23 de setembro de 2013

RESENHA: O Visconde que me Amava

Editora: Arqueiro
Autor(a): Julia Quinn
Número de Páginas: 304

Sinopse: A temporada de bailes e festas de 1814 acaba de começar em Londres. Como de costume, as mães ambiciosas já estão ávidas por encontrar um marido adequado para suas filhas. Ao que tudo indica, o solteiro mais cobiçado do ano será Anthony Bridgerton, um visconde charmoso, elegante e muito rico que, contrariando as probabilidades, resolve dar um basta na rotina de libertino e arranjar uma noiva.
Logo ele decide que Edwina Sheffield, a debutante mais linda da estação, é a candidata ideal. Mas, para levá-la ao altar, primeiro terá que convencer Kate, a irmã mais velha da jovem, de que merece se casar com ela.
Não será uma tarefa fácil, porque Kate não acredita que ex-libertinos possam se transformar em bons maridos e não deixará Edwina cair nas garras dele.
Enquanto faz de tudo para afastá-lo da irmã, Kate descobre que o visconde devasso é também um homem honesto e gentil. Ao mesmo tempo, Anthony começa a sonhar com ela, apesar de achá-la a criatura mais intrometida e irritante que já pisou nos salões de Londres. Aos poucos, os dois percebem que essa centelha de desejo pode ser mais do que uma simples atração.
Olá gente lindaaa!
No segundo livro da serie "A Família Bridgerton", Julia Quinn nos presenteia com o mais velho dos Bridgertons, Anthony e sua decisão surpreendente de se casar. O livro é um prato cheio para quem gosta de romances complicados e improváveis (embora previsíveis).

Confiram minha resenha do primeiro livro da série:

