7 de agosto de 2014

RESENHA: Invisível

Editora: Galera Record
Autor(es): David Levithan & Andrea Cremer
Número de Páginas: 322

Sinopse: Stephen passou a vida do lado de fora, olhando para dentro. Amaldiçoado desde o nascimento, ele é invisível. Não apenas para si mesmo, mas para todos. Não sabe como é seu próprio rosto. Ele vaga por Nova York, em um esforço contínuo para não desaparecer completamente. Mas um milagre acontece, e ele se chama Elizabeth.
Recém-chegada à cidade, a garota procura exatamente o que Stephen mais odeia. A possibilidade de passar despercebida, depois de sofrer com a rejeição dos amigos à opção sexual do irmão. Perdida em pensamentos, Elizabeth não entende por que seu vizinho de apartamento não mexe um dedo quando ela derruba uma sacola de compras no chão. E Stephen não acredita no que está acontecendo... Ela o vê!
Stephen tem sido invisível por praticamente toda sua vida - por causa de uma maldição que seu avô, um poderoso conjurador de maldições, lançou sobre a mãe de Stephen antes de ele nascer. Então, quando Elizabeth se muda para o prédio de Stephen em Nova York vinda do Minnesota, ninguém está mais surpreso do que ele próprio com o fato de que ela pode vê-lo. Um amor começa a surgir e quando Stephen confia em Elizebth o seu segredo, os dois decidem mergulhar de cabeça do mundo secreto dos conjuradores de maldições e dos caçadores de feitiços para descobrir uma maneira de quebrar a maldição. Mas as coisas não saem como planejado, especialmente quando o avô de Stephen chega à cidade, descontando sua raiva em todo mundo que cruza seu caminho. No final, Elizabeth e Stephen devem decidir o quão grande é o sacríficio que estão dispostos a fazer para que Stephen se torne visível - porque a resposta pode significar a diferença entre a vida e a morte. Pelo menos para Elizabeth...

Olá gente lindaaaaa!
"Invisível" foi minha primeira experiência com o autor David Lavithan e, por conta de todos os comentários supeeeeer positivos a respeito de seu outro livro, "Todo dia", eu estava com altas expectativas em relação a esse lançamento.
Confesso que o livro foi diferente do que eu esperava, não de um jeito bom ou ruim, apenas diferente.

