17 de janeiro de 2022

RESENHA: Perfeitamente Inadequado

Editora: Planeta
Autor(a): Thays Lessa
Número de páginas: 208
Sinopse: Quando a mudança começa de dentro, o de fora também jamais será o mesmo INADEQUADA era a palavra que mais me descrevia. Desde muito cedo eu lutei contra a ideia do não pertencimento, de que eu não era suficiente, ou que eu tivesse vindo com defeito.
Usei várias "armas" para tentar lidar com esse sentimento. Muitas vezes corri para o distúrbio alimentar ou para as máscaras de camuflagem. Ninguém podia perceber que eu não era o que pensavam. Eu era a Thays, e por algum motivo eu achava isso um verdadeiro insulto.
Nesta longa (e acredito que quase eterna jornada), descobri na vulnerabilidade as ferramentas que me libertaram do medo da autenticidade e que me fizeram abraçar não só a mim, mas os inúmeros inadequados que existiam ao meu redor. Eu convido você a embarcar nessa viagem. Do outro lado do muro da insegurança existe um lugar novo para você: ser quem é!
Este livro é pra você que já sentiu que não pertencia a lugar algum. Pra você que por muitos dias e muitas noites rejeitou a própria essência por achar que não era suficiente. Pra você que foi calado pela comparação. Que foi rejeitado. Que já usou máscaras para camuflar sua identidade. Pra você que foi perfeitamente criado – da forma mais inadequada possível!

Olá gente lindaaaa!
A resenha de hoje (e, pasmem, a frequência das resenhas está aumentando. Glória a Deuxxx!) é de um livro simples, leve e, ao mesmo tempo, super necessário: "Perfeitamente Inadequado", de Thays Lessa. Conheci a Thays em 2019, por meio de um vídeo sobre as cinco linguagens do amor, postado em seu canal. Depois disso, assisti alguns vídeos com temas que julguei relevantes para mim. Lembro-me de ter achado interessante alguém tão jovem abordar temas tão necessários, tais como autocuidado, autenticidade, amor próprio, etc. 

Quanto ao livro, confesso que comprei esperando algo completamente diferente (poesia, talvez?), mas encontrei um livro leve, cheio de frases motivacionais e lembretes importantes, além de textos em que a autora explora suas próprias vivências e questões, as lutas e conflitos que teve ao longo da vida, como um percurso de autoconhecimento, digamos assim. 

"Se você pensa que ao se comparar você se coloca em um lugar de competição contra todos, está enganado, porque é uma competição contra a sua própria essência." (página 22)

27 de dezembro de 2021

RESENHA: O dilema do porco-espinho

Editora: Planeta
Autor(a): Leandro Karnal
Número de páginas: 192
Sinopse: O poeta Vinicius de Moraes cantava 'que é melhor se sofrer junto, que viver feliz sozinho”. Será? O historiador Leandro Karnal, um dos intelectuais brasileiros que, através de seus livros, palestras e vídeos, nos ajuda a pensar o mundo contemporâneo, discute uma questão presente na vida de todos: a solidão.
A partir de referências de filósofos e da própria Bíblia, de fatos históricos e de romances, ele faz uma reflexão sobre a natureza de viver só - por pouco ou muito tempo, estando ou não acompanhado. Apresenta como a solidão é encarada no cinema, na literatura, na música, nas artes. Mostra que ela pode ser iluminadora e como Deus se revela aos solitários. O mesmo Deus que, segundo Gêneses, teria dito: “Não é bom que o homem esteja só; farei para ele alguém que o auxilie e corresponda.” E expõe como se desenvolveu a tradição judaico-cristã da solidão.
Em O dilema do porco-espinho, Karnal viaja pela modernidade líquida e analisa a solidão no mundo virtual e o isolamento. Discute dos amigos imaginários criados pelas crianças aos pensamentos de alguns filósofos, como Aristóteles, que dizia que a solidão criava deuses e bestas. Como a solidão é um tema que sempre o acompanhou e, segundo revela o próprio Karnal, tem crescido na maturidade, o autor escreve este livro como um ensaio pessoal. Ao dividir suas meditações, o autor convida o leitor, durante o ato da leitura, a deixar a solidão de lado e compartilhar seus pensamentos também.