Com a nova temporada de bailes começando, onde todas as jovens em idade de se casar são apresentadas à sociedade, é uma surpresa geral que Anthony Bridgerton, conhecido como um dos maiores libertinos de Londres, tenha decidido escolher uma esposa.
Anthony sempre soube que morreria jovem. Desde a noite em que o pai morreu, ele soube que jamais superaria o pai, nem mesmo em idade. Por isso, aos 29 anos e em contagem regressiva, ele decide que é hora de se casar e ter filhos. Anthony tem apenas três exigências: sua esposa deve ser razoavelmente atraente, inteligente e, o mais importante, alguém por quem ele jamais se apaixone. 
"- Você está muito interessada  no visconde, Kate. Há alguma coisa que não tenha nos contado?
- Não seja ridícula. Eu nem conheço esse homem. E, se conhecesse, talvez corresse na direção oposta. Ele é o tipo de homem que nós duas deveríamos evitar a qualquer custo. Deve ser capaz de seduzir até um iceberg." (página 15)
Sem interesse algum em perder tempo fazendo corte à todas as moças solteiras, Anthony pergunta aos irmãos sobre a garota mais cobiçada da temporada e, ao ter o nome, decide que ela será sua esposa. Simples assim.
A escolhida pelo visconde é Edwina Sheffield, uma jovem de dezessete anos, inteligente e por quem Anthony acredita não poder se apaixonar. Tudo resolvido, certo? ERRADO! Kate Sheffield, irmã mais velha de Edwina, aos 20 anos, que por questões financeiras só pode ser apresentada à sociedade em sua idade tão avançada (é quase impossível encontrar um marido após essa idade, Kate está no limite) jamais permitirá que a caçula caia nas garras de um libertino. Edwina tem muito apresso pela a opinião da irmã e não se casará sem sua aprovação.
"Kate cerrou os dentes e prometeu a si mesma que aquele homem nunca se casaria com sua irmã. Seus modos eram extremamente frios ele tinha um ar superior. Também era lindo, concedeu ela, com aqueles olhos castanhos aveludados que combinavam à perfeição com os cabelos. Era alto - com cerca de 1,85 metro - e os lábios, embora de uma beleza clássica (Kate havia estudado arte o suficiente para se considerar qualificada para fazer tal avaliação), eram estreitos nos cantos, como se ele não soubesse sorrir." (página 40)
Kate não é mole, não. Em uma época em que uma mulher deveria ser quieta, delicada e submissa, Kate não tem travas na língua (na medida do possível, claro) e deixa Anthony louco da vida. Kate é uma tormenta em sua vida, mas ele não irá desistir de se casar com Edwina, não quer perder tempo cortejando outras garotas e, Kate lhe lançou um desafio, ele não deixará que ela vença.
Ao contrário da irmã, Kate não é bonita, pelo menos não para os padrões da sociedade, principalmente se comparada à irmã. Ela já se conformou com a possibilidade de ser uma solteirona, mas nem por isso permitirá que a irmã se case com qualquer um, ela merece um casamento feliz. E, certamente o visconde não é, nem de longe, o marido ideal para a irmã.
Após algum tempo, apesar de se detestarem (ahãm), Kate e Anthony não conseguem deixar de pensar um no outro. E o previsível acontece, o casal passa a se gostar. É o que nós, enquanto leitores, percebemos. Mas tanto Kate quanto Anthony não dão o braço a torce e se puderem negar qualquer atração ou sentimento em relação ao outro, o farão.
"Ela erguera o rosto na direção do sol e refestelava-se com seu calor. Por um instante desconcertante, Anthony sentiu... alguma coisa.
Alguma coisa? Ele balançou a cabeça. Não era possível que fosse desejo. Não por aquela mulher." (página 57)
"Anthony estremeceu. A ideia de beijar Kate Sheffield era assustadora. Na verdade, o simples fato de pensar nisso deveria ser suficiente para mandá-lo para o manicômio.
Ainda assim...
Anthony deixou-se cair numa cadeira.
... ainda assim, sonhara com ela." (página 76)
***
Eu me apaixonei pela escrita de Julia Quinn desde o livro anterior (O Duque e Eu) e, mal posso esperar para que "Um Perfeito Cavalheiro" seja lançado. Os romances de Quinn arrancam suspiros, risadas e, em certos momentos partem o coração do leitor. Me diverti muito com os diálogos dos protagonista e das façanhas de Newton, o cãozinho de Kate, uma figura gordinha e terrível. 
Embora eu tenha achado a segunda metade do livro muito semelhante ao livro anterior, por conta do desenrolar da história, de acontecimentos, consequências e reações dos personagens, não consegui não me encantar. Apesar do clichê e da previsibilidade da história, os personagens são tão cativantes e as particularidades de cada um deles são tão bem trabalhadas que, mesmo imaginando o que acontece a seguir, o leitor se pega roendo as unhas de ansiedade. hahaha
Mais um livro que entra para lista dos meus queridinhos e eu SUPER RECOMENDO!

Classificação:

***
Espero que gostem!!

Beijos e amassos!!

6 comentários

  1. parece ser ótimo todos os livros da autora, e estou muito curiosa para ler eles... mas ainda não li nenhum =/
    gosto de histórias clichês, então tenho certeza que vou gostar deles :P

    ResponderExcluir
  2. Oi flor!

    Eu sou louca pra ler os livros dessa série, não li nem o primeiro ainda :/

    Um beijo
    http://escolhasliterarias.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Amo o romances históricos da Julia Quinn, essa série é ótima, estou doida pra ler esse segundo livro.

    ResponderExcluir
  4. Esta série é demais. Adorei ler este livro e conhecer a história destes dois personagens tão divinos. Eles são perfeitos e divinamente entrosados. Júlia sabe como nos deixar encantada com suas histórias. Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Olá,gostei de Kate,mesmo ainda não tendo lido o livro.
    Gosto de personagens femininas fortes e cheias de atitude.

    E esse romance promete muito!!!!!!

    ResponderExcluir
  6. kkkkkkkkkkk...toda vez que lembro desse livro ó penso eu sorrir..Eu amei essa história..especialmente Kate e Anthony...a forma que eles lutam pra não gotar um do outro, sem contar a converas divertidas..AMei ver Anthony se apaixonar... parabéns pela resenha, ficou maravilhosa....
    bjs

    ResponderExcluir

Adoro saber a sua opinião. ^^ Deixe um recadinho com sua sugestão e faça uma blogueira feliz! :)