2 de abril de 2018

RESENHA: O Sal da Vida

Editora: Valentina
Autor(a): Françoise Héritier
Número de páginas: 108

Sinopse: Nesta meditação, nesta espécie de poema em prosa em homenagem à vida, totalmente íntimo e sensorial, a renomada antropóloga Françoise Héritier vai atrás das pequenas coisas agradáveis (às vezes nem tanto) às quais aspira o mais profundo do nosso ser: as imagens e as emoções, os momentos marcados de recordações que dão sabor à vida, que a tornam mais rica e mais interessante do que muitas vezes acreditamos que ela seja, e que nada nem ninguém poderá nos tirar, nunca, jamais!

Olá gente lindaaaa!
Hoje trago a resenha de um livro que me surpreendeu de diversas formas diferentes, tanto pelo fato de eu ter iniciado a leitura sem ao menos saber do que se tratava (entendam, trata-se de um livro que comprei em 2014 apenas por estar na promoção, sem nunca ler a sinopse), como também por ser tão simples e ao mesmo tempo tão sensível e real.
Logo nas primeiras páginas, ainda na apresentação do livro, a autora explica que o livro surgiu quando ela recebeu uma carta de um amigo e resolveu respondê-la listando pequenas coisas agradáveis (ou não) que, segundo ela, fazem a vida valer a pena, aquilo que ela chama de "sal da vida", aquilo que dá gosto, dá sabor à nossa existência.
"Existe, sim, uma forma de leveza e de graça no simples fato de existir, que vai além das ocupações profissionais, além dos sentimentos poderosos, além dos engajamentos políticos e de todos os gêneros, e foi unicamente sobre isso que eu quis falar. Sobre esse pequeno plus que nos é dado a todos: O SAL DA VIDA." (página 10)
Sem nenhuma ordem específica a autora vai listando aquilo que ela acredita ser o sal de sua vida, e por mais simples e "insignificantes" que essas coisas possam parecer, o leitor (eu, no caso) acaba se identificando e compreendendo os motivos de cada item estar na lista. A vida é feita, afinal, de pequenas coisas, pequenas conquistas, pequenas perdas, pequenos acontecimentos. Nós é que não sabemos dar o devido valor às coisas.
Podemos dizer que "O Sal da Vida" é um livro sobre experiências, um livro de memórias, já que em meio as coisas listadas,a  autora cita vários filmes, lugares, músicas, pessoas famosas, enfim, várias referências de sua geração e de seu país, a França. E conforme a autora vai listando seu momentos e lembranças, somos levados a listar mentalmente nossos próprios. É automático.
Vejam abaixo algumas coisas que ela cita em meio ao seu "poema em prosa", e que me fizeram pensar, questionar, me identificar:
"[...] indagar-se onde se estava antes de nascer em vez de o que se tornará depois de morrer [...]" (página 28)
"[...] ter consciência da natureza fugaz das coisas e da necessidade de aproveitá-las [...], vencer a preguiça e o medo das mudanças [...]." (página 35)
"[...] pôr um ponto final num texto". (página 81)
"[...] saber que refletir faz o tempo passar depressa e que poderemos sair confusos dessa reflexão." (página 88)

No início pensei que o tal "sal da vida" fossem os pequenos momentos, sempre agradáveis, de nossas vidas, mas não... até mesmo aqueles momentos de desconforto, medo, tristeza são considerados pela autora. Logo, "sal da vida" é tudo aquilo que nos move, nos faz sentir, nos faz ter plena consciência de que estamos vivos, de que existimos... e de que a vida é feita de todos esse momentos.
"Trata-se, pura e simplesmente, da maneira de fazer de cada episódio da sua vida um tesouro de beleza e graça, que aumenta sem parar, sozinho, e que nos renova a cada dia." (página 89)
Durante, e principalmente após a leitura desse livro, que parece ser tão despretensioso, mas que nos afeta de algum modo, me peguei pensando sobre quais seriam os momentos que fazem minha vida valer a pena... e comecei a fazer minha própria lista: cheiro de café sendo preparado, beber água quando se está morrendo de sede, sentar após uma longa caminhada, receber um abraço bem apertado sem motivo aparente, rir com os amigos ao relembrar momentos compartilhados no passado, virar a madrugada lendo um livro muito bom, concluir a leitura de um livro difícil ou que não tenha sido muito bom, maratonar uma série ou dorama, tomar um café da tarde com café fresco e bolo de cenoura, encontrar a palavra certa, compreender algo dito em outro idioma, tentar aprender outro idioma, dormir muitas horas seguidas após um período de insônia ou estresse, dias frios e chuvosos...
E a lista continua, como diz meu sobrinho, "ao infinito e além!".
Eu super recomendo a leitura, que pode ser feita em uma única sentada ou degustada aos poucos, conforme refletimos sobre o sal de nossa própria vida. Uma leitura leve e impactante que é como uma brisa fresca em uma dia quente demais.

Classificação: 

***
Espero que gostem!!

Beijos e amassos!!

Nenhum comentário

Postar um comentário

Adoro saber a sua opinião. ^^ Deixe um recadinho com sua sugestão e faça uma blogueira feliz! :)