7 de agosto de 2017

RESENHA: Hoje eu sou Alice

Editora: Larousse do Brasil
Autor(a): Alice Jamieson
Número de páginas: 336

Sinopse: Nove Personalidades, Uma Mente Torturada.
Em 'Hoje eu sou Alice' a autora relata a jornada de uma vítima de transtorno de múltipla personalidade, que precisou lutar contra a anorexia, o álcool e contra nove personalidades alternativas que emergiram após ficarem adormecidas diante de uma infância cruel. Sem controle, Alice entregou-se a elas - e sua vida passou a ser um caleidoscópio de acontecimentos e revelações. Este é o relato sobre uma doença e sobre a história de uma mulher que decidiu lutar contra a realidade e a imaginação.

Olá gente lindaaa!
Hoje eu finalmente vim falar sobre o que eu achei do livro "Hoje eu sou Alice", que conta a história de Alice Jamieson, que aos 24 anos é diagnosticada com Transtorno de Múltipla Personalidade, mas que, antes disso, passou uma vida de sofrimento sem saber por que era tão diferente.
E, devo dizer que o livro já chega com "os dois pés no peito" do leitor com a seguinte epígrafe, trecho de "A Balada do Velho Marinheiro", de Samuel Taylr Coleridge:
"Desde então, a uma hora incerta,
Aquela agonia retorna,
E até que minha história medonha seja contada
Este meu coração queimará"
Eu me interessei por esse livro após assistir ao dorama coreano "Kill me, Heal me", cujo protagonista também sofre de Transtorno de Múltipla Personalidade, mas ao iniciar a leitura de "Hoje eu sou Alice", eu já soube que "o buraco era mais embaixo". Mais do que contar ao leitor sobre como foi sua vida antes e depois do diagnóstico, ela nos apresenta DETALHADA E LONGAMENTE as causas desse transtorno e o sofrimento muito maior que o próprio transtorno: seu passado, suas memórias... aquilo que tratamento nenhum é capaz de apagar.
"Tenho personalidades alternativas que se manifestam inesperada e aleatoriamente, mudando meu comportamento, minha voz e minha idade. Tenho brancos, perco tempo e me perco." (página 13)
Como eu comentei nas postagem que fiz sobre minhas primeiras impressões desse livro (AQUI), já na primeira página a autora deixa claro que não medirá palavras ou fará modalizações para suavizar sua realidade ou não chocar o leitor. As verdades nuas e cruas serão ditas desta forma.

"Eu estava sempre visualizando a imagem de um homem entrando no meu quarto e tirando as minhas roupas no meio da noite, percorrendo meu corpo com suas mãos, afastando meus braços, me tocando em lugares que não deveria. De manhã, enquanto minha visão ainda se adaptava à luz, eu tinha visões fragmentadas, malformadas, que eram tão repugnantes que me faziam correr para o chuveiro a fim de queimá-las debaixo da água quente e eliminá-las do meu cérebro." (página 30)
Posso dizer que ler "Hoje eu sou Alice" é como levar um tapa na cara ou um soco no estômago a cada página, e cheguei a sentir um desconforto físico durante a leitura. A descrição das memórias de Alice são coisas inimagináveis, são assustadoras e revoltantes... E o pior de tudo é que não tem nem como o leitor imaginar ou esperar um final feliz, um desfecho satisfatória ou algo nesse sentido, pois que final feliz é possível para alguém que sofreu abusos sexual, físico e emocional desde os seis meses de idade, dentro da própria casa, sendo vítima do próprio pai, aquele que deveria protegê-la?
"Eu corria, passava fome, lavava, estudava, eternamente tentando sufocar as coisas horrendas que não podia colocar em palavras." (página 51)
E, após anos recebendo diagnósticos como psicose e esquizofrenia, tomar diversos medicamentos para tentar abafar as várias vozes em sua cabeça, e até mesmo ser internada em hospitais psiquiátricos, Alice finalmente recebe o diagnóstico correto e, apesar de sentir u alívio por compreender o motivo de ser diferente, o tratamento envolve desenterrar memórias que cada uma de suas personalidades alternativas guarda. Ou seja, a causa de seus transtorno foram aterrorizante, mas o ratamento consiste em reviver cada uma das atrocidades cometidas pelo pai. O sofrimento de Alice não tem fim.
"De fato, havia algo errado comigo - e eu sabia o que era: eu era várias pessoas ao mesmo tempo." (página 268)
Porém, com o diagnóstico correto, cada uma das personalidades foram se manifestando e fazendo sentido. Cada uma delas surgiu em um determinado momento da vida de Alice em que ela não conseguiria lidar com sua própria realidade, então temos Alice (de seis meses de idade), Billy (de 5 anos), Samuel (de 6 anos), Eliza, a filha do Demônio (de 7 anos), JJ (de 10 anos), Shirley (de 14 anos), Kato (de 16 anos)... e assim por diante.
"Mecanismos de defesa nos fazem projetar a nós mesmos, desligando-nos da ansiedade, do trauma, e da inaptidão social. Eles tornam a realidade tolerável e permitem que tenhamos um porto seguro para o qual podemos fugir de situações difíceis e das pessoas. Todos usam mecanismos de defesa - eu com certeza uso." (pagina 206)
Sem contar que, por conta dessas memórias que a perseguiram durante toda a infância e adolescência, sem que ela tivesse certeza se eram memórias ou uma imaginação obscena e sexualizada de uma mente pervertida, ela sofreu de anorexia, bulimia, alcoolismo e vício em drogas...
"No todo, já tive cerca de cem overdoses e precisei de quinhentos pontos nos braços: chamamos essas marcas de cicatrizes de batalhas. Sobrevivi a essas batalhas, o que uma pessoa religiosa provavelmente chamaria de milagre." (página 283)
***
"Hoje eu sou Alice", além de ser uma descrição crua de um transtorno mental causado por um grande trauma na infância, que faz com que diferentes personalidades sejam criadas para que cada qual lide com determinada situação, é também um exemplo da podridão do ser humano, do quão cruel uma pessoa pode ser e do quão injusta a justiça pode ser, do quanto assuntos como abuso infantil, violência contra a mulher devem ser amplamente e seriamente discutidos, em vez de serem ignorados ou jogado para debaixo do tapete.
Não me sinto confortável ao dar 5 estralas ao livro, pois a história de Alice não merece 5 estrelas, nenhuma história sofrida dessas merece uma nota máxima de contentamento. Mas sua superação, tudo o que faz dela uma verdadeira sobrevivente, merece 1000 estrelas.

Classificação: 

***
Espero que gostem!!

Beijos e amassos!!

2 comentários

  1. Oi, onde você encontrou este livro? Há tempos que procuro, mas só encontrei em sebos ou livro digital. Queria muito um novo. beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, tudo bem?
      Acho que é impossível encontrar esse livro novo, viu?! A tiragem não deve ter sido muito grande por não se tratar de um livro muito comercial. Também comprei usado de um usuário do Skoob, mas estava muito bem conservado.

      Beijos!

      Excluir

Adoro saber a sua opinião. ^^ Deixe um recadinho com sua sugestão e faça uma blogueira feliz! :)