2 de abril de 2014

RESENHA: Razão e Sensibilidade

Editora: Martin Claret
Autor(a): Jane Austen
Número de Páginas: 458

Sinopse: Após a morte de Henry Dashwood, sua esposa e filhas - a sensata Elinor, a romântica Marianne e a jovem Margaret - veem-se subitamente empobrecidas e obrigadas a trocar sua confortável mansão por um pequeno chalé em Barton Park. Enquanto Elinor é controlada e cautelosa, Marianne demonstra abertamente seus sentimentos, recusando-se a adotar a conduta hipócrita que é esperada dela. Apesar de sua prudência, Elinor torna-se cada vez mais apegada a um homem inacessível. Marianne, por sua vez, descobre que seu temperamento afetuoso não é suficiente para garantir sua felicidade. As irmãs enfrentam grandes desafios em suas vidas amorosas e são forçadas a encontrar o equilíbrio entre razão e emoção antes de conquistarem o verdadeiro amor.

Olá gente lindaaa!
Finalmente tive a oportunidade de reler algo da DIVA Jane Austen! *-* Eu tive a experiência agradabilíssima de ler, em 2011, três das seis aclamadas histórias criadas pela autora inglesa (RESENHA AQUI!), hoje, por estar estudando as mesmas três obras para um projeto de Iniciação Científica da universidade, uni o útil e o agradável.

Apesar de ser fã da autora (tanto pela leitura de três de suas obras anos atrás, quanto por ter assistido a diversas adaptações cinematográficas), confesso que ao ler "Razão e Sensibilidade" pela segunda vez, eu pouco me lembrava da história, entretanto, a história me ganhou novamente.

Em um período em que, com a morte do patriarca da família, todos os bens era passados ao parente masculino mais próximo (excluindo assim as mulheres, fossem elas filhas ou esposa), a sra. Dashwood e suas três filhas, Elinor, Marianne e Margareth se vêem desamparadas com a morte de Henry Dashwood, o patriarca e único provedor da família. John Dashwood, único filho de Henry, fruto de seu primeiro casamento é seu único herdeiro e não hesita em ocupar a residência que passa a ser sua por direito.
Após alguns dias vivendo sob o mesmo teto do enteado e sua esposa, a desagradável Fanny, as Dashwood recebem uma carta de um primo distante lhes oferecendo um chalé em Barton Park por um preço razoavelmente acessível, uma vez que a família não dispunha de muito.
Barton Park torna-se cenário, então, do cotidiano da senhora Dashwood e suas três filhas, e das alegrias e desgostos da mesmas, em especial de Marianne e Elinor. As irmãs conhecerão o primeiro amor e, inevitavelmente terão o coração partido.
Elinor, apaixonada por Edward Ferrars, irmão de sua desagradável cunhada, sofre pelos obstáculos sociais que a separam dela. Marianne, por sua vez, entrega seu coração facilmente à Willoughby, sem conhecer suas intenções e sem saber muito sobre sua vida e seu passado.
O romance explora o modo como as duas irmãs enfrentam suas mazelas, Marianne que é toda emoções, lágrimas e sofrimento e, Elinor, contida e sensata, sofrendo em silêncio para não trazer angústias à família que tanto ama.
"Marianne jamais se perdoaria se fosse capaz de dormir na primeira noite após se separar de Wolloughby. Teria vergonha de olhar no rosto a família na manhã seguinte, se não tivesse levantado da cama precisando de mais repouso do que quando nela se deitara." (página 111)
Recheado de crítica sociais, o livro nos apresenta uma sociedade em que o casamento é assunto para todas as conversas e, mais do que uma relação entre duas pessoas, é um negócio baseado em posses e status sociais. A mulher, como não poderia deixar de ser, como a própria Elinor afirma a certa altura da narrativa, "não tem vez no capítulo", ou seja, não opina.
Embora eu já tenha lido outros títulos da autora e possa dizer que o cenário onde as histórias são ambientadas é praticamente o mesmo, o casamento (por amor ou por interesse) está presente em todas as suas obras, mas "Razão e Sensibilidade" se destaca por ser um dos únicos (senão o único, já que não li três dentre as seis obras da autora) a ter um desfecho inteiramente determinado pela hierarquia social.
"E era capaz de responder tão bem às suas próprias expectativas, que, quando se juntou a elas para jantar, só duas horas depois de ter sofrido pela primeira vez o fim das suas esperanças, ninguém adivinharia pela aparência das irmãs que Elinor estivesse chorando em segredo por obstáculos que deviam separá-la para sempre do objeto do seu amor, e que Marianne estivesse interiormente relembrando sem para as perfeições de um homem de cujo coração se sentia senhora absoluta, e que esperava ver em cada carruagem que passava perto da casa." (páginas 176-177)
***
Tenho um carinho especial por esse livro, pois foi o primeiro que li da autora, entretanto ele está longe de ser o meu favorito. Admiro o visível amadurecimento de Marianne e o modo como ela aprende a controlar os próprios sentimentos em benefício da família. Mas, seja pelo final que, como eu disse, é apenas satisfatório, ou pela falta de romantismo (digo isso em comparação a "Orgulho e Preconceito" e "Persuasão", que me fizeram suspirar em diversos momentos). Apesar de haver romance em "Razão e Sensibilidade" e o leitor ser levado, inevitavelmente, a torcer por Elinor e Edward, ou mesmo por Marianne e Willoughby / Marianne e coronel Brandon, a relação entre os casais em motencial é morna demais. Senti falta de diálogos mais calorosos, de cartas apaixonadas... Canceriana incurável eu sou.

Classificação:

***
Espero que gostem!!

Beijos e amassos!!



Um comentário

  1. Sou apaixonada por Jane Austen, foi um dos primeiros romances que eu li e fiquei fascinada ali mesmo.
    Esse em especial, porque eu acho linda relação da Elinor da Marianne - mas não gosto da Marianne... Costumava ter vontade de matar ela, ou estapeá-la!

    Ana P.M. ♛ Queen Reader - Venha conhecer o Castelo!
    http://booksandcrowns.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Adoro saber a sua opinião. ^^ Deixe um recadinho com sua sugestão e faça uma blogueira feliz! :)