Olá gente lindaaaa!
Como eu tenho dito nas últimas postagens aqui do blog: quem é vivo, sempre aparece! E hoje eu "apareci" para fechar o ano com chave de ouro, trazendo a resenha de "O dilema do porco-espinho: como encarar a solidão", de Leandro Karnal, que me fez refletir sobre tantas coisas... 
Foram poucos livros lidos este ano, e menos ainda resenhados. Achei pertinente, então, que "O dilema do porco-espinho" fosse logo a última leitura (e resenha) do ano, já que trata de um assunto que faz (fez e/ou fará) parte da vida de todos nós, de um modo ou de outro.

25 de agosto de 2021

16 Livros Inspiradores - mybest Brasil

Olá gente lindaaaa!
Como vocês estão?

Passando para dividir com você um dia de glória dessa minha vida cheia de dias de lua (o drama tá on!). Recentemente eu recebi um convide da mybest Brasil para indicar para os leitores do site um livro inspirador. Eu aceitei sem pensar meia vez, óbvio.

A mybest Brasil é um site de recomendação de produtos que oferece guias ensinando como escolher diversos tipos de produtos, além de apresentar rankings dos melhores produtos e indicações de especialistas e influenciadores. Tô me achany, porque segundo essa descrição eu sou "especialista" ou "influenciadora". Agora me aguentem!

Bem, eu indiquei o livro "Jane Eyre", de Charlotte Brontê, porque mulheres fortes me inspiram e tanto Jane Eyre quanto a própria autora são dois belos exemplos de força feminina, né?!

"Eu me importo comigo. Quanto mais solitária, mais desprovida de amigos, mais sem amparo eu estiver, mais vou me respeitar." (página 370)

 Fiz uma breve resenha do livro lá no site, que vocês podem conferir clicando aqui (e uma resenha completinha aqui no blog, além de vários posts com minhas quotes favoritas do livro, que foi um dos títulos escolhidos na leitura coletiva do Amor por Clássicos).

Quotes

Além de mim, outros 15 produtores de conteúdo também foram convidados e indicaram livros incríveis (já adicionei vários a minha lista). A postagem foi publicada dia 23 de agosto e está imperdível!

Sigam a @mybest_brasil no Instagram, confiram a postagem com as 16 indicações de livros inspiradores e me contem o que acharam!

Beijos e amassos!!

