30 de dezembro de 2013

RESENHA: Paixão sem Limites

Editora: Arqueiro
Autor(a): Abbi Glines
Número de Páginas: 192

Sinopse: Blaire Wynn não teve uma adolescência normal. Ela passou os últimos três anos cuidando da mãe doente. Após a sua morte, Blaire foi obrigada a vender a casa da família no Alabama para arcar com as despesas médicas. Agora, aos 19 anos, está sozinha e sem lugar para ficar. Então não tem outra escolha senão pedir ajuda ao pai que as abandonara. Ao chegar a Rosemary, na Flórida, ela se depara com uma mansão à beira-mar e um mundo de luxo completamente diferente do seu. Para piorar, o pai viajou com a nova esposa para Paris, deixando Blaire ali sozinha com o filho dela, que não parece nada satisfeito com a chegada da irmã postiça. Rush Finlay é filho da madrasta de Blaire com um famoso astro do rock. Ele tem 24 anos, é lindo, rico, charmoso e parece ter o mundo inteiro a seus pés. Extremamente sexy, orgulha-se de levar várias garotas para a cama e dispensá-las no dia seguinte. Blaire sabe que deve ficar longe dele, mas não consegue evitar a atração que sente, ainda mais quando ele começa a dar sinais de que sente a mesma coisa. Convivendo sob o mesmo teto, eles acabam se entregando a uma paixão proibida, sobre a qual não têm nenhum controle. Mas Rush guarda um segredo que Blaire não deve descobrir e que pode mudar para sempre as suas vidas.
Olá gente lindaaaaa!
Aproveitando que meu ritmo de leitura está a todo vapor, aproveitei para ler "Paixão sem Limites", já que recebi o livro já há algum tempo da editora.Trata-se do primeiro livro de uma série do gênero New Adult e, o segundo volume será lançado já no início de 2014. ^^

Bem, como a maioria dos livros desse gênero, os principais ingredientes estão presentes em Paixão sem Limites: o badboy suuuuper gato, a mocinha sofredora, tensão sexual e algo que impede o casal de ficar junto.
Blaire, com apenas 19 anos, acaba de perder a mãe após três anos de luta contra o câncer. Como o pai as abandora cinco anos antes, Braire precisou cuidar da mãe sozinha e, mesmo após sua morte, teve que arcar com todos os custos médicos sozinha e, para isso precisou vender o único bem que tinham, a casa herdada da avó.
Assim, além de órfã, Blaire não tem onde morar. Por isso, apesar da mágoa por seu pai não ter se importado com sua mãe nos anos de doença e de nem ao menos ter aparecido no funeral, é inevitável recorrer à ela agora. Precisando de um lugar pra ficar até encontrar um emprego, Blaire viaja até a Flórida para a casa da nova família do pai.
"Olhei para a imensa casa de três andares situada bem em cima da areia branca da praia de Rosemary, na Flórida. Aquela era a nova casa do meu pai. Sua nova família. Eu não iria me encaixar ali." (página 7)
Porém, ao chegar ao endereço indicado por seu pai ela se depara com uma mansão em plena festa. Não bastasse chegar num horário inapropriado, seu pai está em paris com sua nova esposa e a julgar pela hostilidade com que sei meio irmão Rush a tratou, será difícil conviver com ele até a volta de seu pai. O que ela tem a fazer é encontrar um emprego o mais rápido possível e dar no pé. Mas..... eu avisei antes, o casa é um badboy irresistível e, mesmo presenciando situações um tanto hots do meio irmão com Deus e o mundo, Blaire se sente cada dia mais atraída por ele. Ele, porém, deixou claro que não acontecerá entre eles. Claro que ele tem seus motivos, mas o leitor só tem conhecimento bem no final do livro, embora possa desconfiar de algumas coisas...
"Rush estendeu a mão e enrolou uma mecha dos meus cabelos no dedo.
- Você não quer me conhecer. Talvez ache que quer, mas não quer. Juro que não." (página 38)
É aí que começa uma série de situações e detalhezinhos que me desagradaram um pouco em relação a história: primeiro, os diálogos calientes que, na verdade são vulgares, repetitivos e ... a meu ver não deixariam uma virgem inocente atraída, ok, um pouco atraída, mas receosa também, do tipo "o perigo me atrai" ou algo do tipo; segundo, sendo virgem, eu não estaria louca para perder a virgindade com um cara que acabei de conhecer, principalmente levando-se em conta a situação em si, tendo perdido a única pessoa da família, a mãe há apenas um mês. Acho que as coisas acontecem muito rápido.... alguns dias após conhecer Rush, Blaire quase não se segura de atração.... a entrega é vapt-vupt. Claro que é preciso considerar a carência de Blaire por conta de sua perda recente e de todas as anteriores.
"Até que ele estava sendo educado. Pelo menos não estava me evitando. Por mais bobo que parecesse, eu queria a sua atenção. Sentia uma atração por ele que não conseguia explicar. Quanto mais ele mantinha distância, mais eu queria me aproximar." (página 41)
****
Vou ser sincera, gostei da história, mas achei os acontecimentos muito rápidos e as personagens um pouco superficiais demais. O livro é super fino, talvez se houvesse umas 50 páginas a mais dedicadas a construção das personagens, a descrição de situações ou a lentidão dos acontecimentos, a história teria me agradado mais. Porém, não posso negar que Rush é um personagem no mínimo hot e, por isso instigante. Sabe aquele efeito Christian Gray, você sabe que é melhor manter distância, mas a curiosidade faz o oposto? Então, acontece mais  ou menos isso, mas ainda assim não justifica a rapidez com que as coisas desenrolam e o comportamento 'desesperado' de Blaire.
Entretanto, acredito que o final do livro cumpriu bem a função de primeiro livro da série: me deixou curiosa em relação a sequência. ^^

Classificação:

***
Espero que gostem!!

Beijos e amassos!!

Nenhum comentário

Postar um comentário

Adoro saber a sua opinião. ^^ Deixe um recadinho com sua sugestão e faça uma blogueira feliz! :)