Stephen é um jovem diferente. Ele não é mais inteligente que as outras pessoas, não possui três pernas nem nada 'diferente' desse tipo. Ele apenas não existe para as outras pessoas (e para si mesmo). Ele é invisível. LITERALMENTE.
Sua mãe morreu há pouco tempo e, desde então, Stephen mora sozinho no apartamento que sempre dividiu com a mãe. Sendo invisível, não há muito o que se fazer para passar o tempo, assim, Stephen passa seus dias lendo, assistindo TV e passeando no parque (enquanto observa as pessoas ao seu redor). Seu pai não aguentou o fardo de ser pai de um filho invisível, por isso foi embora e constituiu uma nova família há vários anos. Seu contato com Stephen quase se limita ao cartão de crédito com que paga as contas do filho.
Além de sua invisibilidade, Stephen também não tem "consistência", ou seja, para tocar algo ele precisa de certa concentração para que suas mãos não atravessem o objeto. Tem como ser mais solitário que isso?
Para maior insatisfação do rapaz, sua mãe sempre se recusou a contar o motivo de Stephen ser como é, e levou o segredo para o túmulo. A única coisa que o garoto sabe é que tem uma maldição. "Por quê?", "Como?", são questões para as quais ele dificilmente encontrará respostas.
"Depois de algum tempo, parei de me perguntar sobre os "por quês". Parei de questionar os "comos". Parei de notar os "quês". Permaneceu simplesmente minha vida, e eu simplesmente a conduzo.
Sou como um fantasma que nunca morreu."
(página 11)
As coisas mudam drasticamente na vida de Stephen quando uma nova família se muda para o apartamento no mesmo corredor que o seu. Tudo isso porque, pela primeira vez na vida ele pode ser visto. Sabe-se lá por quê, Elizabeth consegue vê-lo!
Claro que a garota não faz ideia de que é a única pessoa capaz de ver Stephen e, acabam se tornando amigos. Ela, após sofre rejeição em sua antiga escola / cidade por ser irmã de um garoto homossexual, Elizabeth é tão carente de amizades quanto Stephen que nunca possuiu uminha seque. Por isso não se pode evitar que eles se envolvam, se conheçam e se unam.
Laurie, por sua vez, o irmão de Elizabeth, é uma figura. Um jovem de 15 anos que, apesar do que aconteceu na última escola, consegue manter o bom-humor e dar um charme ainda maior à história. Apesar de ser bem difícil escolher um entre tantos personagens cativantes criados por Levithan e Cremer, me arrisco a dizer que Laurie é o meu favorito.
"Toda a eletricidade em meu corpo fica subitamente alerta, amplificada a um nível de consciência que eu nunca sentira. Dou meia-volta e olho para trás a fim de ver quem está ali.
Mas não tem ninguém.
- Ei, você - diz a garota.
Não consigo acreditar.
Ela me vê."
(página 13)
Com o passar do tempo a amizade vai se torando algo mais e, quando menos esperam, Stephen, Elizabeth e Laurie estão envolvidos em uma aventura um tanto quanto perigosa em busca de respostas. É aqui que o ingrediente fantasia se faz ainda mais presente na trama. Uma mescla entre a escrita reflexiva e sensível de Levithan e a escrita fantástica de Cremer. Essa parceria deu muito certo!
Um livro recheado de metáforas que nos fazem parar e refletir. Quantos de nós (principalmente na adolescência) teve momentos em que desejou ser invisível? Ao conhecer a história de Stephen e a imensa solidão que o rodeio, tenho certeza de que muitos vão se questionar e, sem dúvida, irão pensar duas vezes antes desejar ser invisível. Stephen nos faz ver que invisibilidade é sinônimo de solidão.
"- Quando ninguém pode te ver, ninguém te conhece de verdade - diz. - A solidão deve ser como uma úlcera que está sempre roendo suas entranhas." (página 97)
"Assim como a febre faz com que o frio pareça mais frio, o amor pode tornar a solidão ainda mais solitária." (página 235)
*** 
A narrativa de "Invisível" flui facilmente e, ao intercalar os pontos de vista de Stephen e Elizabeth, podemos identificar facilmente traços da escrita de cada autor. Mesmo sem antes ter lido nada de cada autor, sabendo o gênero que cada um costuma escrever, foi fácil saber que ponto de vista foi escrito por quem. Uma vez que o leitor começa a ler, é quase impossível parar. Embora a fluidez se mantenha durante a história toda, confesso que o ponto de vista de Stephen, regado de reflexões e frases de efeito me ganhou.

Classificação:

***
Espero que gostem!!

Beijos e amassos!!

13 comentários

  1. Oi, Amanda! Estou em conflito com este livro. É uma "moda" tão forte que eu preferi fugir deste trabalho do autor. Mas essa sinopse me atrai e suas colocações na resenha confirmaram minha desconfiança: É um livro lúdico, que utiliza do figurado para criticar a realidade - e eu amo isso.
    Acho que darei chance ao livro!
    Beijos.

    ResponderExcluir
  2. Amanda parece ser um livro intrigante afinal ser invisível e com tantos dramas a sua volta, no momento vou deixar passar a leitura, quem sabe mais para frente Que bom que gostou da leitura. beijos

    ResponderExcluir
  3. Eu já li Todo Dia e fiquei apaixonada, por essa razão quando vi esse livro já fiquei interessada, porque o David me conquistou de uma forma tão fácil, me apaixonei pelo A (livro Todo dia) e tenho certeza que se ler esse livro irei me apaixonar pelo Stephen, acredito que o livro deve ser maravilhoso e nos fazer refletir bastante, enfim, eu adorei a sua resenha, espero poder ler esse livro logo *o*

