10 de dezembro de 2018

#LeituraColetiva - O conto da aia | #quotes (capítulos de 32 a 46 + notas históricas)

Olá gente lindaaa!
Nossa #LeituraColetiva de "O conto da aia" chegou ao fim e... que fim!
Confiram minhas quotes favoritas dessa terceira e última parte do livro, especificamente dos capítulos de 32 a 46 + notas históricas.

Confiram minhas quotes favoritas dos capítulos de 1 a 16.
Confiram minhas quotes favoritas dos capítulos de 17 a 31.



"Não se pode fazer uma omelete sem quebrar os ovos, é o que diz. Pensamos que faríamos melhor.
Melhor?, digo em voz baixa, apagada. Como ele pode pensar que isto é melhor?
Melhor nunca significa melhor para todo mundo, diz ele. Sempre significa pior, para alguns." (página 251)
"Da maneira como fazemos estão protegidas, podem realizar seus destinos biológicos em paz. Com pleno apoio e encorajamento. Agora, diga-me. Você é uma pessoa inteligente, gosto de ouvir o que pensa. O que foi que deixamos de levar em conta?
Amor, respondi." (página 261)
"Há alguma coisa errada, querida?, dizia a velha piada.
Não, por quê?
Você se mexeu.
Apenas não se mexa." (página 263)

2 de dezembro de 2018

#LeituraColetiva - O conto da aia | #quotes (capítulos de 17 a 31)

Olá gente lindaaaa!
Na última semana demos continuidade a nossa #LeituraColetiva de "O conto da aia", de Margaret Atwood, e lemos os capítulos de 17 a 31.
Confiram minhas quotes favoritas!



"Se eu pensasse que isso nunca mais aconteceria eu morreria.
Mas isso está errado., ninguém morre por falta de sexo. É por falta de amor que morremos. Não há ninguém que eu possa amar, todas as pessoas que eu podia amar estão mortas ou em outro lugar."
(página 125)
"Acredito na resistência do mesmo modo que acredito que não pode haver luz sem sombra; ou melhor, não pode haver sombra a menos que também haja luz." (página 128)
"Nenhuma esperança. Sei onde estou, e quem sou, e que dia é hoje. Esses são testes, e estou sã. A sanidade é um bem valioso; eu a guardo escondida como as pessoas antigamente escondiam dinheiro. Economizo sanidade, de maneira a vir a ter o suficiente, quando chegar a hora." (página 133)

29 de novembro de 2018

Na Telinha ou na Telona... #139

Olá gente lindaaaaa!
Finalmente, após várias semanas, venho trazer mais uma indicação de dorama. Já começo este post torcendo para me lembrar dos detalhes importantes sobre o dorama que vou indicar, pois terminei de assistir há mais de um mês e... bem, tenho memória de Dory.
Chega de enrolação e vamos ao que interessa!
A indicação de dorama da semana é "Thirty but Seventeen" (Trinta, mas Dezessete), também conhecido como "Still Seventeen" (ou Still 17), que foi o dorama mais fofo que eu assisti desde "Shopping King Louie". <3
"Thirty but Seventeen" foi ao ar de 23 de julho a 18 de setembro de 2018, na emissora sul-coreana SBS.

Sinopse: Uma vida pode mudar em um instante.
Woo Seo Ri era uma jovem prodígio do violino de 17 anos que estava se preparando para um intercâmbio na Alemanha. Mas um acidente de carro sério a deixa em um coma. Gong Woo Jin, que causou o acidente, fica traumatizado e atormentado pela culpa do que causou. Treze anos depois, ele trabalha como cenógrafo, mas é emocionalmente isolado de todos ao seu redor. Quando Seo Ri acorda inesperadamente do coma 13 anos depois, está no corpo de uma mulher de 30 anos, mas mentalmente ainda tem apenas 17 anos. Woo Jin poderá ajudá-la a se ajustar ao seu novo mundo, e aprender a viver e a amar novamente?

ELENCO PRINCIPAL:

- Shin Hye Sun como Woo Seo Ri (uma mulher de trinta anos que acorda após ficar 13 anos em coma e não se reconhece);
- Park Si Eun como jovem Woo Seo Ri (uma aspirante a violinista cujos sonhos foram destruídos devido a um acidente);
- Yang Se Jong como Gong Woo Jin  (um designer de palco que se culpou pelo acidente que aconteceu com Woo Seo Ri, e se isola desde então);
Yoon Chan Young como jovem Gong Woo Jin  (um jovem doce e carinhoso; é apaixonado por Seo Ri, mas é tímido demais para se declarar; presencia o terrível acidente que destrói o sonho da violinista);
- Ahn Hyo Seop como Yoo Chan (sobrinho e protetor de Woo Jin. Capitão do clube de remo da Taesan High School).

