13 de julho de 2017

Na Telinha ou na Telona... #89

Olá gente lindaaaa!
Hoje vim falar de um dorama policial que comecei a assistir assim que estreou e fiquei surtando a cada episódio. Estou falando de "Tunnel" (Túnel), que mescla viagem no tempo, investigação policial, assassinatos em série e tudo mais que vai te prender do começo ao fim. Não assistia algo do gênero desde "Love me if you dare" e posso dizer que é tiro atrás de tiro. Uma boa opção para maratona. Sério.
"Tunnel" foi ao ar entre 25 de março e 21 de maio de 2017, pelo canal sul-coreano de televisão OCN.

Sinopse: Quando um investigador persegue um criminoso em um túnel, ele acaba indo parar trinta anos no futuro, em um mundo onde nada lhe é familiar, exceto um assassino. 
No ano de 1986, Park Kwang Ho (Choi Jin Hyuk) é um apaixonado e antiquado investigador. Ele faz qualquer coisa para capturar criminosos, até mesmo amizade com cúmplices. Ele faz de tudo para que a lei seja aplicada, ele pensa com seus punhos e não tem tempo para ser politicamente correto. Em uma noite de perseguição, o investigador está na cola de um criminoso e entra em um túnel, porém, ao final da perseguição, o criminoso some e ele se vê no ano de 2017, onde os assassinatos começaram novamente. 

ELENCO PRINCIPAL:

- Choi Jin Hyuk como Park Kwang Ho (investigador de polícia dos anos 1980; ele está trabalhando em um caso de assassinato em série - em uma época em que isso ainda nem era conhecido -, mas ao tentar capturar um suspeito, é transportado para o ano de 2017);
- Lee Yoo Young como Shin Jae Yi (misteriosa psiquiátrica que trabalha como professora universitária em 2017; ela é especialista em mulheres assassinas. Passa a ajudar a polícia na investigação de alguns crimes de assassinato, tentando identificar o modus operandi e traçar a personalidade de assassinos);
- Yoon Hyun Min como Kim Sun Jae (tenente de polícia - em 2017 -, que não se perdoa por ter deixado um assassino em série escapar. Seu maior objetivo é colocar esse assassino atrás das grades, pois ele acredita se tratar do assassino de sua mãe);
- Jo Hee Bong como Jun Sung Sik (Chefe de polícia que na década de 1980 foi um novato que auxiliava o invertigador  Park Kwang Ho);
- Kim Min Sang como Mok Jin Woo (médico legista que trabalha para a polícia).


Minha opinião: Amei!!
Bem, quem acompanha o blog e as indicações de dorama que tem por aqui, já deve ter percebido que histórias de suspense, investigação e etc não são as mais frequentes, mas assim que "Tunnel" estreou e eu comecei a ver com frequência algumas postagens sobre ele em grupos no Facebook, eu logo fiquei curiosa. Só me arrependo de ter começado a assistir antes de o dorama estar completo, pois foi uma angústia sem fim ficar aguardando os episódios semanais.
O ano é 1986 e vários assassinatos semelhantes tem acontecido. As vítimas, sempre mulheres, são encontradas amordaçadas, com mãos e pés amarrados e sinal de enforcamento. Várias são as semelhanças entre as vítimas, dentre elas o fato de serem jovem, usarem saias. Além, é claro, do fato de serem estranguladas com uma meia-calça.
É importante observar que esse dorama (assim como tantos outros) é baseado em um caso real ocorrido na década de 1980, em que o assassino nunca foi encontrado.

