27 de fevereiro de 2012

RESENHA: Frankenstein / O Médico e o Monstro / Drácula

Editora: Martin Claret
Autor(a): Mary Shelley / Robert Louis Stevenson / Bram Stoker
Número de Páginas: 536

Sinopse: Frankenstein , Drácula , e O Médico e o Monstro reunidos pela primeira vez, num único volume, com prefácio de Stephen King e nova tradução para o português. Frankenstein foi escrito pela segunda esposa do poeta Percy Shelley, a inglesa Mary, como resposta a um desafio proposto por Lord Byron. Mary se inspirou no mito de Prometeu e explorou, com êxito imediato, questões como os limites da ciência e a natureza boa do homem. O conde Drácula , do irlandês Bram Stoker - que se inspirou num personagem real, o cruel Vlad Dracula-, é por sua vez a personificação do mal absoluto. Não existe qualquer ambigüidade moral em seu caso. Num texto todo elaborado através de transcrições ficcionais de cartas, telegramas e trechos de diários, o autor nos apresenta a um grupo corajoso, de inabalável fé religiosa, que decide pôr fim à existência do vampiro, perseguindo-o desde Londres até sua Transilvânia natal. Já o escocês Robert Louis Stevenson relata a história dramática de um médico, Dr. Jekyll, criador de uma poção capaz de trazer à tona o lado mais obscuro de sua personalidade. Jekyll passa a viver ora com sua identidade real, ora como o amoral Mr. Hyde. 

Frankenstein (ou o Prometeu Moderno)

Bem, é claro que TODO mundo já ouviu falar em Frankenstein!! Afinal, já foi retratado diversas vezes no cinema e é uma figura indispensável no Halloween.
O livro é narrado por 3 personagens, primeiramente por Walton, um viajante solitário que vaga pelos mares, que através de cartaz à irmã Margareth relata os acontecimentos de sua vida, inclusive o surgimento de um “hospede”, o Dr. Frankenstein (nosso 2º narrador) que relata ao novo amigo, sua vida, e sua macabra criação (que, em certa parte do livro vem a ser nosso 3º narrador).
Dr. Frankenstein sempre foi apaixonado pela filosofia natural, pelos estudos do ser humanos e desde muito cedo, devorava livros relacionados a tais assuntos. Quando finalmente vai para a faculdade, fica ainda mais fascinado com o que a química e as ciências naturais tem a lhe oferecer e... seria de inestimável significado se conseguisse criar algo que banisse do corpo humano todas as doenças e tornar o homem invulnerável a todas elas.
E, com esse propósito, com base em muito estudo e sob muito trabalho, o jovem Frankenstein deu vida a uma criatura de sua autoria, com proporções subhumanas, uma força sobrenatural e uma feiúra repugnante.
“Incapaz de suportar os aspecto do ser que criara, saí correndo da sala e continuei por longo tempo indo de um lado para o outro do quarto, incapaz de conciliar o sono.” (página 49)
Dois anos se passaram desde a fuga de sua criatura, mas o que Frankenstein não imaginava é que, após aprender a falar e se comunicar perfeitamente, sua criatura o procurasse com uma proposta inesperada e igualmente repugnante: ele queria uma companheira de sua espécie, tão mórbida, deformada quanto ele próprio.
A princípio, comovido pela narração dos fatos ocorridos com a criatura (e algumas ameaças) o cientista e criador aceita e promete dar-lhe uma parceira, mas... como ele poderia colocar no mundo outra criatura tão desalmada e cruel quanto a primeira?? 
Ao descumprir sua promessa, Frankenstein não fazia idéia de como o monstro a que dera vida poderia fazer de sua vida um inferno e de seu coração, um amontoado de dor e sofrimento.

Classificação: 


O Médico e o Monstro

Bem, embora a obra seja bem conhecida, devo admitir que só conhecia por nome e nem ao menos tinha idéia do que se tratava. Mais uma vez, assim como em Frankeinstein, temos o homem querendo “brincar de Deus”.
A obra inicia-se com o sério advogado Utterson, conhecido por ser um homem de aparência severa e de poucas palavras que, em uma conversa com um parente, lhe é descrita uma situação de extrema malignidade, em que um homem, que mais parece uma criatura, é autor de extrema crueldade contra uma criança. Tal agressor, não é conhecido de ninguém e, por Utterson, nunca foi visto, mas seu nome lhe é muito bem conhecido: Edward Hyre, pois é único herdeiro de seu amigo médico, Dr. Henry Jekyll, cujo testamento foi redigido pelo advogado.
Ao saber que talvez, o amigo corre perigo, Utterson tenta persuadir o médico a retirar o mal afamado, Hyre de seu testamento, mas o médico é firme em sua decisão e suas explicações deixam o amigo advogado temeroso e confuso.
Um assassinato ocorre, um amigo de Utterson é a pobre vítima. O agressor? Antes mesmo que lhe digam, Utterson tem certeza de que é Hyre. 
“Nunca fora fotografado, e o pouco que dele se podia descobrir diferia grandemente de uma testemunha para outra. Unicamente em um ponto estavam todos de acordo: a sensação de deformidade indefinível com que o fugitivo impressionara todos os que o haviam visto.”
Em sua total desconfiança e ao mesmo tempo total incompreensão, Utterson consegue desvendar tamanho mistério, após a morte do amigo, que lhe deixou uma extensa carta lhe contando sua terrível experiência. Henry Jekyll, deslumbrado em seus estudos, desejava, com base em uma mistura de compostos e ingredientes, separar seu lado bom de seu lado ruim. Que quer dizer isso? O médico queria libertar sua dualidade, e teve sucesso, até certo ponto. Mas as coisas lhe fugiram do controle e seu lado maligno, com a forma e nome de Hyre, tomou as rédeas de sua vida. Sinistro, não??