Minha opinião: Amei!
No primeiro episódio conhecemos a protagonista, Woo Seo Ri, uma promissora violinista. Ela está cursando o ensino médio e acaba de ganhar uma bolsa de estudos para fazer um intercâmbio na Alemanha e realizar seu sonho de ser uma famosa violinista. Ela perdeu os pais há alguns anos e desde então vive com os tios. Ela é extremamente distraída, está sempre pensando em música, sempre no mundo da lua, por isso é chamada de "cabeça de vento" por sua melhor amiga.
O mocinho, Gong Woo Jin, é um jovem doce e tímido, com um talento especial para o desenho. Ele é apaixonado por Seo Ri, mas nem ao menos sabe o nome dela. Certo dia, estando no mesmo ônibus que ela, tenta criar coragem para falar com ela e entregar um desenho que fez dela. No entanto, fica desconcertado quando ela o aborda para pedir uma informação. Após trocar poucas palavras, dizendo a garota para continuar no ônibus e descer algumas paradas depois, ele desce do ônibus, decepcionado por não ter entregado o desenho.

24 de novembro de 2018

#LeituraColetiva - O conto da aia | #quotes (capítulos de 1 a 16)

Olá gente lindaaaa!
A #LeituraColetiva de "O conto da aia", de Margaret Atwood, já começou. Uhullll!
Na última semana foram lidos os capítulos de 1 a 16, e este post reúne minhas quotes favoritas dessa primeira parte do livro.
Confiram!


"Nós ansiávamos pelo futuro. Como foi que aprendemos aquilo, aquele talento pela insaciabilidade? (página 11)
"Tento não pensar demais. Como outras coisas agora, os pensamentos devem ser racionados. Há muita coisa em que não é produtivo pensar. Pensar pode prejudicar suas chances, e eu pretendo durar. Sei por que não há nenhum vidro, na frente do quadro de íris azuis, e por que a janela só se abre parcialmente e por que o vidro nela é inquebrável. Não é de fugas que eles têm medo. Não iríamos muito longe. São daquelas outras fugas, aquelas que você pode abrir em si mesma, se tiver um instrumento cortante." (página 16)

4 de novembro de 2018

LEITURA COLETIVA: O Conto da Aia, de Margaret Atwood

Olá gente lindaaaa!!
Estou muito feliz em poder dizer que nosso projeto de #LeituraColetiva está dando super certo e já estamos dando início a terceira edição. Convidamos vocês para lerem conosco o livro "O Conto da Aia", de Margaret Atwood!
E, por incrível que pareça, a escolha do livro foi feita meses atrás, mas convenhamos... é tão pertinente, considerando os últimos acontecimentos em nosso país, né?!
Confiram abaixo as regras de participação, os blogs participantes e o prêmio (porque sempre tem um prêmio).


Para participar é bem simples: 
> Possuir (ou pegar emprestado na biblioteca, com um amigo, etc) um exemplar de "O Conto da Aia";
> Entrar NESTE grupo no Facebook (onde ocorrerão discussões semanais);
> Participar das discussões semanais sobre a leitura (para poder participar do sorteio de um livro).

BLOGS PARTICIPANTES:
Confissões Femininas (este blog)
Autora Duda Razzera (@dudarazzeraauthor)

29 de outubro de 2018

RESENHA: Negra Nua Crua

Editora: Ijumaa
Autor(a): Mel Duarte
Número de Páginas: 76

Sinopse: Em versos que retratam as inquietações, provocações, sensações, angústias e prazeres da vida pela ótica de uma mulher negra, a obra é dividida em três capítulos que dão título ao trabalho. Em "Negra", a autora problematiza questões raciais, o preconceito e a solidão da mulher negra. "Nua" trata de desejos, sensações e prazeres. Por fim, em "Crua", o lado visceral e combativo da poeta se revela.

Olá gente lindaaa!
Quem acompanha o blog (ou apenas conferir as resenhas disponíveis) sabe que eu não sou muito "chegada" das poesias, mas recentemente tenho me interessado mais por esse tipo de expressão verbal... e tenho amado.
"Negra Nua Crua" é o segundo livro publicado da poeta brasileira Mel Duarte, e retrata muito da realidade da mulher negra, suas lutas, suas conquistas, sua resistência...
Acho que eu não poderia trazer a resenha desse livro em melhor hora, já que estamos em tempos tão estranhos, enfrentando a confusão dos espíritos, tanto apagamento da história, tanto ódio gratuito... tanta gente tentando fazer com que sintamos vergonha de existir, medo de existir.
Eu sou branca (como vocês sabem), por isso nada sei sobre a luta de uma mulher negra, mas sou mulher... sei bem o que é ser mulher na nossa sociedade. E temo pelo que ser mulher nos tempos vindouros.

