21 de fevereiro de 2021

RESENHA: meu corpo minha casa

Editora: Planeta
Autor(a): Rupi Kaur
Número de páginas: 192

Sinopse: A terceira coletânea de poesias de Rupi Kaur, maior fenômeno da poesia mundial nos últimos anos. Um dos temas mais frequentes na obra de Rupi Kaur é a importância que há em crescer e estar sempre em movimento. Em Meu corpo minha casa, ela leva leitoras e leitores a uma jornada de reflexão através da intimidade e dos sentimentos mais fortes, visitando o passado, o presente e o potencial que existe em nós. Os poemas dessa coletânea, ilustrada pela autora, inspiram uma conversa interna em cada um, lembrando que precisamos nos preencher de amor, de aceitação e de confiança em nossas relações familiares e de comunidade. E, sempre precisamos estar de braços abertos para as mudanças em nossas vidas.

Olá gente lindaaaaa!

Será que este ano teremos uma Amanda mais ativa por aqui? (se é que postar uma resenha por mês seja "ser ativa").
Que eu não leio mais como antes não é novidade para ninguém, e essa é razão por eu não me dedicar tanto ao blog (e este é um belo de um eufemismo), mas os livros da Rupi Kaur tem o poder de me reconectar com a leitura e me ajudam a relembrar os velhos tempos, quando eu pegava um livro para ler um capítulo e devorava.
"meu corpo minha casa" é o mais novo lançamento da autora, e antes dele vieram "outros jeitos de usar a boca" e "o que o sol faz com as flores". Assim como as coletâneas anteriores, o livro é dividido em partes, quatro para ser mais precisa: mente, coração, repouso e despertar.
Assim como nos livros anteriores, Rupi Kaur fala de forma sincera e crua sobre a dor de ser mulher, sobre nossas dores diárias em uma sociedade que nos aponta o dedo e nos faz sentir culpadas simplesmente por sermos o que/quem somos: mulheres. A autora nos abre os olhos para o fato de que a sociedade tenta nos diminuir porque, na verdade, teme o nosso poder.

14 de janeiro de 2021

RESENHA: A arte da imperfeição


Editora: Novo Conceito
Autor(a): Brené Brown
Número de páginas: 184

Sinopse: Este importante livro é sobre a jornada de uma vida, deixando de se preocupar com "O que os outros vão pensar?" e acreditando que "Eu sou suficiente".
A habilidade ímpar da autora em misturar pesquisa original com relatos faz com que a leitura de A Arte da Imperfeição pareça uma longa e animadora conversa com uma amiga muito sábia que oferece compaixão, sabedoria e ótimos conselhos.
A cada dia nos deparamos com uma enxurrada de imagens e mensagens da sociedade e da mídia nos dizendo quem, o que e como devemos ser.
Somos levados a acreditar que, se pudéssemos ter um olhar perfeito e levar uma vida perfeita, já não nos sentiríamos inadequados.
E se eu não posso manter todas essas bolas no ar? Por que não é todo mundo que trabalha duro e vive às minhas expectativas? O que as pessoas vão pensar se eu falhar ou desistir? Quando posso parar de provar a mim mesmo?
Em A Arte da Imperfeição, Brené Brown, Ph.D, é uma especialista em vergonha, autenticidade e compartilha a coragem que aprendeu em uma década de pesquisas sobre o poder de viver sinceramente.

Olá gente linda!!

É, eu seu que aparecer aqui depois de NOVE meses sem dar as caras é meio estranho (se pensar bem, parece o que aquele contatinho faz de vez em quando: dá aquele chá de sumiço, você sente falta, depois aceita a ausência - e agradece por ela - até que, algum tempo depois, o infeliz ressurge das cinzas e manda um "oi, sumida!"). Em minha defesa, adianto que vou fazer o que esse contatinho nunca fará: vou logo avisando que sim, provavelmente vou sumir de novo e só volto quando tiver um bom livro pra te indicar. Combinado?
Analogias e gracinhas à parte, tô aqui pra indicar o livro "A arte da imperfeição", da pesquisadora, escritora e professora Brené Brown, publicado pela Editora Novo Conceito, em 2012. E, sim, recebi o livro da editora no ano de seu lançamento, nove anos atrás. Na época, no entanto, meu foco estava na leitura de outros gêneros, principalmente romances (toda iludida ela), por isso não dei a devida atenção ao livro com "cara de auto-ajuda".

