8 de abril de 2013

RESENHA: Reiniciados

Editora: Farol Literário
Autor(a): Teri Terry
Número de Páginas: 430

Sinopse: As lembranças de Kyla foram apagadas, sua personalidade foi varrida e suas memórias estão perdidas para sempre. Ela foi reiniciada. Kyla pode ter sido uma criminosa, terrorista e está ganhando uma segunda chance do governo, só que agora ela terá que obedecer as regras deles. Eles lhe deram uma nova identidade, uma nova família e disseram para ela ser grata pois ela não merecia essa segunda chance. Ela não pode cometer erros, eles estão observando e essa é sua última chance.
A medida que se ajusta a sua nova vida Kyla é tomada pelo medo. Quem realmente ela é? E se apenas criminosos são reiniciados porque há tantas pessoas comuns, inocentes desaparecendo sem deixar rastros? Kyla está dividida entre a necessidade de saber e o instinto de auto preservação. Ela sabe que um jogo perigoso está sendo feito com sua vida. Ecos do passado sussurram em sua mente. Alguém está mentindo para ela, e nada é o que parece ser. Em quem Kyla poderá confiar em sua busca pela verdade?
Olá gente lindaaaa!!!
Como vocês sabe, recebi a prova do livro "Reiniciados" da Farol Literário e, devo dizer que o livro foi uma surpresa. Uma distopia diferente das que eu havia lido até então, mas um "Q" de todas as outras. Dá pra entender? A protagonista Kyla é uma mistura de Lena (Delírio) e Préssia (Puros) e, ao final d livro, no final mesmo, nas últimas páginas, ela mostra que também tem um pouco de Juliette (Estilhaça-me). Ok, ok, é chato ficar fazendo comparações, mas foi inevitável: ela tem a força de Préssia, a 'lerdeza' (em alguns momentos) de Lena e 'poderes' de Juliette (com a diferença de que ela pode ser tocada hehe).

O ano é 2055.  O país está nas mãos da Colisão Central e, todo aquele que não segue as regras deve ser reiniciado.
Kyla tem dezesseis anos e foi reiniciada há onze meses. Reiniciada? Como assim?
Bem, até os dezesseis anos, qualquer adolescente que, de alguma forma, tenha feito algum ruim perante a sociedade (ou ter ido contra o que é imposto por ela), ao invés de ser preso ou punido, recebe uma "segunda chance" de viver em sociedade: eles são reiniciados, na mais verdadeira essência da palavras. Eles são privados de toda e qualquer lembrança de sua vida anterior. Têm suas experiências e recordações apagados para sempre e têm de começar do zero. Eles esquecem até algo simples como andar e falar e se tornam "bebês" nesses aspectos. Esses jovens reiniciados ficam cerca de seis meses no hospital aprendendo coisas simples como andar e falar, mas também tendo aulas 'escolares', digamos assim. Porém, por conta de seus pesadelos, Kyla fica onze meses nesse hospital. Kyla é diferente.
"Posso ter dezesseis anos, não ser lenta, ou retardada, nem ter sido trancada num armário desde o nascimento - até onde eu saiba -, mas ser transformada numa Reiniciada faz isso com você. Deixa a pessoa vazia de experiências." (página 9)
Cada reiniciado tem um Nivo no pulso, um tipo de relógio que não marca as horas. Marca os níveis de felicidade. A média é entre 4 e 5 e, se os níveis caem por tristeza, medo ou raiva, a pessoa desmaia.
Kyla ficou um período maior no hospital, pois por conta de seus pesadelos, seus níveis sempre despencam. Porém ainda assim, é chegado o dia de Kyla ir para casa.
Funciona meio que uma adoção. Cada reiniciado sabe que passados os meses necessários, eles serão buscados por uma família no hospital. Pessoas a quem chamarão de "Mãe" e "Pai", mas que na realidade, não têm parentesco nenhum.
Mesmo em sua nova casa, com sua nova família, Kyla não consegue se livrar dos pesadelos. Ela nem consegue dizer se são mesmo simples pesadelos ou se são lembranças. Sem contar que, ela se vê fazendo coisas que não se lembra de ter aprendido, como desenhar com a mão esquerda (ainda melhor do que com a mão direita) e dirigir. Essas habilidades não deveria ter sido apagadas de sua memória? Kyla é diferente.
"Doutora Lysander havia me perguntado muitas vezes por que tenho compulsão em observar e saber tudo, memorizar e mapear todo relacionamento e ponto de vista.
Não sei. Talvez eu não goste de me sentir em branco. Há tantos detalhes perdidos, que precisam ser organizados."
(página 20)
Nenhum reiniciado questiona. Nenhum reiniciado acha estranho o fato de algumas pessoas desaparecerem. Nenhum reiniciado parece se incomodar com os malditos níveis. Mas.... Kyla é diferente.
E, ao longo de sua convivência com a família e principalmente no colégio, com outros reiniciados e com pessoas comuns, Kyla percebe que é difícil saber em quem pode confiar. Um sorriso pode não significar simpatia e uma bronca pode mesmo ser por pura preocupação.
"Ela se levanta e vai até a porta, depois se vira.
- Ah, Kyla? Aquele desenho do Ben estava lindo. Eu o encontrei junto com os outros ontem a noite. Sinto muito, mas tive de destruí-los - ela fecha a porta."
(página 391)
*****
Se eu gostei? Sim, adorei. Mas, fiquei um pouco confusa nas últimas páginas. Kyla finalmente consegue derrubar os tijolos de sua mente, mas.... a forma como as coisas são expostas só serão explicadas no próximo livro. O que me deixou frustrada. O livro prende a atenção do início ao fim. Kyla é irritante algumas vezes, mas aí você se lembra de que ela é quase uma página em branco e acaba perdoando. Assim como Ben e os outros reiniciados. Muitos outros personagens parecem suspeitos. O pai de Kyla é o que mais me deixa com a pulga atrás da orelha e, mal posso esperar para ler a sequência e saber se minhas suspeitas têm fundamento.
Não sei se será uma trilogia ou uma série, mas o segundo volume já foi lançado no exterior com o título "Fractured" (fraturado). Super recomendo.

Classificação:

***
Espero que gostem!!

Beijos e amassos!!

5 comentários

  1. Parece ser um ótimo livro, a capa é bem intrigante.

    ResponderExcluir
  2. Esse livro me ganhou, estou com muita vontade de lê-lo.

    some-fantastic-books.com

    ResponderExcluir
  3. adorei as suas comparações hahaha
    as 3 personagens que você citou eu adoro, então Kyla deve ser ótima *-*
    admito que esta capa me dá medo e não me atrai nem um pouco, mas lendo sua resenha, achei o livro encantador!!!

    ResponderExcluir
  4. Pretendo ler. Só vejo resenhas boas sobre ele.
    Gostei da capa e a história me conquistou. Beijos...

    ResponderExcluir
  5. Boa resenha!
    Estou gostando do livro também...

    ResponderExcluir

Adoro saber a sua opinião. ^^ Deixe um recadinho com sua sugestão e faça uma blogueira feliz! :)