16 de abril de 2012

RESENHA: Tudo Pode Mudar

Editora: Arqueiro
Autor(a): Jonathan Tropper
Número de Páginas: 288

Sinopse: Zack é o mais velho dos três filhos da família King, despedaçada quando o pai, o excêntrico e irresponsável Norm, sumiu da vida de todos. Durante os anos seguintes, Zack moldou sua personalidade para que jamais se parecesse com ele. Assim, se tornou um homem pacato e conservador. Ele tinha consciência de que se acomodara a uma situação conveniente: morava de favor na casa de um amigo rico, tinha um emprego medíocre mas estável e estava noivo de uma mulher por quem não era apaixonado. Apesar disso, sentia-se relativamente feliz com sua vida. Certo dia, Zack encontra sangue em sua urina e, após realizar alguns exames, passa a suspeitar de que sofre de câncer. Atordoado com a possibilidade da morte iminente e assustado com o casamento que se aproxima, ele começa a questionar suas escolhas e a perceber a fragilidade daquela vida falsamente estruturada.  Com muito humor e sensibilidade, Jonathan Tropper conta uma história de amor, traição, perdão, recomeço e a chance de se criar uma vida nova em meio ao caos.
Olá gente linda!!!
Hoje vim contar para vocês o que eu achei do livro Tudo pode Mudar. Bem, há um tempo atrás eu vi uma resenha que classificava o livro como um "chick-lit masculino" (desculpem, mas eu não lembro em que blog eu vi - se for no seu, me avise que darei os devidos créditos) e, tenho que concordar plenamente com tal classificação, pois expressão ou palavra nenhuma descreveriam com tamanha exatidão o "gênero" do livo.

Zachary King, mais conhecido com Zack, realmente pode ser considerado um cara de sorte. Tem um bom emprego, mora em um apartamento luxuoso com um amigo milionário e está prestes a se casar com uma mulher linda, com a qual jamais sonhou se relacionar. Tudo perfeito, não fosse o fato de estar apaixonado por Tamara, mãe de Sophia e viúva de seu melhor amigo, morto a dois anos em um acidente de carro, no qual ele próprio estava presente.
Mas, como tudo que é sólido pode derreter (olha eu fazendo referência a um programa de 1900 e bolinha..), o mundo de Zack começa a desmoronar quando ele percebe uma pequena quantidade de sangue em sua urina. Bastou isso para que sua vida começasse a ficar de pernas para o ar. 
"- Está tudo bem?  - Hum - é a resposta. Jamais, em nenhuma circunstância, você quer ouvir seu médico dizer "Hum". "Hum" deve ser o jargão médico para "Puta que pariu". (página 37)
Sofrendo com a possibilidade de ter câncer, Zack começa a reanalisar sua vida e os rumos que ela tomou com base em suas escolhas. Será que vale a pena ter um "emprego de merda", uma noiva linda, mas pela qual não tem certeza estar apaixonado e com a qual não tem certeza se pode ser ele mesmo?
Não bastasse toda essa confusão circundando seu "possível câncer" e sua vida medíocre, Zach é surpreendido com o ressurgimento de Norm, seu pai, que traiu a esposa a anos atrás e, após ser desmascarado e ridicularizado por tal traição, abandonou a família - esposa e 3 filhos.
"Meu pai tem uma ereção. Não o vejo a pelo menos seis ou sete anos e agora ela aparece na porta da minha casa, na hora do café da manhã, com uma ereção que levanta a calça de seu terno como se fosse um pau de uma barraca." (página 16)
Zach é o irmão mais velho dentre três e, embora odeie admitir, nunca perdoou o pai pelo abandono, mesmo que vários tenham se passado e, tem uma única meta em sua vida: NÃO ser igual ao pai. Matt é o caçula - roqueiro, todo tatuado, com os dentes amarelados por causa do cigarro e.... usa uma peruca do Elton John (a qual chamam de Elton) na presença da mãe, pois esta não se conforma com o estilo careca do caçulinha. Peter (Pet), tem 29 anos e sofre de um retardo mental, por isso ainda é o único a morar com a mãe, e tem a mentalidade de uma criança, ou de um adolescente inocente que, após vários anos ainda espera a volta do pai.
"Depois, ele joga as mãos para trás buscando de novo a cabeça de Matt, mas só consegue agarrar a peruca do Elton John, enquanto Matt cai no chão.
 - Que merda é essa? - exclama Satch, olhando horrorizado, com asco, para a peruca e depois para a cabeça raspada de Matt." (página 164)
*****
O que eu achei?? Eu AMEI!
Esse livro me arrancou boas risadas, com certeza! Devo admitir que é bem interessante conhecer o ponto de vista masculino acerca de certas coisas (principalmente se o ponto de vista não for de um personagem egoísta como o Ben, de Um Mundo Brilhante - dá para ver que minha relação de ódio com o personagem é permanente, né?! ahha) e, Jonathan Tropper aborda tudo com um senso de humor contagiante. Como eu disse, não tem como classificar o livro de outra forma que não seja chick-lit. O suspense em torno do possível câncer de Zach e a vontade de jogar tudo para o alto rende vários capítulos de muita curiosidade e MUITO humor.
Uma leitura divertida, leve e agradável. SUPER recomendo!

Classificação:

***
Espero que gostem!!!


Beijos e amassos!!

Um comentário

  1. Oi flor, tudo bem?

    Tbm li uma resenha que o classificava como um chick-lit masculino, só que assim como você não lembro qual blog foi rsrs.
    E até agora só li resenhas positivas, por isso estou bem curiosa a respeito.

    Amei sua resenha! :)

    Beeijos,
    Ler e se Aventurar

    ResponderExcluir

Adoro saber a sua opinião. ^^ Deixe um recadinho com sua sugestão e faça uma blogueira feliz! :)