    Beijos :*
    Larissa - Srta. Bookaholic

    ResponderExcluir
  4. Do Levithan só li Todo dia e já fiquei fisgada no primeiro capítulo. A escrita dele foi maravilhosa, acertadíssima, uma capacidade enorme de me prender. Fiquei bem curiosa com esse novo livro e espero poder ler em breve pra saber se meu gosto vai se manter ou foi só uma eventualidade. rs
    Beijinhos!
    Giulia - Prazer, me chamo Livro

    ResponderExcluir
  5. Com David Levithan é assim, tudo é diferente, mas eu adoro.
    Li Todo Dia e amei...com toda a diferença encontrada na narrativa.
    Invisível está entre os desejados desde o lançamento, não vejo a hora de fazer a leitura e descobrir o que o autor aprontou dessa vez.

    Beijos.
    Leituras da Paty

    ResponderExcluir
  6. Oi Flor!
    Ele não me chamou atenção, apesar da sua resenha mega linda, se vc gostou mais de Um Dia, prefiro conhecer o autor por esse!
    Um Beijoooo
    Paulinha

    ResponderExcluir
  7. Oi Amanda

    Não conhecia esse livro e fiquei extremamente interessada em ler. A história de Stephen e sua "invisibilidade" retrata as milhares de pessoas que como ele são ignorada pela sociedade e principalmente pela própria família.

    Super bjos
    http://www.i-likemovies.com/

    ResponderExcluir
  8. Ah, com certeza eu já desejei ser invisível sim, rs... Que bom que o livro faz a gente refletir, e que a narrativa flui. Nunca li nada de nenhum dos autores, e nem sei o gênero que eles costumam escrever, então não ia saber quem escreveu o que não... hehe... Mas quero ler também!

    Beijo!

    Ju
    Entre Palcos e Livros

    ResponderExcluir
  9. Own Amanda!
    David Levithan é divo néh?!
    Este livro está aqui e é o próximo da minha lista! Que bom que a leitura é fluida e inteligente!
    Quero saber a que ponto vai essa invisibilidade dele... deve ser tocante mesmo!
    Beijos
    Chrys Audi
    Blog Todas as coisas do meu mundo

    ResponderExcluir
  10. Olá Amanda, tudo bem?

    Mas se já resenhou o livro? :o
    Ele já saiu nas livrarias? :o Tô totalmente perdida no mundo hahaha.

    Confesso que após ler Will & Will, fiquei totalmente fora de saber sobre futuros lançamentos do David, em parte porque não gostei nadinha do personagem que ele escreveu. Achei tudo muito forçado, mesmo que isso tenha sido feito propositalmente. Vou esperar mais um pouco antes de adquiri-lo!

    Beijo

    ResponderExcluir
  11. Ain Amanda *-*
    Eu fiquei muito interessada pelo livro por ser do Levithan. Como você, tenho altas expectativas devido ao sucesso de Todo Dia. E pensando bem, acho que vou pegar esse livro nesse instante e iniciar a leitura.
    Espero que o livro conte um pouco sobre a maldição do protagonista, porque eu fiquei muito curiosa rs

    Beeijinho. Dreeh
    Blog Mais que Livros

    ResponderExcluir
  12. Oi Amanda
    Nossa, estava com vontade de ler esse livro, mas é a primeira vez que leu uma resenha dele, gostei da premissa do livro e também tenho vontade de conhecer a escrita do autor, porque todo mundo fala bem de Todo dia. Que bom que você gostou, deu nota 4. Enfim, espero pode ler logo.

    Beijos,
    www.leitorasempre.com

    ResponderExcluir
  13. Olá Amanda!
    Olha se o livro for igual o Todo Dia, não vou gostar. Eu não consegui ler nem 30 páginas desse livro. Mas lendo a sua resenha parece ser bem diferente. Mas ainda não me chamou a atenção.
    Qeum sabe mais pra frente.
    Beijinhos!
    http://eraumavezolivro.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Adoro saber a sua opinião. ^^ Deixe um recadinho com sua sugestão e faça uma blogueira feliz! :)