2 de abril de 2020

RESENHA: O Profeta

Editora: Planeta
Autor(a): Khalil Gibran
Número de páginas: 144

Sinopse: O clássico que já encantou mais de 100 milhões de leitores no mundo. Obra mais famosa de ficção espiritual do século XX, O profeta está enraizado na própria experiência de Khalil Gibran como um imigrante e serve de inspiração para qualquer um que se sinta a deriva em um mundo em fluxo.
O profeta Almustafa está prestes a embarcar em um navio para viajar de volta à sua terra natal depois de doze anos no exílio quando é parado por um grupo que pede a ele que compartilhe sua sabedoria antes de partir. Em vinte e oito ensaios poéticos, ele oferece insights profundos e  atemporais sobre aspectos da vida como amor, dor, amizade, família, beleza, religião, alegria, tristeza e morte.
Sucesso imediato quando publicado pela primeira vez em 1923, O profeta é um clássico moderno, tendo sido traduzido para mais de quarenta idiomas. A mensagem que transmite continua a tocar corações através das gerações. Esta edição é ilustrada com doze das famosas pinturas visionárias de Gibran e conta com um prefácio de Rupi Kaur.

Olá gente lindaaaa!
Hoje trouxe mais uma indicação de livro para vocês, e mais uma vez se trata de um livro pelo qual eu poderia nem me interessar tempos atrás. Mas a vida é assim... a gente vai ficando mais velho e se interessando cada vez mais por livros que nos façam refletir, pensar em aspectos abstratos da nossa vida que são tão indispensáveis. E "O Profeta" é um livro tão atual, tão certeiro e tão pertinente no momento que estamos vivendo, que resolvi compartilhar minhas impressões. Embora eu tenha finalizado a leitura no final de fevereiro, antes da pandemia, da quarentena (e da saudade...), hoje vejo que muito do que li nas poucas páginas dessa edição, é útil para nos fazer pensar e analisar o modo como temos vivido, o modo como temos dado valor (ou não) a tudo de essencial que nos rodeia. Acho que hoje, em isolamento social, sentindo medo e/ou preocupação por aqueles que amamos, essas coisas deixaram de ser vistas e tratadas de modo tão leviano e banal, né?! Nossa atual realidade fez com que voltássemos a olhar para dentro e, ao mesmo tempo, olhar para o outro.

Confesso que comprei o livro unica e exclusivamente por apresentar um prefácio de Rupi Kaur (O que o sol faz com as flores, Outros jeitos de usar a boca). E que pela surpresa foi me deparar com textos tão curtos capazes de dizer tanto, de fazer refletir tanto... exatamente como Kaur afirmou que aconteceria:
"Este livro não é recomendado só para quem ama poesia. É para qualquer pessoa que se pergunte qual é o sentido disso que chamamos de 'vida'." (página 11)

24 de janeiro de 2020

RESENHA: Prometo falhar

Editora: Novo Conceito
Autor(a): Pedro Chagas Freitas
Número de páginas: 400

Sinopse: Prometo Falhar é um livro que fala de amor. O amor dos amantes, o amor dos amigos, o amor da mãe pelo filho, do filho pela mãe, pelo pai, o amor que abala, que toca, que arrebata, que emociona, que descobre e encobre, que fere e cura, que prende e liberta. Em crônicas desconcertantes, Pedro convida o leitor a revisitar suas próprias impressões sobre os relacionamentos humanos. 

Olá gente lindaaa!
Olhem que ressuscitou! Eu mexxxxxma!
Eu não dou as caras por aqui desde agosto de 2019 (cinco meses, já!), mas na noite passada eu concluí a leitura de "Prometo falhar" e eu tinha que dividir essa experiência com vocês, indicar este livro e, confesso, matar um pouco a saudade de escrever.
Começo dizendo que "Prometo falhar" não foi um livro fácil pra mim, não foi uma leitura simples e confortável, não fluiu da mesma forma do começo ao fim, mas ainda assim me cativou a cada crônica.
Demorei cerca de um ano para concluir a leitura e isso se deve a diversas razões: andei estudando, vivendo, me dedicando a outras coisas e com um certo bloqueio para a leitura (sabe Deus o motivo). Além disso, prefiro acreditar que eu precisava terminar a leitura AGORA, após passar pelas experiências pelas quais passei em 2019, só assim eu consegui entender realmente a intensidade dos textos, pois após anos "adormecida", descobri-me igualmente intensa.