Nessa época ainda não existia, pelo menos não na Coréia, casos de assassinato em série, por isso demorou um pouco para que a hipótese de que todas as mulheres encontradas mortas eram vítimas do mesmo assassino.
O investigador responsável pelo caso é Park Kwang Ho, que deseja desesperadamente pegar o(s) culpado(s) e evitar que haja mais vítimas. 
Em meio há várias hipóteses, dentre elas a de que seja um único assassino (embora Kwang Ho não consiga convencer seu superior e os demais envolvidos na investigação), o investigador acredita que o criminoso pode voltar à cena do crime, por isso resolve ir aonde o último corpo foi encontrado.
É a partir daí que as coisas ficam ainda melhores (embora o primeiro episódio já seja SENSACIONAL): Kwang Ho de fato encontra o assassino na cena do crime, um túnel escuro, mas ao persegui-lo, acaba sendo atacado e... simplesmente acorda no ano de 2017, trinta anos no futuro. 
Isso mesmo, mais um dorama com viagem no Temo. A-D-O-R-O!
Ainda sem saber que está no futuro, Kwang Ho vai direto pra delegacia em que trabalha(va), e lá encontra o tenente Kim Sun Jae, e é uma das cenas mais divertidas do dorama.
Ao descobrir que ele foi parar no futuro, ele tenta voltar para casa por onde veio, pelo túnel, mas nada acontece. Ele acredita que só será capaz de voltar quando resolver o crime de 30 anos atrás, os vários assassinatos dos quais poucas pessoas se lembram e dos quais não há registro algum por conta de um incêndio ocorrido anos atrás.
Além de precisar esconder o fato de ser do passado, de ter que se adaptar à nova realidade e à nova sociedade (e usar a identidade de um homônimo, que coincidentemente iria começar a trabalhar na delegacia no mesmo dia em que ele aparecem em 2017). Eu adorei esse investigador ranzinza e brigão, sem contar que foi ótimo rever o ator Choi Jin Hyuk nas telinhas (já o vi em "Gu Family Book", "The Heirs" e "Emergency Couple"), já que se trata de seu primeiro dorama após o serviço militar. 
Com o passar dos episódios, sabemos que os assassinatos ocorridos 30 anos antes, no tempo de Kwang Ho são praticamente desconhecidos, já que não há registros. No entanto, pouco tempo após a chegada do nosso protagonista, assassinatos semelhantes voltam a acontecer.
E... gente, é adrenalina que não acaba mais. A dupla improvável formada por Kwang Ho e o tenente Kim Sun Jae, com a ajuda da professora de psicologia Shin Jae Yi (que dá arrepios só com um olhar) passa a tentar desvendar esses assassinatos e outros caso que vão acontecendo ao longo do episódios.
Aos poucos vamos vendo a ligação entre os personagens, por exemplo, o chefe de polícia de 2017 era o novato que auxiliava Kwang Ho no passado. A cada episódio uma nova surpresa, uma nova bomba.
Em meio a tensão constante, somos agraciados com algumas cenas leves e engraçadas protagonizadas pela dupla de investigadores, já que Kwang Ho está sempre tentando se adequar às tecnologias e era acostumado a usar os punhos sem pensar nas consequências. 
Além disso, acompanhamos o sofrimento do protagonista e sua incerteza sobre um modo de voltar ao passado, para sua esposa grávida na década de 1980.
Toda a equipe policial é um ingrediente a mais, e posso dizer que me apeguei a cada um deles, mesmo aos mais secundários. Vou sentir saudades da relação de companheirismo entre eles. Amei, amei, amei o modo como tudo estava interligado.
Como eu disse, não costumo assistir doramas desse gênero com frequência, por isso não sei dizer se todo mundo ficou tão surpreendido a cada episódio como eu fiquei, mas posso dizer que em nenhum momento "Tunnel" me pareceu previsível, forçado ou enrolado.
E, claro, em vários momento me peguei xingando até mesmo os protagonistas por tomarem certas decisões (#quemnunca), mas amei cada episódio. Mesmo. E achei o final sensacional. Senti falta de uma coisinha, mas ainda assim terminei o dorama com lágrimas nos olhos.
Assistam "Tunnel" e se preparem para uma reviravolta a cada episódio, preparem-se para ver tudo mudando de rumo o tempo todo e ficar criando mil teorias mirabolantes episódio após episódio. É uma agonia viciante. 

Quanto a trilha sonora, por se tratar de um thriller, eles investem mesmo é no silêncio pesado e tenso, por isso só há uma música: Circle of Life (JK Kim Dong Wook).

Os 16 episódios estão disponíveis no Drama Fever (para usuários Premium), no Viki e no Kingdom Fansubs.

***
Espero que vocês gostem!!

Beijos e amassos!!

Nenhum comentário

Postar um comentário

Adoro saber a sua opinião. ^^ Deixe um recadinho com sua sugestão e faça uma blogueira feliz! :)