28 de junho de 2021

RESENHA: A Noiva Fantasma

Editora: DarkSide Books
Autor(a): Yangsze Choo
Número de páginas: 360

Sinopse: Certa noite, meu pai me perguntou se eu gostaria de me tornar uma noiva fantasma...
1893. Li Lan é uma jovem que recebeu educação e cultura, mas que vive sem grandes perspectivas depois da falência de seus pais. Até surgir uma proposta capaz de mudar sua vida para sempre: casar-se com o herdeiro de uma família rica e poderosa. Há apenas um detalhe: seu noivo está morto.
A Noiva Fantasma é o surpreendente romance de estreia de Yangsze Choo, a escritora de ascendência oriental que está encantando fãs por todo o mundo.
Por mais fantásticas que pareçam, as noivas fantasmas ainda resistem até hoje em parte da cultura asiática. A prática, que chegou a ser banida por Mao Tsé-Tung durante a Revolução Cultural, foi muito frequente na China e na Malaia (hoje Malásia) no final do século XIX. O casamento era usado para tranquilizar um espírito inquieto, e garantir um lar e estabilidade para as mulheres que diziam sim a maridos já falecidos. É claro que elas tinham um preço alto a pagar, e com Li Lan não seria diferente.
Evocando obras como Lugar Nenhum, de Neil Gaiman, essa obra é uma história impressionante sobre o amor sobrenatural e sobre o amadurecimento, escrita por uma extraordinária nova voz da ficção contemporânea.
Olá gente lindaaaa!
Hoje vim terminar uma resenha que comecei a escrever (pasmem!) em maio de 2019. Algo errado não está certo.
Bem quem é meu leitor desde o início do blog sabe que a frequência de resenhas por aqui era outra, né?! Mas os últimos anos foram muitos instáveis no quesito "leitura". Masssss, hoje eu terminei de assistir "A Noiva Fantasma", uma série taiwanesa/malaia baseada no livro homônimo, e resolvi retomar esta resenha. 
A história é ambientada em Malaca, região da Ásia em que hoje é a Malásia, em 1893. A economia da região gira em torno do comércio, principalmente de especiarias, e ao longo na narrativa bastante descritiva da autora é possível conhecer um pouco da história do lugar, assim como as diferentes influências (inglesa, holandesa, portuguesa...), considerando todos os países que dominaram e exploraram a região, no período. 

4 de junho de 2021

10 doramas disponíveis na Netflix! (parte 3)

Olá gente lindaaaa!
Essa atualização demorou, mas saiu! Após mais de três anos (OMG!), finalmente resolvi apresentar mais uma lista com 10 indicações de doramas disponíveis na Netflix. Desta vez, a lista contém apenas doramas que eu já assisti & super recomento (e todos eles já foram resenhados aqui no blog). Espero que gostem!

1) Another Miss Oh

Sinopse: O que você faria se nunca conseguisse escapar da sombra de outra pessoa, homônima sua? Oh Hae Young (Seo Hyun Jin) trabalha como assistente administrativa em uma grande empresa de catering. Mas há uma “outra” Oh Hae Young (Jun Hye Bin), que vem causando confusões de identidade e sendo motivo de dor de cabeça para Hae Young durante toda a sua vida. Por capricho do destino, a outra Oh Hae Young também trabalha na mesma empresa, em um cargo de escalão superior. A outra Oh Hae Young também frequentou as mesmas escolas que Hae Young, e sempre foi considerada a mais bonita, inteligente e popular. Park Do Kyung (Eric Mun) trabalha como o principal diretor de som de uma produtora de cinema. Quando ele subitamente desenvolve a habilidade de prever o futuro, se vê envolvido com ambas as Oh Hae Youngs. O que acontecerá a Do Kyung e suas duas Oh Hae Youngs?
Gênero: Comédia, Romance, Família, Melodrama, Sobrenatural | Episódios: 18 | Ano: 2016 | RESENHA

31 de maio de 2021

RESENHA: Transformando garotas em monstros

Editora: Planeta
Autor(a): Amanda Lovelace
Número de páginas: 192

Sinopse: O novo livro de Amanda Lovelace, autora da série As mulheres tem uma espécie de magia
O que acontece quando o homem dos seus sonhos acaba sendo um pesadelo com dentes e garras afiadas?
Vencedora do Goodreads Choice Award de 2016 na categoria Melhor Poesia, Amanda Lovelace apresenta sua nova duologia ilustrada, Coisas que assombram. Nesta primeira parte, Transformando garotas em monstros, Lovelace explora a memória de estar em um relacionamento abusivo. Ela levanta a eterna pergunta: você pode se curar depois de ter sido marcada por um monstro ou sempre sentirá dor?


