7 de outubro de 2013

RESENHA: Corações Feridos

Editora: Novo Conceito
Autor(a): Louisa Reid
Número de Páginas: 256

Sinopse: Hephzibah e Rebecca são irmãs gêmeas, mas muito diferentes. Enquanto Hephzi é linda e voluntariosa, Reb sofre da Síndrome de Treacher Collins — que deformou enormemente seu rosto — e é mais cuidadosa. Apesar de suas diferenças, as garotas são como quaisquer irmãs: implicam uma com a outra, mas se amam e se defendem. E também guardam um segredo terrível como só irmãos conseguem guardar. Um segredo que esconde o que acontece quando seu pai, um religioso fanático, tranca a porta de casa. No entanto, quando a ousada Hephzibah começa a vislumbrar a possibilidade de escapar da opressão em que vive, os segredos que rondam sua família cobram-lhe um preço alto: seu trágico fim. E só Rebecca, que esteve o tempo todo ao lado da irmã, sabe a verdadeira causa de sua morte... Hephzi sonhara escapar, mas falhara. Será que Rebecca poderia encontrar, finalmente, a liberdade?

Olá gente lindaaaa!Hoje vim dividir com você minhas impressões sobre o livro "Corações Feridos", um dos lançamentos de setembro da editora Novo Conceito. Ante de mais nada só posso dizer que o título desse livro não poderia ter um nome mais adequado. Mesmo.

As gêmeas Rebecca e Hephzi são completamente diferentes, seja na aparência ou na personalidade. Rebecca sofre da síndrome de Treacher Collins, que lhe impõe uma grande deformidade facial. já Hephzi, é perfeita. Linda. Reb é contida, quieta,... já Hephzi é impulsiva e sonhadora, na medida do possível. A única coisa que têm em comum é a condição em que vivem, o opressão a que são submetidas dentro da própria casa. Não uma casa qualquer, a casa paroquial do bairro.
Sempre educadas em casa, quando as irmãs têm a oportunidade de cursar o Ensino Médio em uma escola normal, ainda que os Pais tenha escolhido suas matérias, de forma a mantê-las longe de toda e qualquer informação que pudesse ser perigosa, elas vislumbram a possibilidade de um futuro diferente. Principalmente Hephzi que não hesita em tentar fazer amizades, ainda que para isso precise mentir dia após dia. Ela jamais poderia dizer a verdade.
Rebecca, por sua vez, excluída pela irmã na escola, procura passar o maior tempo possível na biblioteca, lendo. Rebecca adora livros, mas eles estão na extensa lista de coisas proibidas, uma vez que podem ser perigosos. Em sua casa, a única fonte de informação são os pais que, ou seja, ela e a irmã não sabem nada que os pais achem inadequado ou algo assim. Não sabem, por exemplo, de onde vêm os bebês, porque menstruam.... quer dizer, elas sabem que menstruam porque são pecadoras, porque são meninas más, que é algo sujo, do demônio, mas...
"Nós fingíamos que éramos normais e os Pais estavam sempre me observando, assegurando-se de que eu estivesse andando na linha que me fora demarcada como uma rachadura no vidro; se eu escorregasse ou tropeçasse, algo se quebraria. Eles nos obrigavam a manter as aparências, Hephzi e eu." (página 23)
Porém, algo trágico acontece: Hephzi morre. Rebecca precisa aprender a lidar com sua vida e com seus pais sem o apoio da irmã. Ela está sozinha em um ninho de leões e sabe que sua única salvação é fugir. Mas, como?
Logo no início do livro sabemos sobre a morte de Haphzi e somos apresentadas à história através do ponto de vista das duas irmãs, intercaladamente. No depois, temos o ponto de vista de Rebecca, tentando superar a morte da irmã e tentando conviver com seus segredos mais obscuros; no antes, temos o ponto de vista de Haphzi, a partir do momento que ela e a irmã começam a frequentar o colégio até o momento de sua morte. Dessa forma, vamos conhecendo as personagens, com suas personalidades tão distintas e a maneira com que cada uma delas lida com sua realidade, Haphzi com sua vontade de fugir, com sua vontade de vislumbrar uma vida além da casa paroquial e Rebecca, com seus segredos e sofrimentos.
"As histórias que tenho escondidas dentro de mim; se você pudesse abrir-me, leria a verdade. Olhe para dentro, retire a pele, a carne e os ossos e encontrará uma biblioteca de sofrimentos. Talvez você me peça para explicar. Eu sou, antes de tudo, a curadora desse passado. Mas algumas coisas são terríveis demais para serem contadas, e essas palavras estão enterradas profundamente." (página 12)
Como eu disse no início dessa resenha, o título casou perfeitamente com a história, de modo que ao iniciar a leitura, após poucas páginas, embora muito pouco houvesse sido revelado eu já estava com o coração ferido. Sabe quando você está lendo algo, precisa dar uma paradinha para absorver as palavras que acabou de ler? Sabe quando resolve ir dormir, pois a história está ficando densa demais para aguentar e, mesmo assim você sente que há um punho em volta de seu coração apertando-o com toda força? Pois bem, foi exatamente como eu me senti desde as primeiras páginas. Mesmo quando eu ainda estava tentando ler nas entrelinhas...
"Eu não acredito no Deus dele. Ele nunca veio ajudar a mim ou a minha irmã, e essa é a prova de que preciso." (página 36)
"Eram pais como Hephzi e eu tínhamos. Loucos que se vestiam com roupas normais, que sorriam e angariavam dinheiro para a caridade, malucos que ficavam de joelhos para rezar, mas que, tão logo estivessem seguros atrás de portas fechadas, tiravam as máscaras e deixavam o veneno irromper." (página 56)
***
Corações Feridos é um livro cruel. Cruel e arrebatador.
Quando as coisas deixaram de ficar apenas nas entrelinhas e começaram a vir à tona, de fato, foi impossível não me envolver, não me emocional. Em determinado momento me forcei a parar de ler, pois a dor era forte demais. Chorei, sofri e torci para que Rebecca não tivesse o mesmo fim da irmã.
Um livro certeiro, estarrecedor e inesquecível. Super recomendo.

Classificação: 

***
Espero que gostem!!

Beijos e amassos!!

3 comentários

  1. Nossa, o livro parece incrível e muito bem escrito, mas não sei se estou preparada pra uma leitura tão densa por agora, acabei de ler Garotas de Vidro e ainda tô com a cabeça ruim... Mas depois lerei, com certeza!

    Um beijo
    http://escolhasliterarias.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. nossa, já tinha ouvido falar neste livro, mas não imaginava que fosse tão bom assim
    gostei da história, parece ser muito boa mesmo... achei os nomes das personagens super diferentes e lindos *-* hahaha
    eu quero ;~~

    ResponderExcluir
  3. Amanda, eu já tinha lido uma resenha sobre esse livro, foi a da Mel, do Literatura em Série, e fiquei estarrecida e louca para conferir a história. Só não sabia que os pais das duas eram TÃO rígidos. Independente disso, penso que deve ser um romance maravilhoso, pois mostra o quanto a Rebecca evolui com o passar do tempo, acho que ela deve finalmente tomar coragem para se descobrir e gostar de si mesma. Sempre é difícil quando tem uma doença no meio, porque implica enfrentar o problema e seguir. Beijos!

    Letícia Valle
    Litteratura Mundi

    ResponderExcluir

Adoro saber a sua opinião. ^^ Deixe um recadinho com sua sugestão e faça uma blogueira feliz! :)