13 de janeiro de 2014

RESENHA: O Presente

Editora: Novo Conceito
Autor(a): Cecelia Ahern
Número de Páginas: 320

Sinopse: Todos os dias, Lou Suffern luta contra o tempo. Ele tem sempre dois lugares para ir, tem sempre duas coisas a fazer. Quando dorme, sonha com os planos do dia seguinte, e, quando está em casa, com a esposa e os filhos, sua mente está, invariavelmente, em outro lugar. Numa manhã de inverno, Lou encontra Gabe, um morador de rua, sentado no chão, sob o frio e a neve, do lado de fora do imenso edifício onde Suffern trabalha. Os dois começam a conversar, e Lou fica muito intrigado com as informações que recebe de Gabe; informações de alguém que tem observado uniões improváveis entre os colegas de trabalho de Lou, como os encontros da moça de sapatos Loubotin com o rapaz de sapatos pretos... Ansioso por saber de tudo e por manter o controle sobre tudo, Lou entende que seria bom ter Gabe por perto — para ajudá-lo a desmascarar associações que se formam fora de suas vistas — e lhe oferece um emprego. Mas logo o executivo arrepende-se de ajudar Gabe: sua presença o perturba. O ex-mendigo parece estar em dois lugares ao mesmo tempo, e, além disso, Gabe lhe fala umas coisas muito incomuns, como se soubesse do que não deveria saber... Quando começa a entender quem é realmente Gabe, e o que ele faz em sua vida, o executivo percebe que passará pela mais dura das provações. Esta história é sobre uma pessoa que descobre quem é. Sobre uma pessoa cujo interior é revelado a todos que a estimam. E todos são revelados a ela. No momento certo.
Olá gente lindaaaaa!
Hoje vim dividir com vocês minhas impressões de "O Presente", o primeiro livro que eu li este ano. Apesar de ser um livro 'natalino', não consegui realizar a leitura antes no Natal... então, vamos falar de milagres natalinos em janeiro mesmo. haha

O livro começa com um pequeno acidente de Natal: um adolescente arremessa um peru congelado janela adentro da casa de seu pai. O garoto do peru', como é chamado' ainda não aceita que seu pai tenha uma nova família e num momento de raiva, faz uma besteira.
Na delegacia, enquanto aguarda a mãe, o jovem é distraído por uma história mágica, contada pelo policial Raphie. A princípio, a história parece não levar a lugar algum, mas com certeza pode ensinar muita coisa a um garoto.

"As pessoas, como as casas, guardam seus segredos. Às vezes, os segredos as habitam; outras vezes, são elas que habitam seus segredos." (página 13)

Lou Suffern é um cara que vive para o trabalho. Ele está sempre cheio de coisas para fazer, cheio de compromissos....
Casado e pai de dois filhos, Lou nem sabe o que é passar um tempo com a família, e não faz a mínima questão de descobrir. Nos últimos seis meses, desde que seu colega de trabalho teve um colapso, Lou passou a trabalhar ainda mais, afinal de contas, a vaga de Cliff precisa ser preenchida e ele é uma das pessoas mais qualificadas para isso, por isso precisa mostrar serviço e convencer seu chefe a promovê-lo. Se isso significar passar ainda mais tempo longe da família, que seja!

"Esta história é sobre pessoas, segredos e tempo. Sobre pessoas que, assim como os embrulhos, guardam segredos, escondem-se sob várias camadas até encontrarem as pessoas que poderão desembrulhá-las e ver o que há dentro." (páginas 13-14)
Desde o princípio achei Lou insuportável. Um cara egoísta, egocêntrico e arrogante. Está sempre tratando as pessoas com grosseria e desfazendo de sua família.
Nunca presta atenção no a esposa ou qualquer pessoa da família fala. Nunca cumpre as promessas que faz para a filha de cinco anos e... sempre acaba passando a noite fora após as reuniões de negócios. Sabem como é, um café leva a um jantar que acaba levando à... uma cama.
"Tudo o que sabia sobre Lou era que ele a fazia se lembrar do Coelho Branco de Alice no País das Maravilhas, sempre muito, muito, muito atrasado para um compromisso muito importante, e que le conseguia chegar a cada um deles no momento certo." (página 50)
Poucos dias antes do Natal, Lou conhece Gabe, um mendigo que fica em frente ao prédio em que trabalha e, apesar de ter estado ali todos os dias, Lou nunca o havia notado. Em apenas alguns minutos de conversa, Lou acha que Gabe pode ser útil para sua possível promoção. Gabe parece saber muito sobre as pessoas que trabalham no mesmo prédio que Lou.
Porém, assim que contrata Gabe, Lou começa aperceber que as coisas não serão como o planejado. De alguma forma Gabe o deixa nervoso. O mendigo parece muito eficiente, parece querer a vida de Lou. E o pior de tudo é que todos parecem gostar dele. Até seu chefe.
Assim como no livro "A Vez da Minha Visa", Cecelia Ahern nos apresenta um elemento mágico e original, mas que me deixou um pouco confusa no início. Como um presente de Natal que Lou nem imaginava que estivesse precisando, Gabe lhe dá um pouco de tempo. Tempo para se encontrar e descobrir seus próprios sentimentos e valores. Mas Lou demora a perceber isso.
"Gabe queria explicar a Lou que pessoas como ele vivem olhando por cima dos próprios ombros, sempre atentas ao que as pessoas à sua volta estão fazendo, comparando-se aos outros, procurando conquistar coisas melhores, sempre querendo ser melhores que os outros. E o motivo de Gabe falar a Lou Suffern sobre pessoas como Lou Suffern era avisá-lo de que quem vive olhando por cima dos ombros acaba tropeçando no que está à frente." (página 166)
***
Apesar de a leitura ter engrenado apenas a partir da segunda metade do livro, posso afirmar que valeu super a penas. Confesso que ao iniciar a leitura, estava esperando um romance daquele de arrancar lágrimas e suspiros e, por isso, fiquei decepcionada quando percebi que o livro não trataria disso. Porém, fui surpreendida (positivamente falando) por uma história emocionante, uma história que nos faz refletir sobre o modo como vivemos, sobre o modo como gastamos nosso precioso tempo.
Só não dou quatro estrelas para a história por causa do protagonista. Não consegui simpatizar com ele nem quando ele fazia a coisa certa. Acho que ele passou tempo demais olhando para o próprio umbigo....
Este livro me fez refletir sobre a efemeridade da vida, sobre o modo como o tempo voa e o fato de que estamos sempre tão ocupados cuidando de coisas que julgamos importantes e acabamos nem vendo nossa própria vida passar. Eu recomendo a leitura, mas não vá com sede ao pote. É um livro para se degustar e refletir.

"É o tempo, o que nunca tempo em quantidade suficiente." (página 317)

Classificação:  

***
Espero que gostem!!

Beijos e amassos!!

Nenhum comentário

Postar um comentário

Adoro saber a sua opinião. ^^ Deixe um recadinho com sua sugestão e faça uma blogueira feliz! :)