Diferentemente dos outros livros de poesia feminista que resenhei aqui (O que o sol faz com as flores e A princesa salva a si mesma neste livro), "Negra Nua Crua" é um pouco diferente, tem uma cadência diferente, mais ritmada.... e eu praticamente consegui visualizar cada poesia sendo declamada em um slam ou cantada na forma em um belo rap.
Abaixo apresento os trechos que mais me marcaram em cada uma das três partes que compõem e dão nome ao livro: Negra, Nua e Crua.

18 de outubro de 2018

Na Telinha ou na Telona... #138

Olá gente lindaaaa!
Vamos falar de coisa boa? Vamos falar de dorama bom?
A indicação de dorama da vez é "Wife I Know", também conhecido como "Familiar Wife" e "Knowing Wife", um k-drama sobre casamento, sobre destino, sobre... viagem no tempo. Isso mesmo, daquelas histórias cheias de reviravoltas ao estilo "efeito borboleta". Quem assistiu "Manhole" e "Go Back Couple" (e amou, assim como eu), com certeza vai amar "Wife I Know"
Ah, mas se você não assistiu a nenhum dos doramas citados, mas ficou babando na atuação de Ji Sung em "Kill Me, Heal Me" (em que ele interpreta SETE personalidades diferentes), com certeza não vai se decepcionar ao dar uma chance para o novo trabalho do autor (e já aproveito para indicar outros doramas em que ele arrasou: "Protect the Boss", "Secret", "Entertainer").
"Wife I Know" tem apenas 16 episódios, que foram exibidos de 1º de agosto a 20 de setembro de 2018 na emissora sul-coreana TvN.

Sinopse: O bancário Cha Joo Hyuk e a esposa dele, Seo Woo Jin, estão casados há cinco anos. Todos os dias, Cha Joo Hyuk lida com um chefe mandão no trabalho e quando chega em casa é recepcionado pela a esposa irritadiça. Ele anda cansado da velha rotina e começa a pensar em uma maneira de escapar disso. Um dia, Cha Joo Hyuk toma uma decisão que altera a vida dele para sempre. Não é apenas a vida do casal que muda, muda a vida do melhor amigo do Cha Joo Hyuk, Yoon Jong Hoo, e a vida do primeiro amor dele, Lee Hee Won, também. Com tudo mudado, ele se vê levando uma vida completamente diferente. Agora, Cha Joo Hyuk tem que decidir o que ele quer de verdade.

ELENCO PRINCIPAL:

- Ji Sung como Cha Joo Hyuk (funcionário de um banco, casado e pai de dois filhos; está infeliz no casamento e coloca a culpa disso na esposa);
- Han Ji Min como Seo Woo Jin (uma mulher casada que tenta o seu melhor para equilibrar entre carreira e a vida familiar. Ela é casada com Joo Hyuk há cinco anos e tem dois filhos);
- Kang Han Na como Lee Hye Won (primeiro amor de Cha Joo Hyuk; na época de faculdade era violoncelista);
- Jang Seung Jo como Yoon Joong Hoo (melhor amigo e colega de trabalho de Joo Hyuk. Sua vida é mudada completamente junto com Joo Hyuk devido a um incidente inesperado);
- Park Hee Von como Cha Joo Eun (irmão mais nova de Cha Joo Hyuk);
- Oh Eui Sik como Oh Sang Sik (amigo de Cha Joo Hyuk Yoon Joong Hoo).


Minha opinião: Amei! Amei! Amei!
Ah, eu já comentei que sou apaixonada por viagem no tempo? Já, né?! Pois bem, assim que li a sinopse de "Wife I Know" eu já tive certeza de que eu iria amar esse dorama. E não deu outra. 
A trama gira em torno de Cha Joo Hyuk um trabalhador comum, casado e pai de dois filhos pequenos. Ele se sente sobrecarregado, pressionado, estressado e etc. tanto no trabalho quanto em casa. Na verdade, em casa é ainda pior... a esposa, Seo Woo Jin, está sempre estressada, sempre de mal humor, sempre gritando. Ele mal consegue enxergar nela a mulher por quem se apaixonou doze anos atrás.
Woo Jin, por sua vez, se sente sobrecarregada pela jornada tripla, já que cuida da casa e dos filhos (sem a ajuda do marido, que só pensa em trabalho, que está sempre ausente...) e ainda trabalha fora. Mas é claro que Joo Hyuk não vê as coisas por esse ângulo e só consegue ver a esposa como um monstro. O monstro que faz de sua vida um inferno.
Certo dia, após ganhar umas moedas de 2006 (fabricadas em 2006) de um "maluco" no metrô, ele acaba voltando ao passado. Na primeira vez que isso acontece ele tem certeza que se trata apenas de um sonho, mas alguns detalhes acabam fazendo com que ele tente voltar no tempo mais uma vez. Vendo que não se trata de um sonho, ele toma uma decisão: vai mudar sua história! E faz exatamente isso, muda sua história... e muda de esposa.