18 de julho de 2016

RESENHA: A Sorte do Agora

Editora: Intrínseca
Autor(a): Matthew Quick
Número de Páginas: 219

Sinopse: Bartholomew Neil tem quase 40 anos e está perdido depois da morte de sua amada mãe. Ele não faz ideia de como viver por conta própria, porém, sabe que está na hora de seguir em frente. Mas como um homem que passou a vida grudado na barra da saia da mãe pode aprender a voar? E o que Richard Gere, uma bela bibliotecária, um padre cheio de problemas e um rapaz sem modos podem ensinar a Bartholomew sobre amor e felicidade? Seja lá o que for, será mais do que Bartholomew imagina.

Olá gente lindaaa!
Confiram mais uma resenha da querida Ana Paula, resenhista aqui do blog. *-*

***
O livro conta a história de Bartholomew, um homem de 40 anos, solitário, que acaba de perder sua mãe: sua única amiga e confidente. Para ajudá-lo a passar por esta fase, Bartholomew conta com a ajuda de Wendy, sua conselheira de luto. Apesar de não saber, muitas vezes, como lidar com sua própria dor, Bartholomew é extremamente sensível quando se trata da dor dos que o cercam:
"Ao ver seu olho machucado, consegui sentir sua dor. Isso acontece comigo às vezes." (página 92)
Após ter se visto sozinho no mundo, um amigo da família de longa data se muda para sua casa, Padre McNamee. Wendy não aprova este relacionamento, pois acredita que Bartholomew precisa se relacionar com pessoas de sua idade. Como parte da terapia, Wendy estabelece como meta que Bartholomew consiga sozinho fazer um amigo (de sua idade, visto que o mais parecido que tinha como parceria era sua mãe) e levá-lo a um bar, tomar uma cerveja e, quem sabe, no futuro conseguir falar qualquer palavra que seja com a Meninatecária, mulher pela qual nutre uma paixão platônica.
É devido a estes caminhos que Bartholomew é levado a terapia de grupo (de somente duas pessoas) e conhece Max, um sujeito que constrói todas as suas frases com, no mínimo, um palavrão e que está na terapia para superar a morte de Alice, sua gata.
Todos esses acontecimentos são narrados por carta à (acreditem!) Richard Gere. É no mínimo interessante como tudo isso se constrói. Além de contar com a ajude de Max, Padre McNamee e Wendy, temos esse conselheiro “oculto” que ajuda Bartholomew a passar por situações que considera difíceis:
"Enquanto falava comigo na biblioteca, você me chamava de 'garotão'.
Vamos lá, garotão. Ela esta bem ali, Ficarei com você o tempo todo. Estarei na sua mente lhe dizendo o que fazer. Vamos, garotão! Podemos fazer isso. Confie em mim." (página 74)
Em meio a tantos acontecimentos, somos apresentados à teoria criada pela mãe de Bartholomew: A Sorte do Agora, que basicamente estabelece que para cada coisa ruim que acontece a uma pessoa, uma boa acontece a uma terceira:
“Bebês nascem no exato momento em que pessoas morrem; pessoas traem seus cônjuges, gozando em pecado, enquanto noivas e noivos trocam olhares apaixonados e dizem 'aceito'; algumas pessoas arranjam empregos enquanto outras são demitidas; um pai leva o filho para um jogo de futebol enquanto outro homem decide nunca mais voltar para casa onde mora com o filho e se muda para outro estado sem deixar o endereço; [...]. Todos esses opostos acontecerão, quer a gente acredite ou não na Sorte do Agora." (página 126)

Parte dessa reflexão surge após Bartholomew descobrir que a Memminatecária é irmã de Max. Quais são as chances de isso acontecer? Seria sincronicidade? Quando enfim Bartholomew consegue conversar com a mulher que tanto queria, ele embarca em uma viagem à Montreal com Padre McNamee e seus novos amigos, Max e Meninatecária, ou melhor, Elizabeth.
Esta viagem é crucial para o amadurecimento de Bartholomew, pois nela ele descobre um lado seu que em 40 anos não havia sido descoberto. Este é o grande ensinamento do livro, além, é claro, de nos mostrar que sempre temos uma escolha! Nós que escolhemos como reagir a tudo que acontece conosco, em nossas vidas.

Classificação: 

***
Esperamos que vocês gostem!!

Beijos e amassos!!

2 comentários

  1. Saudações Ladies,
    (mandei um comentário antes, não sei se ele foi enviado)

    Enfim, estou de olho nesse livro há tempos. Escolhendo o melhor momento para lê-lo, porque atualmente preciso ficar empolgada desde as primeiras páginas para sentar e terminar ou dificilmente isso acontecerá.
    Pode ser que ele seja melhor para quando finalmente acabar a loucura desse último semestre!


    Venha visitar o Castelo
    Att Ana P. Maia ♛ The Queens Castle

    Digníssimo parceiro, o Castelo está retomando gradativamente as postagens. Algumas fases da vida decididamente impedem alguns progressos: organizar um festival e entregar o projeto de TCC estão inclusos nesses pequenos momentos sufocantes e desesperadores...

    ResponderExcluir
  2. Nossa!! Que vontade de continuar lendo! Adorei! Beijos

    ResponderExcluir

Adoro saber a sua opinião. ^^ Deixe um recadinho com sua sugestão e faça uma blogueira feliz! :)