Olá gente lindaaa!!
Há duas semanas falei pra vocês sobre minhas impressões do livro "a voz da sereia volta neste livro", de Amanda Lovelace. Pois bem, hoje venho falar de mais um livro da autora: "Transformando garotas em monstro", primeiro volume da duologia "Coisas que assombram". Assim como os demais livros de Lovelace, o livro é dividido em partes: menino-monstro, menina-monstro e coração-solar.
Antes de ser publicado no formato físico por uma editora convencional, o livro foi postado na plataforma colaborativa de autopublicação Wattpad (que, inclusive, foi meu objeto de pesquisa na dissertação), com um título diferente "a poesia não vai torná-lo imortal". Ao que parece, as poesias reunidas neste livro foram inspiradas por um relacionamento da autora e pelas experiências e traumas decorrentes dele, o que explica o título original e a tentativa de não deixar o ex-parceiro com a bola muito cheia, né?! Mas, é aquele ditado , enquanto ele tá se achando, ela tá faturando. Acho é pouco! haha
Dentre os livros da autora que eu li, este foi o que eu menos gostei, com o qual eu menos me conectei, sabe? De algum modo, as poesias, em sua maioria, não falaram comigo, não me tocaram tanto quando as dos demais livros.
Embora a escrita da autora continue sento inteligente, certeira, ácida... não me identifiquei com a maioria das poesias, e, se pensar bem no tema e no conteúdo delas (relacionamento tóxico), pode ser uma bênção eu não ter me identificado. Mas no final, na terceira e última parte do livro, as poesias começam a ganhar um tom de esperança, fazendo referência a uma pessoa que chegou, sem pretensão, e além de curá-la de suas dores, também viu nela uma oportunidade de cura. Um final feliz, talvez? Em se tratando de Amanda Lovelace, nunca se sabe. 

Abaixo, como de costume, listo minhas poesias favoritas de cada parte do livro:

17 de maio de 2021

RESENHA: A voz da sereia volta neste livro (As mulheres têm uma espécie de magia #3)

Editora: Planeta
Autor(a): Amanda Lovelace
Número de páginas: 208

Sinopse: A sereia é conhecida por seu canto misterioso capaz de atrair marinheiros curiosos para a sua morte. No entanto, por trás desses mitos equivocados estão contos de escapismo e cura que Lovelace tece ao longo desta poderosa coletânea de poemas. Eles tentaram silenciá-la de uma vez por todas, mas a voz da sereia volta neste livro.
A voz da sereia volta neste livro é o terceiro e último volume da série as mulheres têm uma espécie de magia, da autora best-seller Amanda Lovelace. O livro conta com prefácio da escritora neozelandesa Lang Leav e treze poemas de autoras que representam as principais vozes contemporâneas da poesia, como Nikita Gill e KY Robinson.

Olá gente lindaaaa!
Como vocês estão, seus lindos?
Bem, quem acompanha o blog sabe que nos últimos anos eu não tenho estado muito presente, que as postagens não são tão frequentes por diversas razões diferentes (estudos, vida adulta, etc...). Então, acho que não causará muita estranheza se eu disser que hoje vim falar de um livro que li em novembro de 2019. Pois é, enrolei, enrolei, mas a resenha saiu. Tico e Teco que lutem pra lembrar da leitura!

"a voz da sereia volta neste livro", de Amanda Lovelace, é o terceiro e último livro da série "As mulheres têm uma espécie de magia" e, segundo minha opinião de leitora, um belo encerramento. Assim como os livros anteriores, o volume é dividido em quatro partes: o céu, o naufrágio, o canto, a sobrevivente.
Apesar de não ser o meu volume favorito da série, trata-se de um livro importante, relevante e inspirador. A autora, que nos volume anteriores da série, respectivamente "a princesa salva a si mesma neste livro" e "a bruxa não vai para a fogueira neste livro", tentou resumir sua histórias, suas vivências e suas feridas em poesias, finaliza a coletânea falando da coragem necessária para se desnudar, para dar voz aos traumas, medos e dores vividos em relações tóxicas e abusivas. Cita, ainda, como fonte de parte dessa coragem, o movimento #metoo, iniciado com a Tarana Burke, e revela: "talvez eu nunca esteja pronta para dizer o nome daqueles que me feriram, mas poder contar essas histórias tira um peso das minhas costas".