ouvi a Fabi e assisti antes?" haha 
O que mais chama a atenção em "Kill me, Heal me", além do roteiro sensacional e da atuação incrível do Ji Sung, é o tema tão incomum em doramas:  Transtorno Dissociativo de Identidade ou Transtorno de Múltiplas Personalidades.