CURIOSIDADE: A história de Stevenson baseou-se na vida dupla de um habitante de Edimburgo, na Escócia, chamado William Brodie: de dia ele era um respeitado marceneiro; à noite, roubava as casas dos moradores da cidade.

Classificação:

Drácula - O Vampiro da Noite

Quem não conhece a história do bebedor de sangue, Drácula, que no meio da noite entra no quarto das damas para saciar sua sede? Bem, eu assisti uma das várias adaptações cinematográfica há muitos anos e, por isso, não posso dizer se fizeram jus à obra, mas posso dizer que o ar sinistro presente no livro é algo indispensável para qualquer adaptação.
A estória é narrada por diversos personagens, quase todos, na verdade. E, por meio de seus diários, cartas e relatos, podemos conhecer um pouco mais profundamente cada um dos personagens, além de várias perspectivas em relação a um mesmo fato.
Bem, o primeiro a conhecer o vil morcego da noite foi Jonathan Harker, um jovem advogado, que a pedido de um amigo e professor, viaja para a Transilvânia a encontro de um tal Conde Drácula, que pretende fixar-se em Londres. A princípio, o anfitrião se mostra muito agradável e hospitaleiro, mas com o passar dos dias, Jonathan vai notando coisas estranhas e percebe que, na verdade, não é um hóspede, mas sim um prisioneiro. Sem ter como se comunicar com o professor que o enviou à essa terrível missão, e nem com a noiva, Mina. Jonathan espera pela morte, ao dar-se conta de que seu algoz é um vampiro.
"Deus pelo menos é mais piedoso do que estes monstros e o precipício é íngreme e alto. Em sua base, um homem pode dormir como homem. Adeus para todos! Adeus, Mina!
Em contrapartida, sem ter notícias de Jonathan, sua amada Mina, em visita a sua amiga Lucy, passa por uma situação desoladora, acordando todas as noites com o sonambulismo da amiga. Como se isso não bastasse, esta vêm ganhando, dia após dia, uma palidez quase cadavérica, coisa, no mínimo preocupante. Ao pedir ajuda ao noivo e amigos de Lucy, estes contatam um outro médico, Dr. Van Helsing. Eis um caso estranho: a pobre Lucy, está cada vez mais pálida e fraca, devido a perda de muito sangue constantemente, mas.... não há ferimento algum que indique hemorragia.
Quando descobrem a causa de tais "sintomas", é tarde demais. E unidos com um único propósito, todos iniciam uma pesquisa, afim de perseguir e exterminar o causador de tanto mal.
Gente, eu poderia escrever muitas coisas sobre o livro, mas a resenha ficaria ainda mais longa, mas..... posso dizer que, não é à toa que a obra é considerada um clássico do mito do vampiro. É uma obra COMPLETA, muito bem escrita e que, envolve o leitor de tal forma, que é possível ver o "nevoeiro" que envolve a trama. rs

Classificação:

Bem, nem preciso dizer que a leitura do livro teve um rítmo MUITO diferente de outros livros com os quais estou habituada. Não é novidade para ninguém que, em clássicos, tudo acontece mais lentamente, ou melhor, tudo é descrito muito mais detalhadamente e com um vocabulário muito mais fino e rebuscado (o que é totralemente natural, uma vez que foram escritos no século XIX e XX). Como eu já disse algumas vezes, eu gosto bastante de clássicos (embora não leia com tanta frequência), mas as folhas brancas com letras minúscula da diagramação, dificultam um pouco a leitura, pois cansa a vista muito mais rápido que folhas amarela. Isso acarreta o sono.... e a dispersão.... eis a explicação pela demora em concluir a leitura, mas.... eu recomendo!! 
Uma dica: Não leia as três obras de uma vez. Intercale outros livros nos intervalos entre as obras, assim você começará cada uma delas um pouco mais descansado.

OBS: Ainda essa semana tem promoção!! Fiquem de olho, pois serão sorteados DOIS exemplares! ^^
***
Espero que gostem!!

Beijos e amassos!!

6 comentários

  1. Quero muito ler Drácula, foi a resenha que mais me chamou atenção. Os dois não são de meu interesse!


    Ah, se quiser conhecer (e seguir) meu cantinho: jeito-inedito.blogspot.com
    Um beijo,
    Gislaine
    P.S: Já estou seguindo aqui!

    ResponderExcluir
  2. Acho que Frenkestein é o próximo livro que vou ler, está ali na minha estante esperando já. Gosto muito dos clássicos e adorei suas resenhas.

    Já estou seguindo no Google Friend Connect, tentei seguir no nerworked blog, mas está dizendo que o blog não existe.

    Beijos. Tudo Tem Refrão

    ResponderExcluir
  3. Fiquei com vontade de ler Franks, gostei da parte da resenha que fala dele e fiquei meio que...curiosa. Clássicas são muito bons ( nao todos, claro).
    Quero muito ler.:*

    ResponderExcluir
  4. Adorei a iniciativa da Martin em reunir esses três clássicos num único exemplar. Realmente, são três histórias clássicas e fantásticas. Todos já ouvimos falar delas, porém nunca tivemos a oportunidade de as ler. Eis que a Martin, como sempre incentivando a leitura dos clássicos, lança esse volume magnífico. Amei! :D

    Beijos,

    Fátima Menezes - @fatimamd
    http://recantodecaliope.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  5. Eu adoro esses tipos de livros,principalmente os que falam de dracula(sou fã)adorei a resenha,seu blog esta de parabéns e tomara que eu ganhe!!!

    ResponderExcluir

Adoro saber a sua opinião. ^^ Deixe um recadinho com sua sugestão e faça uma blogueira feliz! :)