11 de agosto de 2019

LEITURA COLETIVA: O Corcunda de Notre-Dame, de Victor Hugo

Olá gente lindaaaa!
Mais uma vez venho convidá-los a participarem de uma #LeituraColetiva! E o livro da vez é "O Corcunda de Notre-Dame", também conhecido como "Notre-Dame de Paris", publicado originalmente em 1831. É clássico francês que você quer, arroba?

Assim como ocorreu com a #Leitura Coletiva de "O Fantasma da Ópera", as discussões sobre a leitura ocorrerão no grupo do Clube de Leitura - Amor por Clássicos.

PARA PARTICIPAR É BEM SIMPLES:
> Possuir (ou pegar emprestado na biblioteca, com um amigo, etc) um exemplar de "O Corcunda de Notre-Dame";
> Entrar no grupo do CLUBE DE LEITURA - AMOR POR CLÁSSICOS no Facebook (onde ocorrerão discussões semanais);
> Participar das discussões semanais sobre a leitura (para poder participar do sorteio do livro escolhido para a próxima leitura).

6 de junho de 2019

Na Telinha ou na Telona... #148

Olá gente lindaaaa!
Preparados para mais uma indicação de dorama?
A indicação da vez é "Dazzling" (Radiante), também conhecido como "The Light In Your Eyes", dorama sul-coreano exibido pela emissora JTBC de 11 de fevereiro a 19 de março de 2019.

Dei play em "Dazzling" esperando encontrar mais uma comédia romântica ou um romance sobre viagem no tempo e... fui completamente surpreendida. Uma vez eu ouvi que a depressão é o excesso de passado e que a ansiedade é o excesso de futuro... bem, é exatamente essa a mensagem que "Dazzling" nos passa.

Sinopse: Kim Hye Ja é uma mulher jovem e otimista que sonha em se tornar âncora em um programa de notícias na TV. Seus planos são desfeitos quando ela de repente vira uma mulher de 70 anos! Enquanto isso, Lee Joon Ha, quer se tornar um repórter. Ele trabalhou duro para realizar seu sonho, mas agora ele vive em uma realidade decepcionante. O que acontecerá quando se encontrarem e descobrirem o verdadeiro significado de tempo?
ELENCO PRINCIPAL:

- Han Ji Min como Kim Hye Ja (jovem de 25 anos que sonha em se tornar uma âncora de jornal, mas tem seu tempo roubado e acorda, de repente, com 70 anos de idade);
- Kim Hye Ja como Kim Hye Ja (versão idosa da nossa protagonista);
- Nam Joo Hyuk como Lee Joon Ha (jovem de 26 anos de idade, que apesar da vida sofrida, sonha em se tornar um reportes e cuidar melhor da avó);
- Son Ho Jun como Kim Young Soo (irmão de Hye Ja; um jovem imaturo que quer se tornar um youtuber famoso);
- Kim Ga Eun como Lee Hyun Joo (amiga de Hye Ja e ex-namorada de Ho Jun; ela trabalha no restaurante da família);
- Song Sang Eun como Yoon Sang Eun (amiga de Hye Ja; uma menina doce e romântica - que vê romance em tudo - e deseja ser uma cantora).

Minha opinião: Amei! Amei! Amei!!

Quando dei play em "Dazzling", não esperava mais do que uma comédia romântica sobre viagem no tempo. Quando li a sinopse, logo achei interessante a ideia de uma viajante do tempo que envelhece da noite para o dia e.... até certo ponto do dorama foi isso mesmo que aconteceu. Eu só não estava preparada para tantos plot twists que me deixaram: "Wtf, man?".
Kim Hye Ja tem 25 anos e está insatisfeita com sua vida. Ela não tem verdadeiramente um sonho, mas diz há tanto tempo que quer ser uma âncora de jornal, que agora não sabe como dizer que não tem mais certeza sobre esse "sonho". Seus colegas de faculdade parecem ter tido algum sucesso e dado um romo a suas vidas, mas Hye Ja parece a única parada no tempo, ainda vivendo com os pais, ainda sem emprego, ainda sem perspectivas (se eu me identifiquei? Imagina!).

