16 de janeiro de 2017

RESENHA: Essa Luz tão Brilhante

Editora: Arqueiro
Autor(a): Estelle Laure
Número de Páginas: 208

Sinopse: O pai dela surtou e foi internado. A mãe disse que ia viajar por uns dias e nunca mais voltou. Wren, sua irmãzinha, parece bem, mas já está tendo problemas na escola. 
Lucille tem só 17 anos, e todos os problemas do mundo. Se não conseguir arrumar um emprego para pagar as contas e fingir para os vizinhos que está tudo em ordem, pode perder a guarda da irmã. 
Sorte a dela ter Eden, uma amiga tão incrível que se dispõe a matar aulas para ajudá-la. Azar o dela se apaixonar perdidamente justo agora, e justo por Digby, o irmão gêmeo de Eden, que é lindo, ruivo... mas comprometido.
Essa luz tão brilhante é a história de uma garota que descobre uma grande força dentro de si enquanto aprende que a vida e o amor podem ser imprevisíveis, assustadores e maravilhosos – tudo junto e misturado.

Olá gente lindaaaa!
Confiram a resenha que a Ana Paula fez do livro "Essa Luz tão Brilhante". Ela achou tão fofo que eu fiquei super curiosa para ler. 

***
Lucille, ou melhor, Lu, mora com a irmã caçula, Wren, em Cherryville, Nova Jersey. Recentemente teve que assumir a responsabilidade de cuidar da casa, pois a mãe saiu para uma viagem para desestressar (e ao que aparenta não tem planos de retornar tão cedo) e o pai foi internado após um surto psicótico. Apesar da solidão que se sente, Lu tem em Eden, sua amiga de escola, seu ombro direito. Eden é irmã gêmea de Digby, rapaz que cresceu com Lu, mas que somente agora lhe causa calafrios apaixonados:
“Como é que num dia uma pessoa é um componente de decoração na casa (uma mesa bacana, talvez – e no outro passa a ser os canos, a fundação, a viga central sem a qual toda a estrutura desaba? Como é que uma estrela que mal se nota se transforma no sol?” (página 16)
Lu, depois de um tempo se dá conta de que ela não conseguirá arcar com todas as despesas que cuidar de uma casa exige. Sendo assim, ela decide procurar um emprego e o consegue graças à Eden, que a indica para ser garçonete em um restaurante. Lá ela tem que se transformar em outra pessoa, pois o uniforme exige que vista roupas muito curtas e muita maquiagem, coisas com as quais não está habituada:
“Os sapatos fizeram o meu quadril sacudir para a frente e para trás quando eu andava (bom, quase corria) pelo salão do restaurante, e quando olhei no espelho e vi meu rosto maquiado (o delineador preto, o batom vermelho), e percebi que Eden tinha razão: eu só precisava fingir ser outra pessoa, uma pessoa corajosa.” (página 44)
Apesar do cansaço e da dificuldade de conciliar estudo, trabalho e cuidar da casa, Lu consegue o dinheiro extra que a ajuda a pelo menos não passar fome e ter as contas pagas.
Até determinada parte da história não sabemos o que houve realmente entre os pais de Lu que os separaram, mas há uma parte em que ela descreve um episódio de violência envolvendo-os. A partir deste ponto percebemos que a ausência da mãe na vida das meninas é em parte culpa de seu pai, tido como um “monstro” por Lu.
“Algumas coisas não podem ser desditas, desfeitas.” (página 53)
Em meio à turbulência e preocupação em que se encontra, Lu e Wren chegam em casa e encontram a despensa cheia, mas não se sabe quem a enche. Ficasse um mistério de quem seriam os “anjos” (como diria Wren) que estão a cuidar delas. Seria a mãe? O pai? Algum vizinho ou amigo? As meninas também não sabem, mas são agradecidas.
A história vai se encaminhando lentamente ao seu desfecho e conforme vai acabando novos desafios vão aparecendo e exigindo de Lu uma força que até então ela não sabia que possuía.
O tempo todo em que li o livro ficava me perguntando o porquê deste título e conforme a história se passa percebemos que a Lu, durante todo o tempo da narrativa, foi saindo aos poucos de um casulo que ela mesma construiu em torno de si, para se proteger; ela volta a pintar quadros, algo que havia esquecido que fazia quando criança. O leitor vai percebendo que essa luz tão brilhante na verdade é a própria Lu! É a luz que há em seu interior e que antes estava escondida e que agora vai retornando à vida, redescoberta. Isso em grande parte devido à suas amizades e a própria realidade que se encontrava, que a fizeram amadurecer e ver a vida com mais fé e força. Essa luz é ela! 
“Quando você está em seu estado mais fraco, quando tudo é uma confusão, a limpeza precisa começar da raiz.” (página 179)
“Explique qual o objetivo de viver se você não estiver disposta a lutar pelas verdades do seu coração, a correr o risco de se machucar. Você precisa ter fúria.” (página 195)


Classificação: 

***
Esperamos que gostem!!

Beijos e amassos!!

Nenhum comentário

Postar um comentário

Adoro saber a sua opinião. ^^ Deixe um recadinho com sua sugestão e faça uma blogueira feliz! :)