9 de maio de 2019

Na Telinha ou na Telona... #147

Olá gente lindaaaaa!
A indicação de dorama de hoje é muito especial, pois reúne duas das minhas grande paixões: doramas e livros. Estou falando de "Romance is a Bonus Book" (Romance é um Livro Bônus), também conhecido como "Romance is a Supplement", disponível na dona Netflix, para nooooossa alegriaaaa!

Estrelado pelo nosso queridinho Lee Jong Suk (Pinocchio, W: Two Worlds, While You Were Sleeping), "Romance is a Bonus Book" foi ao ar de 26 de janeiro a 17 de março de 2019, pela emissora do meu coração, tvN. Ou seja, praticamente recém saído do forno.

Sinopse: Cha Eun Ho é um autor de sucesso e editor sênior de uma editora de livros. Kang Dan-i é uma mãe e ex-executiva de publicidade de sucesso. Quando Cha Eun Ho era criança, Kang Dan-i salvou-o de um acidente e ficou ferido. Cha Eun Ho a ajudou a se recuperar e eles têm sido amigos íntimos desde então. Quando Kang Dan-i passa por uma grande mudança de vida e tenta entrar novamente no mundo profissional, suas vidas se tornam ainda mais conectadas. Eles enfrentam desafios pessoais e profissionais à medida que começam a perceber seus verdadeiros sentimentos um pelo outro.

ELENCO PRINCIPAL:

- Lee Na Young como Kang Dan-i (37 anos; ex-redatora de sucesso, com vário prêmios na área de marketing; atualmente divorciada, com uma filha de 10 anos e sem ter onde morar);
- Lee Jong Suk como Cha Eun Ho (32 anos; um escritor brilhante e editor-chefe de uma grande editora);
- Jung Yoo Jin como Song Hae Rin (29 anos; editora de desenvolvimento de conteúdo principal da editora; apaixonada por Eun Ho);
- Wi Ha Joon as Ji Seo Joon (29 anos; designer de livros freelancer).

Minha opinião: Amei! Amei! Amei!!
Quando dei play em "Romance is a Bonus Book" eu já sabia que seria um dorama incrível por dois motivos: 
1) Lee Jong Suk (óbvio!); 
2) a emissora (tvN).
Sério, essa combinação não tinha como dar errado. E não deu. Mas qual não foi minha surpresa ao notar, logo no primeiro episódio que quem roubaria a cena e faria toda a diferença na história era, na verdade, Kang Dan-i (interpretada por Lee Na Young). Esse é o primeiro trabalho da atriz que eu tenho a chance de assistir, mas posso dizer que ela foi incrível! É girl power que você quer, arroba? Kang Da-i tem de sobra!
Kang Dan-i é uma mulher de quase 40 anos que está passando pelo pior momento de sua vida: após ser traída e abandonada pelo marido com quem foi casada por doze anos, ela se vê tendo de sobreviver e cuidar da filha de dez anos sozinha. A filha está em um colégio interno fora do país, porque lá o ensino é mais barato, e Dan-i está se desdobrando para se recolocar no mercado de trabalho, enquanto vive clandestinamente em sua antiga casa, que foi vendida e está prestes a ser demolida (além de não possuir energia elétrica ou água encanada). Sua única renda atual é o que ela ganha limpando a casa de seu melhor amigo, um famoso escritor e editor chefe de uma grande editora, Cha Eun Ho. Acontece que Eun Ho não apenas não faz ideia de que quem limpa sua cada é Dan-i (e não alguém indicado por ela), mas também não tem a mínima ideia do que se passa na vida dela, nem ao menos que ela passou por um processo de divórcio há cerca de um ano. Isso acontece porque Dan-i decide enfrentar tudo sozinha, pois acredita que ela é a única responsável por si mesma e pelo que acontece em sua vida, portando deve se responsabilizar por suas escolhas.